Boletim Técnico do Senac

Índice Cumulativo - 25 Anos
Síntese dos Artigos Publicados
entre 1974 e 1999
Suplemento Especial da edição n. 25(3) - Dez. 1999

Em ordem alfabética, por autor
Utilize o comando "Procurar" do seu navegador para busca nesta página

MFN : 00001

ABREU, Alice de Paiva. Mão-de-obra feminina e mercado de trabalho no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n.1, p. 5-19, jan./abr. 1977.

A partir da análise de dados levantados para a pesquisa sobre formação profissional da mulher trabalhadora no Brasil, apresenta os aspectos mais importantes da situação da mesma no mercado de trabalho brasileiro. Discute as interligações entre o econômico e o cultural, chamando atenção para a existência dessas interligações, que ajudam a explicar certos aspectos da estrutura de emprego feminino no Brasil.

MFN : 00002

ACSELRAD, Henri. Desemprego no Brasil: considerações sobre conceitos, contextos e políticas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 187-205, set./dez. 1984.

O artigo propõe-se, em primeiro lugar, a recensear diferentes elementos capazes de estabelecer contornos mais nítidos das realidades específicas do desemprego na atual conjuntura brasileira, discutindo, em seguida, a singularidade da atual política econômica que, em acréscimo a seus efeitos destrutivos sobre o emprego, consagra a efetiva abstenção do Estado no que se refere á promoção de políticas compensatórias de geração de emprego.

MFN : 00003

ACSELRAD, Henri. Elementos para a interpretação da automatização do trabalho no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 193-209, set./dez. 1985.

Análise fundada na suposição de que a adoção de processos automatizados de produção baseia-se no duplo movimento de rentabilização dos capitais, e de reordenação das condições sociais subjacentes a estes fatores de rentabilização

MFN : 00004

ALCOFORADO, Paulo. Teoria da decisão : uma abordagem bayesiana. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 285-300, set./dez. 1979.

Aborda a teoria da decisão sob o ponto de vista Bayesiano, fornecendo o instrumento teórico para melhor fundamentar uma abordagem matemática que atinja índices percentuais de probabilidade de ocorrência em cada situação. Isso permite encontrar soluções técnicas aplicáveis à medição da dosagem e da ênfase a ser dada nos programas de ensino, de acordo com o quadro de probabilidades, de ocorrência das diversas ramificações de alternativas decisórias.

MFN : 00005

ALEXIM, João Carlos. Planejamento e formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 161-185, maio/ago. 1978. Inclui bibliografia.

Discute, inicialmente, o conjunto da educação do país e, principalmente, as relações internas desse sistema para enfocar o planejamento da formação profissional. Trata da noção de planejamento e das grandes linhas do planejamento e da sua estruturação no Senac.

MFN : 00006

ALMEIDA, Norma Dilma dos Reis. MAIS : um modelo de avaliação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 27-41, jan./abr. 1983.

A sigla MAIS quer dizer Modelo de Avaliação Integrado e Somativo. O MAIS apresenta cinco componentes que têm possibilitado uma análise e uma interpretação das informações obtidas, fornecendo, assim, o maior número possível de subsídios para uma tomada de decisões. São eles: insumo; procedimentos; processo; resultados; ambiente.

MFN : 00007

ALVARENGA, Rogério. Desenvolvimento profissional e cultural de empresários : formas alternativas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 107-116, maio/ago. 1988.

Analisa formas alternativas que podem auxiliar o processo de desenvolvimento profissional e cultural do empresário. Nesse sentido, apresenta alguns traços da tipologia do empresário necessários à fundamentação de planos de trabalho e descreve certas ações especiais que atendem às características do público-alvo.

MFN : 00008

ALVES, Carmelita. Desperdício de talentos na geração de 40. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 34-39, jan./abr. 1998. Inclui bibliografia.

Analisa a questão da rotatividade de mão-de-obra (turnover) nas empresas, suas causas e conseqüências e focaliza um tema tão atual como o ostracismo e rejeição profissionais que, no mundo ocidental, vêm sofrendo os talentos com mais de 40 anos de idade. Em face do diagnóstico realista dos fatos, ressalta ainda a importante contribuição que as áreas de Recursos Humanos e o T&D poderão oferecer ao poder decisório que, nas organizações, se vê frente a necessidades concretas de otimização do quadro de pessoal, adotando como premissa básica o fator idade.

MFN : 00009

ALVES, Danny J. Recursos computacionais e formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 35-45, jan./abr. 1990.

Alternativas para aplicação de recursos computacionais na formação profissional são apontadas a partir de reflexão sobre sua prática profissional no Senai.

MFN : 00010

AMÂNCIO FILHO, Antenor; ALMEIDA, José Luiz Telles de. Ensino profissionalizante em saúde. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 38-45, jan./abr. 1995.

Alinha questões sobre a formação profissional de nível médio em saúde, enfocando a posição estratégica que a educação, através do sistema e em sinergia com outras políticas setoriais, vem assumindo no alavancamento do desenvolvimento econômico e social de determinadas sociedades capitalistas contemporâneas. Busca, ainda, caracterizar a dinâmica da força de trabalho de nível médio do setor saúde nas três últimas décadas, apontando questões relacionadas às alternativas para a formação desse pessoal e desafios impostos à educação e à saúde para uma efetiva reorganização do sistema de saúde do país.

MFN : 00011

AMÂNCIO FILHO, Antenor. Cenários e situações da formação em saúde no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 10-25, set./dez. 1997. Inclui bibliografia.

Situa a problemática da formação de pessoal de nível médio para a saúde no cenário brasileiro, frente às diretrizes estratégicas do Sistema Único de Saúde, apresenta uma análise quantitativa sobre a força de trabalho em saúde (nível técnico e auxiliar) e busca demonstrar e estabelecer interfaces entre as áreas da educação e da saúde. A relação entre trabalho, educação e saúde atua como fio condutor e mediador que interliga os conteúdos e os enfoques da temática a que se propõe o artigo.

MFN : 00012

AMÂNCIO FILHO, Antenor. Reflexões sobre uma experiência de educação politécnica na saúde. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 41-47, set./dez. 1998. Inclui bibliografia.

Examina iniciativa promovida na Fiocruz para construir uma experiência educacional tendo a concepção de educação politécnica como eixo norteador das ações de um curso técnico de segundo grau. Considerando os pressupostos básicos estabelecidos para a proposta, são abordados avanços e recuos da experiência, apoiando-se em resultados de investigação envolvendo docentes da formação geral e alunos formados e matriculados no curso no período de 1988 a 1994. São indicadas, ainda, medidas a serem adotadas objetivando o questionamento e a reflexão a respeito da relevância e da validade da proposta, em face dos resultados apresentados.

MFN : 00013

ANDRADE, Waldir. Teleducação no Pará. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 75-80, jan./abr. 1984.

Teleducação, uma modalidade de ensino a distância, foi implantada no Senac/Departamento Regional do Pará em abril de 1975. Sua implantação foi precedida de uma pesquisa sobre os serviços postais, objetivando levantar dados sobre o tempo gasto para envio e recebimento de correspondência. O primeiro curso implantado foi o de correspondente comercial. A eficiência desta modalidade decorre, também, das Unidades Móveis e da criação de Bancos de Textos.

MFN : 00014

AQUINO, Júlio Groppa. Questão Ética na educação escolar. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 2-13, jan./abr. 1999. Inclui bibliografia.

Visa a problematização da questão ética no espectro das práticas escolares, particularmente no que diz respeito à ação docente. Para tanto, propõe uma configuração inicial do tema em diferentes âmbitos da ação humana, para depois configurá-lo teoricamente, distinguindo alguns de seus matizes conceituais. Discute a inclusão do tema no campo educacional por meio da proposição de alguns valores e preceitos mínimos no que tange a ação pedagógica e ao convívio entre os pares escolares.

MFN : 00015

ARAÚJO, Dalton M. Caráter nacional, as organizações e a personalidade : uma reflexão para educadores. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 33-39, jan./abr. 1982.

Analisa o processo de mudança ocorrido a partir de 1930, em que o aparelho do Estado intervém acentuadamente na esfera econômica, refletindo-se nos próprios valores nacionais. Destaca, por outro lado, a identidade nacional segundo as camadas sociais, caracterizando-as. Afirma, além disso, que a preocupação dominante de tais classes é a crença de que a instrução é o meio de ascensão social e que a união dos executivos das grandes empresas com outros grupos embalados pelo estímulo dos meios de comunicação, representam a nova Ética urbana, destacando-se o imediatismo e o individualismo.

MFN : 00016

ARAÚJO, Dalton M. Orientação profissional : ensaio. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 43-50, jan./abr. 1983.

Demonstra que o candidato à vida profissional, conforme a procura ou descaminho a cada atividade produtiva (em ocupações de intenso uso da capacidade motora, intensa atividade rotineira desprovida de uso da capacidade motora ou de utilização de simbologia para decisões), pode exprimir o mecanismo de diferenciação entre as camadas inferiores e superiores que resulta em concepções de vida diversas. Assim, "orientar" implica em conhecer também as diversas "visões do mundo" oferecidas conforme a camada social do "orientado" que deverá se ajustar a uniformização do comportamento esperado.

 

MFN : 00017

ARAÚJO, Dalton M. Uso da observação participante no estudo das ocupações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 319-327, set./dez. 1980.

Afirma que cabe a inclusão da observação participante como mais um instrumento adicional as demais abordagens sobre as ocupações. Transcreve a definição de William C. Headrick a respeito do assunto como forma para melhor estudar os fenômenos sociais. Demonstra que as técnicas de observação participante permitem acumular grande número de informações e utilizar diversos informantes na testagem de veracidade das informações que, os cuidados na utilização da observação, devem girar em torno do "papel" a ser adotado pelo observador participante.

MFN : 00018

ARAÚJO, Maria Luiza M. S. Experiência de desenvolvimento e validação de software educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 247-257, set./dez. 1992.

Relata a experiência na elaboração, desenvolvimento e validação dos softwares educativos sobre os temas ensino para competência e avaliação do processo ensino-aprendizagem. Desenvolvidos a partir de um recurso computacional de fácil interação - o hipertexto - os softwares buscam atender às necessidades didático-pedagógicas básicas de instrutores do Sistema Senac.

MFN : 00019

ARRUDA, Gerardo Clesio M. Intermediação de mão-de-obra, seguro-desemprego e qualificação profissional : uma reflexão sobre suas interfaces. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 91-100, maio/ago. 1992.

Define e analisa a intermediação de mão-de-obra e realiza uma avaliação de como os agentes, que compõem o mercado de trabalho, podem se beneficiar desta atividade, destacando a sua execução através do Sistema Nacional de Emprego-SINE. Define, ainda, o Programa Seguro-Desemprego e aponta alguns estrangulamentos operacionais que podem torná-lo mero benefício previdenciário. Por último, discute a importância da interação da intermediação de mão-de-obra com o seguro-desemprego para o desenvolvimento da qualificação e da qualidade da força de trabalho.

MFN : 00020

AVILA, Sueli de F. Ourique de. Quando a educação foi prioridade nacional? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 46-55, jan./abr. 1995.

Discute a questão da educação nacional que desde seus primórdios vem sendo importada de modelos estrangeiros, tornando-se ineficiente e discriminatória. Dá-se importância ao modelo "humanista" de educação, baseado em um ensino literário e intelectualista, desvalorizando-se o ensino profissionalizante. Em decorrência, o ensino humanista torna-se almejado pelas classes medias e superiores, enquanto o ensino profissionalizante passa a ser procurado pelas classes populares, que têm urgência em preparar-se para o exercício de um ofício.

MFN : 00021

BAHL, Miguel. Fundamentação do turismo no planejamento de roteiros. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 3-15, jan./abr. 1989.

Analisa os diversos elementos que interferem no planejamento do roteiro turístico. Destaca a importância dessa análise para a compreensão dos tipos de serviços necessários à concretização do roteiro, tais como transporte, hotelaria, alimentação e receptivo. Torna-se significativo o estudo dos componentes, tipos, e abrangência do roteiro turístico para um planejamento adequado.

MFN : 00022

BARATO, Jarbas Novelino. Desenvolvimento empresarial : notas para uma abordagem conceitual. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 287-299, set./dez. 1978.

 

As ações sistemáticas já desenvolvidas no campo do Desenvolvimento Empresarial indicam a necessidade de aprofundamento do enfoque conceitual relativo a esse campo. Procura apontar as características de qualificação profissional pela vida do trabalho por agências especializadas. Estes dois campos devem ser atendidos pelo Senac, com mercadologia e técnicas próprias. A finalidade de cada um deles deve ser muito bem determinada para que não ocorram expectativas que não correspondam às especificações de cada uma destas formas de capacitação de recursos humanos.

MFN : 00023

BARATO, Jarbas Novelino. Em busca de uma didática para o saber técnico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 47-55, maio/ago. 1999.

Examina a insuficiência explicativa da fórmula teoria/prática no campo do aprender a trabalhar. Situações vivenciadas no Senac e a crítica antropológica ao etnocentrismo dos intelectuais ilustram essa idéia. Superar as limitações de uma epistemologia binária exige uma revisão dos modos de classificar saberes para fins educacionais. Nessa direção, a taxonomia de Merril é reinterpretada com alguma liberdade. A proposta central do artigo é a de que a técnica é uma forma particular de saber, exigindo, por essa razão, tratamento didático específico. Deixar de reconhecer tal especificidade, nos termos da argumentação apresentada, é uma forma sutil de continuar a justificar a separação entre concepção e execução do trabalho.

MFN : 00024

BARATO, Jarbas Novelino. Inovação e mudança em educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 17-32, jan./abr. 1985.

Tem por objetivo apresentar um quadro de referência sobre o processo de inovação e mudança em educação, mais especificamente no plano técnico, exemplificado com o caso auto-instrução no Senac de São Paulo.

MFN : 00025

BARATO, Jarbas Novelino. Processo de formação profissional e a experiência do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 139-157, jan./abr. 1978.

Discute acertos ou desacertos da Lei 5.692/71, examinado as reações que ela desencadeou, pois essas reações indicam ausência de análises sistemáticas sobre o processo de formação profissional. E isto ocorre, paradoxalmente, numa situação em que se amplia o debate sobre o papel da escola na preparação de mão-de-obra.

MFN : 00026

BARBOSA, Francisco Valter Moreira. Capacitação de recursos humanos na empresa. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 89-101, jan./abr. 1979.

Empresas poderão e deverão capacitar seu pessoal para melhor desempenho profissional e melhor rentabilidade nos negócios. Para ajudar os empresários a desenvolverem o talento e capacidade de seu pessoal, o Senac criou o Programa de Capacitação na Empresa. O sistema operacional se desenvolverá da seguinte maneira: forma de atendimento; critérios de atendimento; custeio das atividades; estratégia da abordagem do programa junto às empresas; procedimentos básicos para o planejamento das programações que permitam motivar os empresários a levar seus empregados à capacitação profissional.

MFN : 00027

BARONE, Rosa Elisa M. Formação profissional : uma contribuição para o debate brasileiro contemporâneo a partir da experiência internacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 12-25, jan./abr. 1998. Inclui bibliografia.

Fornece elementos para a discussão da temática da formação profissional no Brasil a partir da recuperação de experiências vivenciadas por países de diferentes contextos socioeconômicos. Apresenta sistemas e/ou modelos considerados emblemáticos no cenário internacional de formação profissional como Alemanha, Reino Unido, França, Estados Unidos, Japão e Chile. Procura apontar alguns dos limites que se impõem quando da tentativa de transposição e de sua implementação em outros países, principalmente aqueles em desenvolvimento.

MFN : 00028

BARTMANN, Mercilda. Evolução histórica dos cursos de Auxiliar e Técnico de Enfermagem no contexto sociopolítico-econômico do Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 26-33, set./dez. 1997. Inclui bibliografia.

Faz uma retrospectiva histórica da prática e do ensino da enfermagem brasileira desde 1890 até o presente e destaca o surgimento do pessoal de nível médio, e as leis que regem a formação desses profissionais. Mostra que a prática e o ensino de enfermagem são conseqüentes à prática de saúde predominante na época, e que essa prática é fortemente influenciada por fatores sociopolíticos e econômicos. Enfatiza a necessidade de uma reformulação dos currículos dos cursos de Auxiliar e Técnico de Enfermagem, pois eles já não formam profissionais capazes às necessidades atuais da sociedade brasileira.

MFN : 00029

BELCHIOR, Elysio de O.; POYARES, Ramon. Elementos da história da hotelaria. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 191-208, set./dez. 1987.

O hotel, resultante de diversas formas de hospedagem manifestadas ao longo do tempo, constitui, hoje, o indispensável elo que une as diversas rotas de transporte do mundo, fornecendo suporte indispensável à atividade turística. Analisa o papel da hospitalidade entre os povos da antigüidade, e descrevem as principais formas de hospedagem que plasmaram a hospitalidade portuguesa, trasladada, após o descobrimento, para o Brasil. Retrata as diferentes manifestações de hospitalidade – casas - de -pasto, albergues, pensões, ranchos – que antecederam a implantação dos primeiros hotéis.

MFN : 00030

BERARDI, Rene Alfonso Castro. Administração estratégica : enfoque e perspectivas na comercialização de produtos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 49-62, jan./abr. 1985.

Com todas as transformações por que passa o mundo atual, as empresas também têm que se adequar às mudanças ocorridas para que as tomadas de decisão sejam adequadas.

MFN : 00031

BIACHETTI, Lucidio. Dilemas do professor frente ao avanço da informática na escola. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 2-11, maio/ago. 1997. Il. Inclui bibliografia.

Busca resgatar a trajetória da informática até sua chegada à escola. Constata que ensinar/orientar no contexto da pós-modernidade é um desafio que, às vezes, ultrapassa as condições dos professores e as possibilidades da escola, especialmente dadas as deficiências e defasagens da mesma em relação à revolução informacional. Frente a esta, detecta quatro categorias de professores: apologetas, apocalípticos, desligados e "antenados", estes últimos buscando apreender e colocar a seu serviço esses meios. Revisita a mitologia grega, para compreendermos a situação presente

MFN : 00032

BIONDO, Francisco E. Marketing e as organizações que não visam o lucro. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 137-152, set./dez. 1989.

Aborda a questão da aplicabilidade do marketing nas organizações que não visam lucro. Apresenta o conceito de marketing e os pontos básicos para sua compreensão, analisando as diferenças existentes entre organizações voltadas para o lucro e organizações não voltadas para o lucro.

MFN : 00033

BLANCO CRUSAT, Francisco; VAZQUEZ BLANCO, Cristina. Certificación profesional en España : una herramienta para la transparencia de las cualificaciones. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 42-51, jan./abr. 1999. Inclui bibliografia.

Faz referência à importância que a certificação profissional tem no mercado de trabalho em geral, e no espanhol em particular, para a permanente atualização das qualificações profissionais e para facilitar a livre circulação de trabalhadores na União Européia. Traça o procedimento de reforma contínua na Espanha para a formação profissional ocupacional, sua base legislativa, objetivos propostos, administrações gerenciais e processo metodológico levado a cabo para a obtenção dos correspondentes certificados profissionais.

MFN : 00034

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Ambiência gráfica : criação e organização do espaço; sistemas de símbolos para turismo e hotelaria - sinalização para hotéis-escola do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 69-87, jan./abr. 1979.

As noções para ambiência gráfica fundamentam-se nos conceitos da arquitetura integral e do espaço artístico propostos e desenvolvidos pelo movimento da Escola de Bauhaus, cujo movimento destacou o aspecto das relações espaço-tempo nas formas de percepção e do abandono da interpretação estática do mundo ambiente por novas relações dinâmicas. Demonstra as dificuldades existentes para a implantação de um único sistema internacional de símbolos públicos, como os de Turismo e Hotelaria. Foi desenvolvido no Senac/DN, um sistema de símbolos para a sinalização de seus hotéis-escola.

MFN : 00035

BOSISIO JÚNIOR, Arthur; COACHMAN, Raul Justo. Senac e a imagem corporativa de uma moderna empresa de ensino. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 63-71, maio/ago. 1974.

Propõe que o Senac deva criar, implantar sua imagem corporativa e desenvolver programas integrados de planejamento visual, que podem incluir uma enorme variedade de itens: o nome da organização, o logotipo, a marca-símbolo, o emprego de cores, as características de aparência comum entre seus produtos, instalações e equipamentos; embalagens, uniformes, impressos e publicações, sistemas de sinalização arquitetônica; exposições e "stands" para mostras; peças promocionais, recursos audiovisuais etc. Em suma, tudo aquilo que representa a "assinatura da empresa".

MFN : 00036

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Comunicação : alguns elementos da teoria da informação e da semiologia. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 207-229, maio/ago. 1977.

Discute conceitos de comunicação, os quais apontam a função social precípua do processo comunicacional. Apresenta o modelo geral de canal de comunicação, empregado na teoria matemática da informação, e os elementos básicos intervenientes: sinal, mensagem, fonte, emissor, receptor, destinatário, código, codificação, decodificado. Destaca a questão das fontes de erro ou distúrbio no canal de comunicação, denominadas abrangentemente de ruído, e o emprego da redundância, como recurso para neutralizar o efeito do ruído. Discute o conceito de informação, associando-o aos de seleção ou escolha.

MFN : 00037

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Editoração : normalização e vernaculidade. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 111-129, maio/ago. 1987.

A editoração cuida da preparação técnica dos originais do autor com vista à publicação do documento impresso. A importância da editoração avulta em originais de natureza técnico-científica. A falta de conscientização sobre o papel da editoração em instituições-editoras é responsável pela publicação de documentos sem a mínima dignidade vernacular, imperfeitos e com baixo custo-benefício. O artigo discute conceitos básicos do processo de editoração, apresenta características precípuas das diversas atividades intervenientes neste processo e aponta as vantagens resultantes da normalização de documentos impressos.

MFN : 00038

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Linguagem e comunicação : símbolos, signos e sinais; imagens x palavras. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 311-350, set./dez. 1977.

Ensaio que vincula-se à "ergonomia informacional", por suas implicações com as formas de linguagem, canais de informação, fatores perceptuais, interpretação de sinais etc., como também a "ergonomia de sistemas" e suas noções de regulação e previsão. Deteve-se no estudo da estrutura e função dos "símbolos gráficos", que permitem o registro da informação. Apresenta uma visão conjunta sobre a utilização dos símbolos gráficos, símbolos públicos e "sistemas de sinais" para informação. A partir desta abordagem, desenvolve alguns tópicos de interesse específico e aplicação imediata para o Senac.

MFN : 00039

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Normas para preparação de originais e elaboração de documentos técnicos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 215-246, set./dez. 1980.

Apresenta as normas gerais para a preparação de originais propostas pela ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) e o IBICT (Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia), objetivando disciplinar o processo de produção e reprodução de documentos técnicos, didáticos e administrativos da entidade.

MFN : 00040

BOSISIO JÚNIOR, Arthur. Símbolos do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 153-180, maio/ago. 1981.

Pretende apresentar os princípios básicos para implantação de um "código de identidade" determinado e específico do Senac. Além dos símbolos institucionais – símbolo-marca, logotipo, assinatura, cores institucionais e bandeira – são incluídos no "código" as coleções de pictogramas criadas para representação das ocupações do setor terciário treinadas pelo Senac e para sinalização de seus hotéis-escola.

MFN : 00041

BRANDAO, Liana Santiago; SILVA, Maria Lúcia P.; ROCHA, Graça Maria S. Orientação de instrutores locais nas unidades móveis do DR-Bahia. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 409-423, set./dez. 1977.

A partir da análise dos dados levantados de uma pesquisa, foi percebida a necessidade do alargamento do Campo de Ação do DR da Bahia, através de uma nova modalidade operativa – Unidades Móveis – a fim de suprir a carência de mão-de-obra qualificada, a uma clientela constituída de profissionais em exercício, como também aos carentes de uma qualificação profissional. Apresenta um levantamento de dados, oferecendo uma visão global do trabalho desenvolvido, ou seja, a análise das atividades, escolha dos procedimentos e técnicas, dosagem dos assuntos, critérios de avaliação etc.

MFN : 00042

BRANDÃO, Marisa. Da arte do ofício à ciência da indústria : a conformação do capitalismo industrial no Brasil vista através da educação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3,set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

As transformações pelas quais passou a formação profissional no Brasil nas primeiras décadas deste século são discutidas baseando-se principalmente na legislação da época relacionada a este campo. Tendo como referência a conformação do capitalismo indústrial no Brasil – entendido como um projeto que aos poucos se concretiza – observa-se nos textos legais, assim como no aparelho de Estado que se formava, idéias e ações que caracterizam a transformação de uma educação assistencialista, e com base na arte para uma educação com preocupações de qualificação para a indústria, com base na ciência. O fato da formação profissional com base científica tornar-se uma política pública na área de educação deve ser considerado como um avanço histórico para os trabalhadores, porém isto não pode ser confundido com um acesso igualitário à educação.

MFN : 00043

BRASIL. Ministério do Trabalho. Secretaria de mão-de-obra. Política nacional de formação de mão-de-obra. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 169-175, set./dez. 1982.

A Política Nacional de Formação de Mão-de-Obra é expressa pelo conjunto de diretrizes básicas e prioridades do desenvolvimento da força de trabalho do País, a ser realizada através do Sistema Nacional de Formação de Mão-de-Obra (SNFMO). Pressupõe-se a união de esforços entre o poder público, a iniciativa privada e a população usuária, todos igualmente responsáveis pelo alcance dos objetivos.

MFN : 00044

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Análise ocupacional no Senac : definição de uma metodologia. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 269-284, set./dez. 1979.

Demonstra o emprego de novas técnicas que previnem o sistema de ensino de uma excessiva ênfase numa hiperespecialização empobrecedora do indivíduo, abrindo perspectivas à sua formação geral, preparando, por outro lado, indivíduos mais autônomos e aptos para enfrentar as diversas opções que lhe impõe a vida profissional.

 

MFN : 00045

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Automação do setor serviços e o escritório do futuro : perspectivas da era da informática. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 17-27, jan./abr. 1984.

Conclui que se pode inferir das mudanças em perspectivas para a idade da informática é que grandes responsabilidades estão reservadas para o sistema educacional, tanto formal quanto informal, e a sociedade demandará cada vez mais um sistema de formação mais ágil, sofisticado e eficaz.

MFN : 00046

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Classificação ou taxionomia das ocupações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 131-140, set./dez. 1988.

Apresenta as dificuldades em estabelecer uma classificação uniforme de ocupações que sirva ao mesmo tempo para países industrializados e países pobres. Considera a Classificação Internacional Uniforme de Ocupações uma classificação provisória, que demandaria levantamentos e pesquisas para atender países desigualmente desenvolvidos. Comenta ainda a CBO, que apresenta dificuldades ao classificar as ocupações do setor terciário e as do chamado setor informal da economia.

MFN : 00047

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Contribuição de Jean Piaget para a teoria instrucional da descoberta. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 149-154, set./dez. 1982.

Agrupa as idéias que sustentam o modelo da descoberta em três principais componentes: psicologia cognitiva, desenvolvimento da criança e estudo da criatividade. Em todos estes conceitos, Piaget deu uma forte contribuição bem como realizou muitas pesquisas, confirmando-os.

MFN : 00048

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Educação democrática, ideologia e mudança social : a atualidade de Dewey. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 127-135, set./dez. 1983.

Procura discutir a chamada Pedagogia Democrática nas suas formas mais recentes através da leitura de um trabalho de Erwin R. Epstein (do Departamento de Ciências Sociais da Universidade de Missouri) no qual traça um paralelo entre as concepções de Paulo Freire e Martin Carnoy, vinculando-as às chamadas teses do Controle Social e as concepções da Teoria da Dependência. Estabelece teses do Controle Social e as concepções da Teoria da Dependência. Esclarece o dilema da Pedagogia do Controle Social, introduzindo o conceito de ideologia como sistema cultural e discutindo o Paradoxo de Mannhein.

MFN : 00049

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Efeitos da mídia e da tecnologia no processo ensino-aprendizagem. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 91-101, maio/ago.1987.

A mídia e a tecnologia instrucional introduziram elementos novos para a discussão das questões clássicas da educação. A escola, a invenção da imprensa e a aplicação da eletrônica foram os três elementos que revolucionaram o processo ensino/aprendizagem. O desenvolvimento da mídia trouxe vantagens e limitações. A mídia influenciou o aparecimento de novas tecnologias instrucionais, mas acrescentou muito pouco às novas teorias ou sistemas curriculares. O uso da mídia na educação ainda espera por contribuições no campo da pesquisa pedagógica, das teorias de currículos e dos métodos instrucionais.

MFN : 00050

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Experiência de Paulo Freire em educação de adultos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 15-29, jan./abr. 1986.

Os objetivos dos programas de treinamento da USAID não são somente promover as habilidades e conhecimentos técnicos, profissionais e gerenciais dos participantes, mas também introduzir atitudes e valores essenciais para atividades de desenvolvimento, e inculcar uma percepção tanto da necessidade do crescimento social quanto do econômico e demonstrar tanto quanto possível que estes são inseparáveis.

 

MFN : 00051

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Planejamento dos recursos humanos e certificações ocupacionais. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 277-287, set./dez. 1980.

Focaliza a Certificação Ocupacional como instrumento de governo na gerência dos recursos humanos de um país. Demonstra as fases no processo de levantamento das necessidades de formação dos recursos humanos. A primeira fase consiste na pesquisa de mercado de trabalho, a qual diagnostica as áreas mais carentes, dando o comportamento e as tendências do mercado de emprego. A segunda é a análise ocupacional que procura reunir todas as informações disponíveis sobre aquelas áreas ocupacionais indicadas na pesquisa de mercado com as mais necessitadas em quantidade ou qualidade de mão-de-obra.

MFN : 00052

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Planejamento e política. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 235-242, maio/ago. 1978.

Cita as variáveis que interferem na atividade de planejamento quando este se dirige a um objetivo que envolve seres humanos, ou seja, quando penetra no campo da realidade sócio-cultural. Quando segue por esse caminho, o planejador pode acabar vendo seu trabalho desaguando em duas vertentes: ou se torna uma imposição tirânica de metas e números ou então se perde no emaranhado das medidas burocráticas. Conclui que não pode haver mudança num modelo dominante se não for travada uma competição de projetos políticos por parte de grupos alternativos que persigam a obtenção da fonte legítima do poder.

MFN : 00053

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio.Teoria dos sistemas e o planejamento educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 35-51, maio/ago.1974.

Analisa a teoria dos sistemas e procura aplicá-lo no planejamento educacional do Senac. O modelo construído contém as formulações gerais, as grandes direções e as projeções concretizadas num conjunto de metas. O sistema utiliza diversos instrumentos, entre os quais um deles é o acompanhamento da execução do orçamento-programa. Na área de execução do ensino, deve-se seguir de perto o aluno (acompanhamento por follow-up) que permite comparar o aluno em dois estados extremos: imediatamente antes do ingresso no sistema de ensino, cujo desempenho se quer medir e após a saída desse mesmo no sistema.

MFN : 00054

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Tradição pedagógica e a formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 119-137, maio/ago. 1992.

Faz o levantamento histórico e filosófico das questões clássicas da educação, dando especial atenção aos currículos e aos métodos pedagógicos de cada época – desde a antigüidade até o advento do humanismo moderno. Relaciona a educação com à formação profissional que se processava de acordo com as circunstâncias político-sociais e econômicas de cada época, dando preferência a formação das elites. Conclui que a formação das classes populares, que antes era assunto secundário, passou a preencher a pauta dos temas prioritários da educação moderna.

MFN : 00055

BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Uso de algoritmos na análise de operações complexas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 139-145, set./dez. 1974.

Demonstra que o uso do algoritmo – artifício usado para ampliar os recursos analíticos e encaminhar o desvendamento dos processos internos do raciocínio – é de grande valia nas operações em que não se repetem. E nas ocupações do setor terciário que lidam com o público ou que exigem o exercício da atividade criadora, que se torna mais útil o emprego do artifício gráfico.

MFN : 00056

BRITO, Antônio Olinto Lassance. Análise de itens em testes com referência a critério. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 83-89, maio/ago. 1983.

Demonstra que os métodos existentes para julgamento de itens em Testes com Referência a Critério (TRC), no que se refere à sensibilidade instrucional, são variados e seu uso de interpretação depende dos conceitos em função dos quais suas fórmulas foram geradas. Quanto ao aspecto da homogeneidade funcional, há ainda indagações na literatura sobre o seu papel na análise de itens de TRC, existindo, inclusive, insinuações de que os índices de sensibilidade instrucional bastariam para informar sobre a qualidade de itens de testes com referência a critério.

MFN : 00057

BRITO, Antônio Olinto Lassance. Senac e o processo de desescolarização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 27-37, jan./abr. 1978.

Aborda a desescolarização como sendo um processo de ensino no qual a aprendizagem se fundamenta essencialmente na participação individualizada do aluno. Demonstra, por outro lado, que o Senac através do seu 1o PNAS definiu a estratégia a ser adotada para o cumprimento da meta de desescolarização, a qual teve os indicadores definidos a partir do uso das modalidades operativas adotadas pela entidade: centros de formação profissional; formação a distância; Unidades Móveis; promoção da formação no trabalho; utilização de empresas pedagógicas.

MFN : 00058

BRITO, Antônio Olinto Lassance. Tendências recentes do ensino de matemática. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 121-126, set./dez. 1983.

Afirma que o progresso de outras ciências resulta do tratamento matemático por elas utilizado. A astronomia, a medicina, a física e, mais recentemente, a biologia se beneficiaram de modelos matemáticos na formulação de suas leis básicas. Em decorrência, talvez, desse comprometimento de matemática para com as demais ciências, observa-se uma grande mobilização de professores, psicólogos, pedagogos e pesquisadores, no sentido de encontrar respostas a uma série de indagações relacionadas às dificuldades inerentes ao ensino e à aprendizagem dessa disciplina.

MFN : 00059

BRUNO, Paulo. Considerações sobre os livros de introdução à enfermagem utilizados nos cursos de nível médio. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 49-57, set./dez. 1998. Inclui bibliografia.

A partir de uma reflexão sobre as questões emergentes no mercado de trabalho de saúde, busca-se no livro didático, particularmente o livro de Introdução à Enfermagem, uma necessária coerência entre seu conteúdo e as exigências da formação profissional em um mundo que muda rapidamente. Pergunta-se quanto ao atendimento às expectativas de conhecimento técnico, mas principalmente de competência para improvisar – criar, na concepção de alguns autores, preservando os valores éticos próprios de uma praxis que implica em sérios riscos para o cliente.

MFN : 00060

BRUNO, Paulo. Ensino de técnicas básicas de enfermagem através de vídeos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 36-44, jan./abr. 1997.

Apresenta uma avaliação dos vídeos produzidos pela área de Saúde do Senac/DN, através de uma pesquisa com abordagem quantitativa e qualitativa. Ressalta que a pesquisa objetivou levantar a forma e as condições de uso, a adequação, a validade e os benefícios da forma de apresentação da coleção "Introdução à Enfermagem", além de verificar outras necessidades que pudessem ser atendidas posteriormente. Apresenta uma análise dos questionários permitindo concluir que os instrutores utilizam o vídeo como reforço e complementação da técnica já demonstrada, associada a outros recursos.

MFN : 00061

CABECA, Matilde de Oliveira Madeira. Tecnologia educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 329-341, set./dez. 1979.

As exigências para que se processe o desenvolvimento de um sistema de aprendizagem, consoante os princípios da tecnologia da educação, são as seguintes: definição operacional do comportamento final que se deseja do aluno; estabelecimento, em termos mensuráveis, do comportamento inicial que o aluno deve apresentar; análise de comportamento, identificando os processos de generalização, discriminação e encadeamento; desenvolvimento da seqüência de aprendizagem e dos elementos que devem atuar sobre o aluno (os meios de aprendizagem); avaliação do sistema; revisão do sistema.

MFN : 00062

CABRAL, Ana Isabel Aguiar. Entre o discurso e a prática : a educação e a infância em Escolas de Fábrica com Vila Operária. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 26-35, jan./abr. 1997.

Analisa os papéis desempenhados pelas Escolas de Fábrica no "Sistema Fábrica - Vila Operária" e na educação da infância restrita a este sistema. Ressalta que a análise da performance das Escolas de Fábrica é feita a partir de um discurso sobre educação produzida pelos empresários têxteis, por ocasião do debate que estabelecem com o Estado, objetivando modificar alguns artigos do Código de Menores (Dec. 1743-A/1927); e com base em relatos orais de ex-professores, ex-alunos e ex-operários sobre suas vivências nos anos 20 em duas indústrias têxteis do Rio de Janeiro que mantinham escolas.

MFN : 00063

CAMPELLO, Ana Margarida. Acesso e permanência de alunos de escolas públicas nos cursos técnicos do Cefet-RJ : estudo de caso do curso pró-técnico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3,set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

Analisa uma experiência de democratização do acesso aos cursos Técnicos do Cefet-RJ – o Curso Pro-Técnico – o processo seletivo alternativo ao concurso de admissão é exclusivamente voltado para os alunos de 8a serie das escolas públicas municipais de ensino fundamental. O argumento desenvolvido através de um estudo de caso, é que a efetiva democratização do acesso aos antigos cursos técnicos de 2o. grau – necessariamente complementar a uma política global de ampliação com qualidade da oferta de ensino médio pelos sistemas estaduais – seria possível através da adoção de medidas de discriminação positiva dos segmentos normalmente excluídos pelos processos de seleção utilizados nas escolas técnicas e Cefets. Como "pano de fundo" do estudo empreendido, encontra-se o questionamento da solução adotada pela política governamental (Decreto 2.208/97) que, ao determinar a separação entre o ensino médio e o ensino técnico, recompõe o dualismo da escola no Brasil.

MFN : 00064

CAMPOS, Luiz Cláudio de A. Menescal. Administração de hotéis. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 22-33, maio/ago. 1997. Il. Inclui bibliografia.

Apresenta a história da hotelaria e sua evolução, apreciando o desenvolvimento administrativo e operacional da hotelaria através dos tempos. É feita uma comparação entre as indústrias de bens materiais e de serviços, como demonstração preliminar das diferenças entre tais administrações. Analisa o cargo de gerente-geral de Hotel, suas responsabilidades e procedimentos para se tornar líder. Analisa as principais transformações sofridas pela hotelaria do pós-guerra, seus recursos humanos, seus serviços e as modificações ocorridas na área comercial.

MFN : 00065

CARDIERI, Tarcísio. PRODEMP : programa de desenvolvimento empresarial. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 301-311, set./dez. 1978.

Esclarece que na área de projetos sob medida, o PRODEMP (Programa de Desenvolvimento Empresarial) preocupa-se em pesquisar a realidade de cada empresa, antes de propor qualquer intervenção. Utiliza-se, desta forma, do "Diagnóstico Integrado de Necessidades" para perceber os problemas empresariais. Tal diagnóstico se constitui em metodologia própria para efetuar um exame dos problemas ocorridos nas diversas áreas de atividades da empresa. Visa o estabelecimento de uma inter-relação causal das disfunções, tanto a nível de recursos humanos, como tecnológico, organizacional e material.

MFN : 00066

CARNEIRO, Vitória Angélica Moreira. Laboratório de currículos e metodologias : um estudo do curso experimental notista-faturista. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 155-192, maio/ago. 1979.

O Laboratório de Currículos e Metodologias empenha-se para que os objetivos de curso sejam o leme norteador não só do comportamento do professor em relação aos alunos, como também da inclusão de conteúdo e avaliação do rendimento de aprendizagem que fornece o primeiro dado a respeito da qualificação do futuro profissional. Objetiva operacionalizar o trabalho do Programa Laboratório de Currículos e Metodologias. Apresenta o conjunto de instrumento de registro de dados do comportamento das variáveis referentes ao curso de Notista-Faturista.

MFN : 00067

CARVALHO, Maria Luiza de. Quem é o aluno do Senac? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 195-209, set./dez. 1986.

Conhecer as características da clientela é questão de fundamental importância na adequação dos programas de formação profissional oferecidos pela instituição. Verifica-se o predomínio de jovens no perfil nacional do aluno Senac, sobretudo do sexo feminino, que possuem o 1o grau completo e estão em busca do primeiro emprego, freqüentando cursos que lhes forneçam o instrumental necessário ao ingresso no mundo do trabalho.

MFN : 00068

CARVALHO, Maria Luiza de. Trabalho da mulher no Brasil : estereótipos, valores e atitudes. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 21-32, jan./abr. 1977.

Afirma que os valores referentes ao papel da mulher na sociedade, por mais culturalmente diferenciados que possam se apresentar, têm sido sempre a maior entre as razões que conduzem às desvantagens sofridas pela mão-de-obra feminina no mercado de trabalho. Apresenta as desvantagens que podem ser observadas nas atitudes dos três polos da relação: trabalhadora, empresário e Estado. Segundo pesquisa realizada, os níveis educacionais e ocupacionais desejados pelas mães para seus filhos, são mais altos para os meninos do que para as meninas.

MFN : 00069

CARVALHO, Maurício de Magalhães. Apresentação: Fany Winicki. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 5-12, nov. 1976. Número especial.

Apresenta os dados referentes às atividades profissionais de Fany Winicki.

MFN : 00070

CARVALHO, Maurício de Magalhães. Formação para o menor trabalhador. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 193-200, jan./dez. 1976.

Enfoca a importância da escolarização, qualificação, especialização ou aperfeiçoamento profissional do menor trabalhador, pois, aos que hoje encontram-se empregados, são evidentes os riscos da injusta marginalização através dos mecanismos postos em movimento de ativa e intensa competição.

MFN : 00071

CARVALHO, Maurício de Magalhães. Formação profissional para turismo e hotelaria no Brasil : experiência Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 5-21, jan./abr. 1979.

Demonstra que a operacionalização dos programas de formação profissional no sistema Senac se efetiva mediante cinco modalidades operativas: centros de formação profissional, unidades móveis, capacitação na empresa, empresas pedagógicas e teleducação. O emprego opcional de uma dentre elas obedece, no caso dos programas de Turismo e Hotelaria, de um lado, as características qualitativas e quantitativas da demanda e, de outro, as condições específicas à Instituição, como recursos humanos materiais e financeiros ou ainda peculiares à clientela.

MFN : 00072

CARVALHO, Maurício de Magalhães. Primeiro Encontro Latino-América-África sobre Formação Profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 269-270, set./dez. 1977.

Faz um breve relato dos objetivos do Encontro, no qual foi dado o primeiro passo de aproximação entre América Latina e Áfricas. Expõe o apoio oferecido pelo Senac a todos os seus participantes, abrindo suas portas, como já o vem fazendo, as delegações oficiais.

MFN : 00073

CARVALHO, Roberto Fernando de. Ideologia num seminário sobre comunidades. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 139-148, set./dez. 1982.

Analisa os relatos de experiências de algumas instituições presentes ao II Seminário de Ação Comunitária. Mostra interesse em identificar as raízes epistemológicas e descreve o modo de funcionamento de um certo tipo de ideologia que esteve presente durante o Encontro. Através do depoimento – denúncia de uma representante da Favela Praia da Rosa, da Ilha do Governador, analisa algumas conseqüências que durante o evento não tinham sido suficientemente desenvolvidas. Evidencia dois aspectos que estiveram presentes no decorrer do seminário: redutivismo e idealização.

MFN : 00074

CASADO MARCOS, Virginia. Teleformación, un paso mas en el camino de la sociedad de la informacion a del conocimiento. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 52-61, jan./abr. 1999. Inclui bibliografia.

Aborda a evolução em torno do conceito de informação e, em função disto, a definição de sociedade que está se formando, como passar da informação ao conhecimento, como passar dos dados ao conhecimento. As necessidades que manifestam as camadas sociais de informação e formação contínua, que se apoiam nas tecnologias da informação e comunicação, possibilitam a superação de barreiras espaço-sociais

MFN : 00075

CASTRO, Léa S. Viveiros de; COSTA, André Pereira da. Professor, a produção de conhecimentos, os materiais didáticos e seus percalços. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 215-226, set./dez. 1991.

Analisa a produção de material didático para a formação profissional à luz de questões mais gerais, como a descrença nas instituições e sua repercussão na esfera educacional, e também na perspectiva da prática educativa constituída. Considera aspectos como as exigências de racionalização do processo de produção dos materiais, a coerência desse processo em face da opção por um dado modelo pedagógico, o emprego falacioso do argumento da participação e, ainda, a indefectível polêmica entre forma e conteúdo.

MFN : 00076

CASTRO, Léa S. Viveiros de. Escola de professores. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 85-95, maio/ago. 1989.

Adaptação da dissertação de mestrado, aprovada pela Puc/RJ, em 1986. A partir da hipótese básica de que as críticas à Escola Nova não têm como alvo o ensino, mas sim o modelo político-ideológico dominante no Estado Novo, procura-se demonstrar que a proposta de Anísio Teixeira foi a primeira tentativa séria de proporcionar ao magistério primário, formação sólida e bem planejada.

MFN : 00077

CASTRO, Luiz Felipe Meira de. Escolha profissional e o contexto social. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 141-149, maio/ago. 1984.

Oferece um panorama dos fatores sociais que intervém no processo de escolha profissional. A complexidade do tema e a impossibilidade de tratamento isolado das variáveis consideradas nos leva a concluir que nas sociedades industriais atuais, a ideologia do desempenho, ou seja, uma idealização abstrata da realidade, tem o poder de influir na escolha do que uma reflexão mais objetiva da realidade. A complexidade da realidade social e as contradições do sistema levam a que aqueles fatores idealizados acabem sendo não apenas a única saída, mas a única maneira de concretizar uma escolha profissional.

 

MFN : 00078

CASTRO, Luiz Felipe Meira de. Impacto das transformações tecnológicas sobre o trabalho e sua organização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 211-221, set./dez. 1985.

Busca, de forma preliminar, levantar alguns aspectos concernentes ao trabalho e sua organização e as implicações diretas no funcionamento atual das organizações. Destaca como um aspecto de suma importância para a compreensão do funcionamento organizacional, o impacto das transformações tecnológicas e o advento da informática, visto que interferem de modo decisivo nesse processo.

 

MFN : 00079

CASTRO, Luiz Felipe Meira de. Notas críticas sobre a formação profissional rural. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 143-152, maio/ago. 1986.

O processo de desenvolvimento da agricultura está na origem da chamada Formação Profissional Rural (FPR), destinada à realização de ações educativas de cunho profissionalizante no campo. Conclui com a necessidade de revisão dos programas que contemplam modificações nos conteúdos educacionais e nas estruturas institucionais e organizativas, propondo ações educativas voltadas para a mudança.

MFN : 00080

CASTRO, Luiz Felipe Meira de. Universidade e desenvolvimento social. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 3-19, jan./abr. 1988.

A partir da conceituação de desenvolvimento social, o autor analisa alguns aspectos específicos do ensino superior. São abordados a relação ensino público x ensino privado; a formação de professores; a universidade e o mercado de trabalho. Critica ainda recentes documentos oficiais que tratam da universidade sob esses três ângulos, e aponta alguns caminhos para que ela se integre no processo de desenvolvimento social.

MFN : 00081

CASTRO, Nivalde J.Do ensino comercial ao curso superior de economia. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 125-155, maio/ago. 1991.

As origens do ensino comercial brasileiro remontam à criação, em Portugal, das "aulas de comércio" por Pombal (1756), transpostas ao Brasil com a vinda da Família Real. O ensino comercial a partir do Século XX foi ganhando importância com a criação formal, em 1905, do curso superior de comércio que veio a dar origem ao ensino superior de Ciências Econômicas no ano de 1945.

MFN : 00082

CASTRO, Luiz Felipe Meira de. Origens e bases da teoria do capital humano. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 227-246, set./dez. 1992.

A ciência econômica, desde seus primórdios, dedicou atenção analítica ao fenômeno educacional. No entanto, somente nos anos 50, surgiu a Teoria do Capital Humano, primeira sistematização teórica visando a determinar a contribuição da educação ao processo de crescimento econômico. A Teoria do Capital Humano, que baseia-se nos pressupostos da Teoria Neoclássica, tem como hipótese central a idéia formulada por Alfred Marshall, em 1890, de que a educação é um investimento e não um bem de consumo durável.

MFN : 00083

CHANG ALFARO, Lígia. Medidas de apoio para a formação e o emprego profissional femininos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 97-110, jan./abr. 1977.

Apresenta algumas medidas que podem ser tomadas para facilitar a formação profissional e o trabalho das mulheres, tais como: criação de creches; produtos que facilitem os trabalhos domésticos; serviço doméstico remunerado; responsabilidades compartilhadas no lar e orientação profissional.

MFN : 00084

CIBILS, Zenir Barreto; MOLLER, Mirian; MACHADO, Leila Terezinha. Informação profissional a alunos de escola de 2. grau em acordo de intercomplementaridade para habilitação profissional no SENAC : modelos desenvolvidos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 127-137, set./dez. 1974.

Enfoca o atendimento de alunos a serem encaminhados ao Senac, em razão do acordo de intercomplementaridade. O acordo foi previsto pela Reforma do Ensino do 2o grau, que visou habilitação profissional a este nível. Os alunos foram trabalhados previamente, através de informação, para a mudança que os afetaria em suas atividades e seu ambiente, com ação profilática de desajustamento. Concluiu-se que o aluno não deve ser obrigado a mudar um comportamento, apenas porque a Lei o exige; seria diminuí-lo. Deve-se, isto sim, mudar-lhe a percepção dos fatos, através da mudança de atitudes.

MFN : 00085

COELHO, José Carlos. Programa de apoio a microempresa comercial. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 313-322, set./dez. 1978.

Apresenta o Programa de Apoio à Microempresa Comercial, desenvolvido pelo Centro do Comércio do Estado de São Paulo e Senac, em convênio com o MTb e Cebrae. Objetiva assistir as empresas comerciais, denominadas micro, por meio de assistência técnica, treinamento gerencial e operacional. Possibilita conhecer, por meio do levantamento do perfil das empresas e empresários, a realidade, a extensão e a participação econômico/social das microempresas da região.

MFN : 00086

CONCLUSÕES e recomendações do Seminário de Formação Profissional e Emprego. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 6-13, maio/ago. 1974.

Através do que foi debatido no seminário de formação profissional e emprego, demonstra que a formulação de emprego alcança um complexo inter-relacionamento causal que não é fácil de ser delimitado, acrescentando-se também problemas de ordem demográfica.

MFN : 00087

CONGRESSO MUNDIAL DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL, 1, 1986, Rio de Janeiro. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 243-248, set./dez. 1986. Documento baseado no relatório final apresentado por Daniel Sommer.

Apresenta as principais conclusões dos debates, nos quais abordaram-se questões essenciais da formação profissional como: o futuro da formação em face das novas tecnologias e das técnicas robotizadas; a orientação profissional do jovem; a otimização e o financiamento dos sistemas de formação; a educação permanente; a formação de instrutores. Conquanto se proponham teses válidas em princípio para todos os países, apontam-se sempre a necessidade de se considerar ainda, na prática, o contexto histórico, cultural, social, político e econômico de cada qual.

MFN : 00088

CORREA, Suzana Barros. Banco de dados de informação profissional : relato de uma experiência. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 169-181, maio/ago. 1980.

O Banco de Dados de Informação Profissional do Senac/DN, criado em 1979, colocou à disposição dos técnicos dos Departamentos Regionais e Delegacias Executivas um acervo constante de 200 títulos sobre informação profissional, oportunizando desta forma, aos técnicos de todo o Brasil, as mesmas condições de aquisição de textos, acesso à bibliografia recente e as experiências realizadas pelos outros DRS/DES. Apresenta o histórico, o desenvolvimento, a operacionalização, a avaliação realizada pelos usuários e as conclusões dos projetos.

MFN : 00089

CORREA, Suzana Barros. Crise da sociedade do trabalho e os sistemas educativos em Claus Offe. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 28-35, set./dez. 1994.

Inicia com as relações entre escola e formação da força de trabalho. Analisa, na perspectiva de Claus Offe, cujo tema central é o Estado Moderno Ocidental, o trabalho como fundamento de qualquer teoria social e descreve os pressupostos que sustentam a tese de Offe do declínio da centralidade do trabalho, não só em relação à sociedade atual como também às teorias sociológicas. Conclui com algumas reflexões sobre a necessidade da construção de novas percepções sociológicas capazes de incorporar os efeitos e os limites dados pela descentralidade do trabalho enquanto categoria explicativa.

 

MFN : 00090

CORTEZ ROMERO, Carlos. Contexto da oferta e da demanda no planejamento da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 199-223, maio/ago. 1978.

Desenvolve uma análise onde revela que a realidade do emprego, portanto da mão-de-obra e, em conseqüência, de qualquer planejamento de recursos humanos, é uma função direta das modalidades assumidas pelo processo de industrialização. Aborda os aspectos básicos que permitam compreender a composição da oferta da mão-de-obra, bem como a estrutura de produção traduzida em termos de demanda de mão-de-obra.

MFN : 00091

CORTEZ ROMERO, Carlos. Futuro da sociedade do trabalho e propostas para a educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3. p. 2-21, set./dez. 1994.

Destaca os principais argumentos de autores que analisam as mudanças do conceito social do trabalho e as propostas educacionais de pensadores brasileiros elaborados a partir da leitura e posicionamento sobre o tema em foco. Em resposta a esse novo contexto, estratégias teóricas e práticas estão sendo formuladas por pensadores brasileiros ligados à educação. Eles acreditam que a diretriz estratégica e a formação, orientação e reajuste do homem de forma permanente e coletiva como função de responsabilidade social.

MFN : 00092

CORTEZ ROMERO, Carlos; OLIVEIRA, João Raimundo de. Apuração de custos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 129-141, set./dez. 1975.

O trabalho faz parte da primeira fase do Programa 02 - "Sistematização de Custos" do PNAS. Demonstra a experiência do DR/MG, através da Seção de Orçamento e Arrecadação (SOA), cujo objetivo é encontrar a metodologia de apuração dos custos da formação profissional da entidade. Não constitui elemento decisório para a definição da metodologia a ser adotada e sim um caminho à elaboração da referida metodologia.

MFN : 00093

CORTEZ ROMERO, Carlos. Reflexões sobre a crise da economia brasileira. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 85-99, maio/ago. 1984.

O trabalho visa proporcionar uma visão global da realidade econômica do país, identificando algumas causas externas e internas responsáveis pela crise atual e, na medida do possível, detectando as tendências dessa crise. Conclui que os objetivos da política econômica brasileira, nos últimos anos, se traduziram em promessas de diminuição da inflação, recuperação das atividades industriais e dos níveis de emprego, equilíbrio da inflação, recuperação das atividades industriais e dos níveis de emprego, equilíbrio da balança de pagamento etc.

MFN : 00094

CORTEZ ROMERO, Carlos. Setor terciário na economia brasileira. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 265-280, jan./dez. 1976. Tab.

Comenta que o comportamento do setor terciário se explica na medida em que se possa visualizar a dinâmica do crescimento econômico de um país.

MFN : 00095

COSTA, André Pereira da. Educação a distânciae o argumento da solidão. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 3-12, jan./abr. 1994.

Analisa o binômio escola-educação, e aponta a excessiva valorização que o ensino formal confere aos contatos face a face. Defende a adoção de respostas educacionais mais condizentes com as exigências dos novos movimentos sociais: respostas que se podem vislumbrar nas modalidades da educação a distância que incorporam modernas tecnologias, especialmente a multimídia.

MFN : 00096

COSTA, André Pereira da. Educação em off do videoteipe educativo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 181-90, set./dez. 1988.

Analisa as discussões e conclusões do Encontro Técnico sobre VT Educativo, promovido pelo Senac/DN em abril de 1988, com a participação de especialistas convidados e técnicos do Senac, Senai, SMO/MTb e Funteve. Dele, resultaram recomendações quanto ao emprego do VTE no geral e no contexto da formação profissional.

MFN : 00097

COSTA, André Pereira da. Educação pela tela. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 37-46, jan./abr. 1988.

Busca localizar na relação crítica com os códigos o traço comum entre educação/prática pedagógica e produção de recursos audiovisuais. Tanto o processo educacional quanto a realização de filme, VT ou fotonovela acríticos revelam-se deseducativos. A atitude possível e a da pedagogia interventora que busca produzir novas relações de linguagem capazes de provocar no receptor impressões/sensações "déjà vu".

MFN : 00098

COSTA, Eunice M. G. Pereira; HAUSHAHN, Maria Neila Machado. Experiência do Dr-RS na implantação do sistema de planejamento e avaliação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 41-62, jan./abr. 1982.

Descreve as fases do sistema de planejamento e avaliação do Senac, DR/Rio Grande do Sul, para que os servidores da instituição conheçam, colaborem e se integrem no desenvolvimento deste sistema. Afirmando ser da competência da COPLAN orientar e coordenar o processo, enquanto a execução cabe aos integrantes da estrutura, exalta, assim, a importância do conhecimento e participação de todos no seu funcionamento. Visualiza, através de um fluxograma, a seqüência de todas as fases do Sistema de Planejamento e Avaliação, demonstrando também a continuidade do processo.

 

MFN : 00099

COSTA, Eunice M. G. Pereira. Planejamento a serviço da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 103-117, jan./abr. 1979.

Aborda o planejamento da formação profissional. Explica que o mesmo precisa basear-se, estritamente, nas necessidades de mão-de-obra nos diferentes ramos profissionais e em todos os níveis de qualificação, em que pese as dificuldades quanto à previsão do emprego. Demonstra que este planejamento deve procurar o equilíbrio entre a oferta e a demanda de mão-de-obra e a maximização do emprego. Objetiva alcançar a adequação entre a força de trabalho potencial, avaliada a partir dos fatores demográficos e a demanda de trabalho estimada.

MFN : 00100

COSTA, Eunice M. G. Pereira. Sistema de planejamento : teoria e prática. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 77-93, maio/ago. 1988.

Discute o modelo de planejamento implantado no Senac do Rio Grande do Sul. A experiência demonstra na prática a validade do modelo, em que pese as alterações agora propostas no sentido de torná-lo mais integrado e participativo.

MFN : 00101

CRUZ, Angela Maria Vianna da. Bibliotecário : perfil profissional e mercado de trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 199-210, set./dez. 1990.

Caracterização do perfil profissional do bibliotecário, a partir de estudos recentemente publicados em periódicos nacionais, ressaltando os aspectos mais adequados às necessidades do mercado atual, principalmente no que se refere àqueles segmentos que utilizam novas tecnologias. Reflexões próprias, e de autores selecionados, dão uma visão do mercado e suas tendências, inclusive no âmbito do Sistema Senac.

MFN : 00102

CRUZ, Angela Maria Vianna da; LEME, Neli Menezes Paes. Aplicação de microcomputadores em centros de documentação : breve estudo sobre o Micro-Isis. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 141-151, set./dez. 1998.

Discute os problemas inerentes a aplicação de microcomputadores em centros de documentação e analisa o Micro-Isis. Apresenta a estrutura do software, abordando seus pontos positivos e negativos.

 

MFN : 00103

CRUZ, Angela Maria Vianna da; PRADO, Eladio Asensi. Aplicação da informática na documentação : um estudo de caso no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 149-164, set./dez. 1985.

Mostra que a idéia inicial dessa aplicação surgiu do interesse de técnicos envolvidos com o problema da gerência da informação e suas interligações com a automação, elaborando desta forma uma tecnologia condizente com as necessidades da estrutura da Instituição.

 

MFN : 00104

CRUZ, Angela Maria Vianna da; PRADO, Eladio Asensi; SA, Helim Soares de. Implantação de controle de periódicos em microcomputador : análise do convênio Senac/CST. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 41-53, jan./abr. 1987.

Convênio estabelecido entre o Senac e a Companhia Siderúrgica de Tubarão (CST) permitiu a implantação, nesta companhia, do Sistema de Controle de Periódicos em microcomputador, desenvolvido pelo Senac/Dn. Descreve o sistema através da apresentação de seus objetivos, estrutura operacional e desempenho; analisa as vantagens e desvantagens do convênio e avalia a economia de custos e racionalização do trabalho obtidas com a introdução, na CST, do Sistema de Controle de Periódicos.

MFN : 00105

CRUZ, Jane Bouchaud L. da. Problemas da avaliação de desempenho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 141-153, maio/ago. 1979.

Aponta dois pontos cruciais que ocasionam problemas na Avaliação de Desempenho: diferenças individuais de desempenho; motivos e motivação. Afirma que o que interessa é conhecer as causas das diferentes maneiras de agir. Segundo Tiffin, as diferenças são classificadas em dois grupos: variações individuais; variações devidas a situações do meio. No que diz respeito a motivos e motivação, Herzber usa a seguinte classificação de motivos, baseada sobretudo em seus trabalhos sobre as atitudes em relação ao trabalho: motivos extrínsecos ou fatores higiênicos; e motivos intrínsecos.

MFN : 00106

CRUZ, José Luís Vianna da; ASSEFF, Vera Raimunda Américo. Supervisão na preparação de recursos humanos para o trabalho de desenvolvimento comunitário : relato de uma experiência. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 33-47, jan./abr. 1985.

Demonstra que o trabalho em instituições públicas possui hoje limites estreitos mas tem grandes contribuições a dar na luta por melhores dias, na conquista da autonomia, na construção da cidadania e no avanço da participação do povo em todos os níveis de poder.

 

MFN : 00107

CRUZ, José Luís Vianna da. Mercado de trabalho e exclusão em Campos/RJ. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 159-178, set./dez. 1992.

Investiga a formação do mercado de trabalho rural-urbano em Campos/RJ, e analisa as relações entre o seu perfil, a sua dinâmica, e as condições de vida e trabalho da população de baixa renda de Campos. Avança ainda algumas reflexões sobre o perfil de escolaridade dessa população e suas articulações com o processo de exclusão da cidadania, vivido por essa população. Finalmente, apresenta considerações sobre a dinâmica de reprodução da força de trabalho residente na cidade de Campos, à luz das estratégias por ela utilizadas no enfrentamento das condições decorrentes do mercado de trabalho.

 

MFN : 00108

CRUZ, José Luís Vianna da. Organização de comunidades : caminhos e descaminhos do trabalho institucional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n . 2, p. 65-75, maio/ago. 1988.

Apresenta contribuições atualizadas para reflexão sobre a natureza e a qualidade do processo de participação e organização de comunidades. Busca situar os agentes institucionais, os técnicos e as populações no conjunto das relações sociais que condicionam a prática da construção de uma sociedade moderna, aberta e participativa.

MFN : 00109

CRUZ, José Luís Vianna da. Planejamento participativo : reflexões sobre seus limites e suas possibilidades. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 135-41, maio/ago. 1986.

Ações governamentais ligadas ao desenvolvimento regional utilizam práticas denominadas de planejamento participativo. Analisa algumas dessas contradições; delinea as possibilidades e os limites da participação; reflete sobre o jogo político das funções sociais e o papel dos técnicos nessas ações; e aponta caminhos para a construção de projeto participativo socialmente mais amplo.

MFN : 00110

CUNHA, Maria Nunes da. Formação profissional : busca de novos caminhos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 247-260, set./dez. 1980.

Tomando como base os fundamentos da Pedagogia Ramain, já aplicados em escolas profissionais da Chambre de Commerce et Industrie de Paris, demonstra como o Senac vem procurando adaptá-los à realidade de suas programações.

MFN : 00111

CUNHA, Maria Nunes da. Manual didático e o aluno Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n.1, p. 33-39, jan./abr. 1980.

Estabelece alguns critérios que devem ser considerados na elaboração de um manual didático. Demonstra que os objetivos operacionais do curso norteiam os conteúdos, os quais compõem o texto de estudo. Baseado, na maioria dos casos, em análises ocupacionais já existentes, ou em informantes profissionais das áreas especificas; são extraídas as diretrizes das informações necessárias para que o aluno possua um roteiro seguro das tarefas que integram a ocupação.

MFN : 00112

CUNHA, Sidney da Silva; ARAUJO, Maria de Jesus Correa. Problemas de amostragem de demanda de mão-de-obra. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 129-143, maio/ago. 1980.

O Centro de Pesquisa e Planejamento do Departamento Nacional do Senac, em 1977, desenvolveu uma pesquisa-piloto nos estabelecimentos de Comércio e Serviços do Município do Rio de Janeiro, que objetivou caracterizar os estabelecimentos do setor terciário, sua estrutura ocupacional, a demanda de mão-de-obra, ou seja, um mapeamento de um universo muito extenso e relativamente desconhecido, fazendo-se necessário a previsão de um leque bastante amplo de situações possíveis de acontecer para que as incertezas fossem minimizadas.

MFN : 00113

CUNHA, Sidney da Silva. Estudos do Senac sobre o mercado de trabalho : experiências e tendências. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 137-148, set./dez. 1983.

Expõe que, desde a sua criação, o Senac vem desenvolvendo uma série de estudos, objetivando o conhecimento da realidade socioeconômica, tanto ampla quanto específica, na qual está inserido. Essas experiências têm sua origem na percepção de que a ação da formação profissional não acontece no vazio, mas que sua prática está diretamente relacionada com a dinâmica dos fenômenos da época, sejam eles de natureza econômica, política ou social.

MFN : 00114

CUNHA, Sidney da Silva. Notas para a formulação de diretrizes de uma política de informática na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 77-84, maio/ago. 1985.

Trabalho apresentado na reunião de cooperação técnica Brasil/Colômbia, projeto 01/84, Senac/ Senai/ Sena. Discute o fato de as agências de formação profissional definirem uma política explícita que deverá ocupar-se do planejamento dos efeitos políticos, culturais e socioeconômicos da informática.

MFN : 00115

CUNHA, Sidney da Silva. Novos desafios para a formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 2-8, set./dez. 1993.

Mostra a concepção filosófica do projeto pedagógico do Senac: as bases desse projeto firmam-se, por um lado, na crença do poder criativo das pessoas, e de sua capacidade de reflexão sobre o mundo, e por outro, no novo paradigma tecnológico que organiza o mundo do trabalho na atualidade, exigindo da Instituição repensar currículos, material didático e modalidade de capacitação.

MFN : 00116

CUNHA, Sidney da Silva. Reflexões sobre o valor da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 19-28, jan./abr. 1987.

Ao discutir-se o setor terciário da economia, verifica-se que a raíz da problemática entre a formação profissional e o mercado de trabalho está exatamente na sua desvinculação. Entregar completamente a formação profissional à lógica do emprego da economia formal significa reduzir cada vez mais a qualidade das programações e limitar-se à concepção pedagógica pobre em seu valor social. Desta forma, os que atuam no ensino profissionalizante devem examinar suas próprias convicções em confronto com as funções que exercem na prática.

MFN : 00117

D’ARCE, John F.; D’ARCE, M. Cristina. Vídeo interativo : possibilidades e desafios instrucionais. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 71-79, maio/ago. 1987.

Os processos de instrução foram impactados, nos últimos 25 anos, pela utilização das tecnologias eletrônicas, especialmente pelos computadores. A utilização completa dessas tecnologias é representada pelos sistemas de vídeo interativo, que integram instrução baseada em computadores, gráficos computadorizados e videodisco de laser. O artigo descreve as características técnicas dos videodiscos e dos sistemas de vídeo interativo. Aponta os desafios de planejamento instrucional embutidos na produção/utilização dessas tecnologias e discute o emprego de videocassetes em lugar de videodiscos na implantação de sistemas de vídeo interativo.

MFN : 00118

D’IPOLITTO, Cláudio. Hipertexto : uma visão geral. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 7-33, jan./abr. 1990.

A idéia de hipertexto tem o mérito de potencializar a adoção de ferramentas informatizadas por pessoas comuns, não especialistas em informática. O hipertexto foi redescoberto graças à disseminação de micros e de estações de trabalho cada vez mais poderosas e baratas.

MFN : 00119

D’IPOLITTO, Cláudio. Projeto HiperCon : explorando as bases de um ambiente de produção de software educacional para o Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 77-90, maio/ago. 1992.

Relata como os desdobramentos do HiperCon – um dos projetos do Programa de Informática Educacional a cargo do Centro Experimental de Difusão da Informática do Senac/Departamento Nacional – estão contribuindo para a constituição de um Ambiente de Produção de Software Educacional, APSE, adequado ao Sistema-Senac.

MFN : 00120

D’IPOLITTO, Cláudio. Prototipagem : desenvolvimento exploratório de software. Boletim Técnico do Senac, Rio de janeiro, v. 18, n. 1, p. 19-30, jan./abr. 1992. Inclui bibliografia.

 

Reúne idéias encontradas na bibliografia sobre a aplicação de uma abordagem evolutiva na modelagem e construção de sistemas de informação. A prototipagem representa uma mudança filosófica importante na engenharia de software: a valorização do erro como elemento fundamental na construção de software. Isto equivale a encarar o desenvolvimento de software como um processo de aprendizagem: tanto o projetista de software aprende sobre o domínio que se pretende informatizar, quanto o usuário aprende sobre as possibilidades de aplicação e de interferência da tecnologia sobre o seu dia-a-dia.

MFN : 00121

DAMASCENO, Diana Cristina. Literatura nas ondas do rádio. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 46-57, set./dez. 1993.

Mostra o papel do rádio no Brasil como veículo de ação estimuladora, capaz de mobilizar o interesse de novas audiências. A luz da teoria da comunicação, analisa em especial o processo de tradução da linguagem literária escrita para a linguagem oralizada do rádio.

MFN : 00122

DANNEMANN, Robert Nicolau. Atos e fatos da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 271-310, set./dez. 1977.

Enumera os tipos de atividades e cursos mediante os quais se realiza hoje, fundamentalmente, a formação profissional entre nós. Enfatiza que o intento de uma articulação crescentemente efetivada, agilizada, entre os sistemas da educação formal e a formação profissional correspondem aos princípios essenciais da integridade e da continuidade que regem a educação na sociedade moderna.

MFN : 00123

DANNEMANN, Robert Nicolau. Considerações gerais sobre a educação na política nacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 201-209, jan./dez. 1976.

A educação moderna compreende o sentido de permanência e de integridade, e somente assim deve ser colocada no quadro da Política Nacional, especialmente em termos de desenvolvimento. Enfatiza três parâmetros da política educacional, na conformidade dos quais ela se insere, ou deve inserir-se no quadro mais amplo da Política Nacional: a educação como investimento e não apenas como consumo; a educação como processo permanente; a educação em sentido integral.

MFN : 00124

DANNEMANN, Robert Nicolau. Formação profissional : competência das escolas ou das agências de formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 201-213, set./dez. 1980.

Demonstra que as atividades de formação profissional poderiam ser promovidas e realizadas no sistema escolar e no extra-escolar. As instituições capazes de contribuir articuladamente, intra ou intersistemas, para a formação profissional, seriam: no sistema de educação e formação regular; no sistema de emprego. Enfatiza a relevante posição e o especial papel das entidades de formação profissional, nas circunstâncias econômicas, sociais e culturais vividas e agravadas nos países emergentes.

MFN : 00125

DANNEMANN, Robert Nicolau. Notas sobre áreas e famílias ocupacionais na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 165-172, jan./abr. 1975.

Destaca a idéia de uma capacitação profissional mais geral, polivalente, isto é, não para uma ocupação específica, mas para um possível grupo de ocupações afins, apoiadas em conteúdos teóricos e operacionais comuns. Haveria, com isso, maiores oportunidades no engajamento do treinando no mercado de trabalho. Esta capacitação polivalente, administrada pelas instituições especiais, seria completada na empresa, naquela ocupação, do respectivo grupo, em que o treinando viesse a ser especificamente empregado. Evidencia que seria necessário amplo trabalho de esclarecimento junto à empresa.

MFN : 00126

DANNEMANN, Robert Nicolau. Notas sobre educação permanente. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 5-21, jan./abr.1980.

Define a educação permanente, como nova ordem educativa, em função dos elementos a seguir – sistema, clientela e objetivos – os quais, vencida a fase discursiva da questão, urge serem efetivamente coordenados em planos gerais da educação, formulados na conformidade do contexto cultural nacional e/ou regional. Estudos e pesquisas, intercâmbio de idéias e experiências, em contínuo procedimento, devem embasar a coordenação requerida, essa por sua vez, exigirá o estabelecimento de uma estratégia de ação conjugada de parte dos distintos elementos da educação permanente.

MFN : 00127

DANNEMANN, Robert Nicolau. Reflexões sobre o conceito da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 229-231, set./dez. 1985.

Tendo por base a objetivação proposta pela Recomendação no. 150/75 da OIT e, de outro, a sua explicitação como processo educativo, a formação profissional está associada à educação geral do indivíduo, integrada à auto-realização pessoal.

MFN : 00128

DANNEMANN, Robert Nicolau. Violeta Villas Boas : mestra por excelência. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 65-66, maio/ago. 1983.

 

Homenagem à professora Maria Violeta Coutinho Villas Boas que, durante 27 anos, prestou relevantes serviços à instituição, desempenhando de forma competente suas funções.

MFN : 00129

DECCACHE-MAIA, Eline. Pobreza, crime e trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 12-21, maio/ago. 1997. Il. Inclui bibliografia.

O vínculo entre pobreza e criminalidade tem orientado políticas assistenciais para as classes populares. A crença de que sem um direcionamento os indivíduos em situação de pobreza estarão fadados ao destino da criminalidade, é algo disseminado na sociedade. À infância e à juventude das classes populares é reservada especial atenção para que se possa criar valores morais mais rígidos que sobrepujam os impulsos naturais que fazem com que estes se inclinem para o mundo do crime. As experiências voltadas para o trabalho são ideais para evitar que os jovens entrem para a criminalidade.

MFN : 00130

DEFFUNE, Deisi; DEPRESBITERIS, Léa. Procura de um trabalho : o mundo de João (José). Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 28-34, set./dez. 1996.

Escrito em forma de crônica, para amenizar o impacto que alguns temas nos provocam. Fala do desemprego e das dificuldades em lidar com uma multiplicidade de conceitos, tais como: polivalência, multiqualificação e multifuncionalidade e das ambigüidades que estão envolvidas na teoria e nas práticas desses conceitos. Enfim, o texto-crônica, procura abordar algumas concepções que certamente devem ser mais aprofundadas, para que se possa desenvolver ações educativas mais eficientes no campo da educação profissional.

MFN : 00131

DELA COLETA, José Augusto. Análise do trabalho de instrutores do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 367-408, set./dez. 1977.

Estudo que objetivou refletir a situação do instrutor, dentro do sistema Senac. Pretende servir como subsídio ao desenvolvimento de qualquer programa de recursos humanos que o Senac venha a realizar. As principais metas do projeto foram: definição das características sócio-profissionais do pessoal alocado; descrição das tarefas e operações de cada especialização; determinação das exigências profissionais.

MFN : 00132

DELA COLETA, José Augusto. Análise do trabalho de instrutores do Senac; continuação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 39-107, jan./abr. 1978.

Apresenta informação sobre o Projeto de Análise de Postos de Trabalho de Instrutor do Senac, descrevendo algumas atividades do setor terciário para o qual o Senac está fazendo formação profissional. Os exemplos inseridos no trabalho estão agrupados pelas seguintes áreas profissionais: escritório e vendas; higiene e beleza; administração e gerência; comunicação; propaganda; turismo; saúde; serventia. Define os sistemas de recrutamento, seleção e treinamento de instrutores colocando para a formação profissional o difícil problema de captação de recursos humanos para o ensino profissionalizante.

MFN : 00133

DELUIZ, Neise. Formação do sujeito e a questão democrática em Habermas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 14-21, jan./abr. 1995.

Analisa as formulações teóricas de Habermas sobre a formação do sujeito, para discutir novos rumos para a educação. Para o filósofo da Escola de Frankfurt na medida em que os indivíduos adquiriam a competência comunicativa poderiam desenvolver o "eu" de forma integral e a capacidade de agir de modo autônomo em contextos interativos cada vez mais complexos, tornando-se capazes de questionar as pretensões de validade das regras sociais, propor novas regras e participar em esferas públicas, afirmam-se como sujeitos integrais e atores sociais dotados de interesses próprios.

MFN : 00134

DELUIZ, Neise. Formação do trabalhador em contexto de mudança tecnológica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 14-25, jan./abr. 1994.

Analisa as alterações no conteúdo e na organização do trabalho no setor terciário, suscitando o aprofundamento da discussão sobre os rumos da formação profissional. Desenvolve uma proposta de formação profissional orientada para o trabalho como um conceito político- educacional abrangente, e que tem como pré-requisito a ampliação da base de educação geral e a síntese dialética entre formação geral, profissional e política, integrando os objetivos de uma qualificação para o trabalho com a construção de uma identidade individual e coletiva.

MFN : 00135

DELUIZ, Neise. Formação profissional no Brasil : enfoques e perspectivas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 225-242, set./dez. 1990.

O objetivo deste artigo é colocar em discussão as perpectivas para a formação profissional em um processo de mudanças tecnológicas, considerando o contexto socioeconômico no qual as instituições de formação profissional foram criadas, sua atuação numa perspectiva histórica e os debates que as diferentes correntes teóricas têm travado sobre a problemática da relação trabalho-educação.

MFN : 00136

DELUIZ, Neise. Globalização econômica e os desafios à formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 14-21, maio/ago. 1996. Inclui bibliografia.

Trata dos desafios atuais postos à formação profissional por um contexto de globalização econômica, de novas formas de organização da produção e do trabalho e dos crescentes processos de democratização da sociedade. Discute as tendências e características do trabalho e as novas competências dos trabalhadores, seu conteúdo, sua historicidade e sua vinculação as relações sociais. Aponta para os riscos da "abordagem das competências" em sua visão tecnicista e lança questões sobre a problemática atual da certificação das competências que está sendo implementada no país.

MFN : 00137

DELUIZ, Neise. Mudanças no conteúdo do trabalho no setor terciário : implicações para a educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 2-13, maio/ago. 1993.

Analisa destacadamente as características do processo de modernização e racionalização no setor terciário, no Brasil, em especial na atividade financeira, na grande distribuição comercial e na atividade de escritório, setores de ponta onde as tecnologias de base microeletrônica têm atingido mais intensamente os processos e as relações de trabalho.

MFN : 00138

DELUIZ, Neise; TREIN, Eunice S. Trabalho e a qualificação profissional na visão de autores alemães. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n.1, p. 3-21, jan. /abr. 1991.

A revolução tecnológica no mundo contemporâneo se processa com intensidade e abrangência inédita, atingindo todo o sistema produtivo e afetando processos de produção de trabalho. Esta questão é analisada pelas autoras, tendo por base duas correntes do pensamento alemão: uma que diagnostica o fim da sociedade de trabalho e outra que aponta para a crise e não para o fim desta sociedade.

MFN : 00139

DEMO, Pedro. Aprender : o desafio reconstrutivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 29-38, set./dez. 1998. Inclui bibliografia.

Apresenta a tendência vigorosa de compreender a aprendizagem como fenômeno reconstrutivo, ressaltando a pesquisa como seu ambiente próprio. Passa rapidamente por algumas teorias interdisciplinares (psicologia, biologia, física, lingüística, e suas interconexões). Para ilustrar esta tendência, organiza cenários do Mundo de Sofia, tomando em conta que este livro desenha, com rara precisão, a pesquisa como ambiente de aprendizagem e o papel maiêutico do professor.

MFN : 00140

DEMO, Pedro. Educação e desenvolvimento : análise crítica de uma relação quase sempre fantasiosa. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 14-31, jan./abr. 1999. Inclui bibliografia.

Aborda três dimensões importantes da educação conjugada com cidadania, ou como estratégia central do combate à pobreza política: educação ligada ao desenvolvimento, tendo como alicerce central o conceito de oportunidade; educação ligada à aprendizagem, de teor reconstrutivo e promotora de um sujeito capaz de história própria; e educação no contexto da teleducação, em vertentes novas que combatem o instrucionismo.

MFN : 00141

DEMO, Pedro. Educação profissional : vida produtiva e cidadania. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 2-11, jan./abr. 1998. Inclui bibliografia.

Esboça o cenário relativo ao desafio da educação profissional no mundo diante de nós: globalizado e competitivo, de um lado, e, de outro, tendente a reduzir os espaços de cidadania. Diz que a marca mais profissionalizante é saber "pensar". Nesse sentido, cursos rápidos, do tipo treinamento, não são úteis nem para entrar no mercado e muito menos para sustentar a cidadania do trabalhador. Como caminhamos para uma sociedade sem emprego, a necessidade de garantir condições de vida também para quem não trabalha só pode ser bem manejada pela cidadania

MFN : 00142

DEMO, Pedro. Formação do profissional de educação infantil : alguns desafios do ponto de vista formativo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 20-25, jan./abr. 1997.

Defende a revisão da atual maneira de conceber e exercitar a formação do profissional de educação infantil, ainda presa ao 2o grau apenas, partindo da importância estratégica que o manejo adequado do conhecimento detém hoje no mundo moderno e pós-moderno. Declara que este tipo de educador representa a profissão-chefe para a evolução favorável da competência humana popular. Ressalta que cabe a um profissional moderno não só estar em dia com os reclamos atuais do conhecimento, mas sobretudo humanizar o conhecimento, estabelecendo a devida hierarquia ética entre educação e conhecimento.

MFN : 00143

DEPRESBITERIS, Léa. Avaliação de programas de formação profissional na indústria : algumas questões norteadoras. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 153-181, set./dez. 1989.

Mostra que a avaliação dos programas de formação profissional não deve se ater aos desempenhos finais dos alunos, mas considerar os múltiplos componentes ligados ao processo ensino-aprendizagem. Questiona que variáveis devem ser consideradas na avaliação de formação na indústria, e se as instituições de formação profissional têm acompanhado as mudanças tecnológicas.

MFN : 00144

DEPRESBITERIS, Léa. Avaliação na formação profissional : a necessidade de uma visão mais ampla. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 183-93, set./dez. 1986.

A avaliação na formação profissional apresenta-se, desde a época das corporações de ofício, caráter de processo seletivo. Conquanto a função de selecionar seja própria da avaliação, esta deve ser também meio de orientação para melhoria, quer em nível de aprendizagem, quer em nível curricular e educacional. Apresenta elementos da história da avaliação e discute as formas convencionais e as atuais de avaliação.

MFN : 00145

DEPRESBITERIS, Léa. Elaboração de objetivos e avaliação na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 197-214, set./dez. 1991.

Qual a relação entre objetivos e avaliação da aprendizagem? Como se configura a definição de objetivos na formação profissional? São algumas das questões que este artigo busca discutir. Quanto ao tema – avaliação na formação profissional – a discussão indica os desafios que as instituições educacionais enfrentam, decorrentes das novas formas de organização do trabalho.

MFN : 00146

DESENVOLVIMENTO de recursos humanos para o turismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 281-288, jan./dez. 1976. Conclusões e recomendações do anteprojeto do Seminário Regional/Cinterfor, Buenos Aires, 1976.

Demonstra que o planejamento da capacitação em hotelaria e turismo, em todos os níveis, tanto nos países latino-americanos como nos do Caribe, deveria estar organizado de forma sistemática e oportuna, dentro da estrutura do planejamento do turismo, no Estado e na estrutura da indústria turística e em uma análise profunda das necessidades de potencial humano, tanto quantitativa como qualitativamente, com vistas a determinar futuros programas e planos de capacitação plenamente integrados à realidade e às condições locais.

MFN : 00147

DOCUMENTO : roteiro para elaboração dos planos de ação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 243-252, maio/ago. 1978.

Recomenda os princípios relativos ao modo de elaboração do Plano de Ação. Apresenta um roteiro composto de quatro etapas: levantamento e interpretação de informações; produção e hipóteses alternativas de trabalho; programação de atividades; programação da avaliação.

MFN : 00148

DODGE, Bernard J. Computador e a criatividade : ferramentas, atividades e possibilidades. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 14-9, maio/ago. 1993.

Destaca o papel do computador no processo de resolução de problemas, visto que os recursos da informática promovem as possibilidades de flexibilidade, fluência, associação e experimentação, atributos inerentes à inteligência criativa.

MFN : 00149

DUCCI, Maria Angélica. Formação profissional feminina : repercussões sociais no mercado de trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 47-70, jan./abr. 1977.

A situação da formação profissional feminina detecta por diagnóstico sobre o tema nos países cujas delegações participaram do Seminário Regional, estimulou a examinar as deficiências apontadas, buscando com afinco as ações que possam resultar, a curto prazo, em um ingresso mais eqüitativo de homens e mulheres na formação profissional, como meio de promover o acesso e a promoção das trabalhadoras no emprego, em condições nacionais superiores atuais e, como meta, a construir a qualificação ocupacional da mulher como argumento mais objetivo para combater as idéias de discriminação no trabalho.

MFN : 00150

ENSINO de 2o grau na lei 5.692/71. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 81-116, maio/ago. 1975.

Relato do parecer n. 76/75 CE 1./2. graus, aprovado em 23/01/75, processo. n. 11.543/75 do Ministério da Educação e Cultura / Conselho Federal de Educação. Os argumentos apresentados foram extraídos da própria lei, da Exposição de Motivos que a encaminhou, da Indicação que motivou este parecer e do Parecer no 45/72 do CFE.

MFN : 00151

ESPINOSA PROA, Sergio. Arcaísmo e modernidade : as profissões. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 2-9, set./dez. 1997. Inclui bibliografia.

Comenta que toda profissão é o resultado de um processo de redução pelo qual saberes se transformam em disciplina. Assim, o aperfeiçoamento profissional constitui um empobrecimento, e não há formação integral que elimine ou atenue tal ambigüidade, mas que permite ao profissional construir e fixar sua identidade. Como não somos nada, o melhor é ter um canudo. Quando os títulos já não significam grande coisa, verifica-se que a idéia de formação profissional sobreviverá. Questiona se as profissões absorverão esse espírito trans/anti–disciplinar, característico da cultura contemporânea.

MFN : 00152

ESPINOSA PROA, Sergio. Educação por vir. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 57-67, maio/ago. 1999.

A educação está sempre por vir. Dizer como serão e como não deveriam ser as instituições educativas em que nossos filhos ou netos padecerão, embora possível, nada tem de relevante. A educação que procura adaptar as pessoas e lhes fornece ferramentas para defender-se na vida pode ser necessária, mas nem de longe há de ser a mais interessante. O educativo, seguramente, nunca aparece no projeto educativo, não marca presença nas aulas, nos laboratórios, nas bibliotecas. Um contexto só se mostra educativo quando sequer se propõe a sê-lo. A idéia de uma educação sempre por vir é, pois, a de que, ao chegar, ela já terá deixado de ser educativa.

MFN : 00153

ESPINOSA PROA, Sergio. Mitologia na formação de professores. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20. n. 3, p. 22-27, set./dez. 1994.

O artigo, elaborado no contexto da reforma universitária havida na Universidade Mexicana de Zacatecas nos anos 80, considera a formação de professores um "mito" na medida em que o docente é ele próprio uma "criatura mitológica", inacabada, sempre representando papeis. E que, para obter sucesso, toda iniciativa que vise aperfeiçoá-lo necessita abordá-lo em função dessa sua ambigüidade essencial, sem pretender apenas a instrumentalização técnica do professor, já que a questão ultrapassa os aspectos meramente profissionais e se instala no "horizonte global da cultura contemporânea".

MFN : 00154

ESPINOSA PROA, Sergio. Núpcias suspeitosas : fragmentos do romanceiro da pesquisa e do ensino. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v .16, n. 3, p. 243-262, set./dez. 1990.

Num tom polêmico e instigante o autor analisa as relações nem sempre harmônicas entre Pesquisa e Ensino nos meios acadêmicos. Enfoca questões como a queda do status do professor, o caráter paradoxal dos processos de pesquisa – entre a liberdade irrestrita e o controle social –, os currículos distanciados da realidade, o uso do saber como instrumento de poder, a liberdade de cátedra e o que se oculta sobre ela, entre outras.

MFN : 00155

ESPINOSA PROA, Sergio. Tradição inovadora. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 22-31, set./dez. 1995. Inclui bibliografia.

Discute as relações entre o "velho" e o "novo" em diversos contextos da chamada "modernidade". Fixa-se, particularmente, no domínio educacional, em que a questão da "tradição renovadora" mostra-se com especial nitidez na idealização da pureza infantil e na ilusão de poder das técnicas pedagógicas. Conclui afirmando que somente aquilo que se mostra capaz de "tirar a lógica dos eixos" poderá genuinamente intitular-se inovação.

MFN : 00156

ESTUDO e diagnóstico da orientação educacional no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 107-115, set./dez. 1974.

Os resultados obtidos através do estudo e diagnóstico da orientação educacional no Senac demonstram que a expectativa dos participantes dos cursos de profissionalização correspondem plenamente as linhas básicas traçadas no planejamento do Senac.

MFN : 00157

FARRE, Maria Pilar Toha. Colocação e acompanhamento : etapas indispensáveis à informação e capacitação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n.2, p. 161-171, maio/ago. 1977.

Define a formação profissional como um processo que, basicamente, comporta três fases diferentes: informação profissional, capacitação para o trabalho e, colocação e acompanhamento. O trabalho proporciona informações adequadas sobre oportunidades ocupacionais e testa a produção dos programas de qualificação profissional, fornecendo resultados de entrada de recém-formados no mercado de trabalho.

MFN : 00158

FARTES, Vera Lúcia Bueno. Modernização tecnológica e formação para o trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 2-11, maio/ago. 1994.

Estuda o processo de qualificação dos coletivos de trabalhadores, concebidos a partir do ensino técnico profissional, no contexto de modernização tecnológica pelo qual passou a Região Metropolitana de Salvador com a instalação do Pólo Petroquímico de Camaçari. Partindo de análises documentais e de fala de ex-alunos e ex-professores, procura entender e explicar como ou se o processo de qualificação daquela modalidade particular de força de trabalho tem propiciado a formação de uma nova coletividade de trabalhadores, com maiores bases de conhecimento, e controle sobre o processo produtivo.

MFN : 00159

FARTES, Vera Lúcia Bueno. Trabalho-educação : novos paradigmas? Boletim Técnico do Senac, Rio de janeiro, v. 18, n. 1, p. 49-62, jan./abr. 1992. Inclui bibliografia.

Focaliza alguns dos mais importantes estudos sobre as transformações tecnológicas no processo de trabalho, buscando compreender a mudança dos paradigmas teóricos que orientam e continuam a orientar a relação trabalho-educação.

MFN : 00160

FEIRAS de informação profissional no Senac em São Paulo e no Espírito Santo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 233-248, maio/ago. 1977.

As Feiras de Informação Profissional têm como objetivo fornecer à clientela que as visitam, inúmeros tipos de informações sobre oportunidades ocupacionais nas localidades onde se realizam. As realidades de tais Feiras são apresentadas em dois estados: São Paulo e Espírito Santo.

MFN : 00161

FEITOSA, Maria Luna Alencar. Análise ocupacional: base real para programas de formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 29-40, jan./abr. 1987.

A questão do planejamento curricular de programações, em nível que oferece garantia de eficácia, constitui um desafio para as entidades de formação profissional. A análise ocupacional oferece ao planejador do ensino profissionalizante as bases para elaboração de currículos, garantindo objetividade e economia de tempo no processo da qualificação profissional, sem o caracterizar como simples adestramento. O currículo fundamentado nas tarefas básicas da ocupação é dirigido para o desenvolvimento das habilidades, conhecimentos e atitudes do treinando possibilita a eficiência do trabalhador que, como pessoa, passa a participar do processo econômico da empresa de forma consciente e criativa.

MFN : 00162

FEITOSA, Maria Luna Alencar. Círculo de controle de qualidade na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 173-187, maio/ago. 1991.

Neste documento relata-se a experiência do Departamento Regional do Ceará, quando da implantação do Circulo de Controle de Qualidade. Descreve a filosofia, o histórico, a metodologia, os objetivos e a experiência do CCQ.

MFN : 00163

FELLINI, Lourdes. Fatores psicossociais do turismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 161-170, set./dez. 1987.

Apresenta roteiro preliminar para análise das relações entre o turismo e a sociedade, enfocando especialmente a questão das localidades receptoras de visitantes e os protótipos do comportamento do homem como turista, em relação ao grupo social. Destaca ainda a necessidade de avaliação da demanda turística, e reflete sobre a ambigüidade e as tendências do turismo no mundo moderno.

MFN : 00164

FIGUEIREDO, Paulo César N. de. Capacitação tecnológica como estratégia competitiva para empresas de serviços. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 20-34, maio/ago. 1994.

Tem por objetivo fornecer subsídios a preparação das empresas brasileiras, notadamente as do setor de serviços, para o enferrujamento dos novos cenários de competição global, proporcionando a essas empresas e aos indivíduos que elas empregam acesso aos benefícios do progresso tecnológico.

MFN : 00165

FINOCCHIARO, Antonin J. Considerações gerais sobre a produção e o emprego de recursos didáticos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 119-131, jan./abr. 1979.

Qualquer tipo de produção hoje em dia - e a pedagogia é uma delas - implica na existência de um sistema organizado. As demais condições de eficiência e eficácia dos sistemas modernos de produção impõem a necessidade de manter uma estrutura flexível em seu desenvolvimento, mais rígida em seu funcionamento. Isto significa que concepção e execução obedecem a regras distintas e isso, independentemente de pessoas envolvidas que podem, em alguns casos, ser as mesmas, desde que possuam as competências requeridas para cada situação.

MFN : 00166

FINOCCHIARO, Antonin J. Uso do computador no processo de análise ocupacional para a programação modular de ensino. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 57-89, jan./abr. 1980.

Descreve uma tentativa de utilizar os recursos da eletrônica para fins de análise ocupacional, demonstrando que é possível conciliar as restrições de custos-prazos impostas pelo preparo de programas específicos de tratamento, com as proporções relativamente diminutas do volume de operações a tratar.

MFN : 00167

FONSECA, Martha Amaral. Compromisso social da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 5-16, jan./abr. 1985.

Destaca que o exame histórico da formação profissional no Brasil permite constatar a sua evolução em estreito paralelo com o desenvolvimento econômico, político, social e cultural do país. Desta evolução revelam-se três termos-chaves como sustentadores de um processo para repensá-la, são eles: trabalho / indivíduo / sociedade. Considera que o alcance das ações de formação profissional e o formato próprio a cada uma delas deverão ser determinados segundo adequados critérios de necessidades, sempre equilibrados entre os interesses das diversas categorias de clientelas, pendendo, eventualmente, ora para o mercado de trabalho, ora para a demanda social, ora para as aspirações dos indivíduos ou empresas.

MFN : 00168

FONSECA, Martha Amaral. Perspectivas da formação profissional frente a uma sociedade em mudanças. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 117-120, set./dez. 1983.

Afirma que o compromisso pelo Senac frente a uma participação mais influente no processo de mudança que ocorre na sociedade brasileira implica em considerar sua responsabilidade como agente da formação profissional do indivíduo no seu sentido mais amplo e, não apenas, segundo o enfoque imediatista da preparação de mão-de-obra para o posto de trabalho. Implica em afrontar o estigma da polarização entre o trabalho intelectual e o trabalho manual que minimiza e contradiz a própria qualificação objetivada e consagra a divisão do trabalho conforme ocorre na atividade produtiva.

MFN : 00169

FORMAÇÃO profissional e emprego. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-13, maio/ago. 1974.

Informação sobre o seminário realizado pelo Centro Interamericano de Pesquisa e Documentação sobre Formação Profissional, Cinterfor, órgão regional da OIT, em San José, Costa Rica, em julho de 1974. Concluiu-se que a formulação da política de emprego alcança um complexo inter-relacionamento causal que não é fácil de se delimitar, principalmente quanto aos problemas de ordem demográfica.

MFN : 00170

FRANCA, Lúcia Helena de Freitas P. Resgate do tempo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 97-111, maio/ago. 1989.

A expectativa de vida média praticamente dobrou em apenas cem anos, assim, importa reavaliar e concentrar esforços em relação ao idoso, visando a reprogramar aspectos da cultura, formal e informal, para atender esta nova sociedade emergente. Aborda a questão dos preconceitos, a importância da manutenção da auto-estima, a continuidade da atividade que dá ação ao pensamento e a necessidade da atividade como propulsora da vida.

MFN : 00171

FREITAS, Alexandre Simão. Redimensionamento da ciência e da tecnologia e os impactos nas políticas de educação profissional : a decadência da imaginação radical e o triunfo (Neo-) conservador nos anos 90. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

nalisa as diretrizes de políticas que têm proposto o chamado "novo paradigma científico e tecnológico" como um dos vetores centrais tanto para a formação profissional do cidadão como para o desenvolvimento e a modernização do país no cenário atual de crises múltiplas e complexas. Parte da idéia de que os novos requerimentos e conceitualizações do paradigma científico e tecnológico têm sido incorporados pelo planejamento governamental, visando um conjunto de transformações sócio-culturais que operam em nível do Imaginário Social, alterando os sentidos construídos e atribuídos a educação na contemporaneidade. E que, longe de apontarem para uma "transição paradigmática" do setor, indicam a necessidade de instalar um novo "senso comum tecnocráatico" em torno dos programas de estabilização e reformas em curso no país.

MFN : 00172

FREITAS, Carmem Moura de. Linguagem : reflexões sobre o tema. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 55-66, jan./abr. 1987.

A linguagem articulada denota o estágio superior de evolução do homem, e contribui decisivamente no processo de desenvolvimento cultural da humanidade. Sua função principal é a comunicação; e está sujeita a controles quer da própria estrutura da língua, quer daqueles de ordem sócio-cultural. Como instrumentos dessa coerção, citam-se as gramáticas e os códigos, além dos dicionários controlados. Todo esse aparato visa garantir o processo de transmissão de informações entre pessoas e grupos. A dinâmica das linguagens obedece a evolução própria do grupo, da instituição e da sociedade como um todo. A linguagem do Senac se define, portanto, pelas características da atividade de formação profissional, bem com pelas influências exercidas pelo contexto sócio-econômico no qual a instituição se inscreve.

MFN : 00173

FREITAS, Elizabeth Saar de; OLIVEIRA, Maria Theresa Cavalcanti de. Capacitação de reflexões do SENAI em informática educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 93-107, jan./abr. 1990.

Descreve o Programa de Autonomização Educativa desenvolvido pelo Senai com o objetivo de disseminar a idéia da informática educacional e de sua integração aos processos e métodos hoje desenvolvidos na formação profissional.

MFN : 00174

FREITAS, Jodrian S. Amorim de. ISO-9.004-2 e a qualidade em serviços. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 34-39, jan./abr. 1996. Inclui bibliografia.

Trata das peculiaridades da área de serviços no tocante ao gerenciamento para a garantia da Qualidade, diferenciando-a da área manufatureira. Num momento em que a busca de diferenciais competitivos está se voltando para os serviços, torna-se necessário obter respostas adequadas que permitam rever os antigos modelos gerenciais. E neste contexto que abordamos a Norma ISO-9004-2, uma das alternativas existentes para modelar o Sistema da Qualidade de empresas na prestação de serviços.

MFN : 00175

FRIGOTTO, Gaudêncio. Globalização e a crise do emprego : mistificações e perspectivas da formação técnico-profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 31-45, maio/ago. 1999.

Analisa a formação técnico-profissional num contexto de final de século marcado por transformações contraditórias. A disputa pela organização e projeto político-pedagógico da formação técnico-profissional no Brasil nos anos 90 resulta de um embate que confronta um projeto societário que se assenta no ajuste a nova (des)ordem mundial e outro que busca viabilizar uma alternativa autônoma e sustentável de desenvolvimento. No primeiro caso, a formação profissional se desenvolve numa perspectiva pragmática vinculada a ideologia da empregabilidade. No segundo caso, articula-se a educação básica associada a perspectiva da formação de sujeitos e protagonistas de uma cidadania ativa.

MFN : 00176

FRIGOTTO, Gaudêncio. Trabalho como princípio educativo : por uma superação das ambigüidades. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 175-192, set./dez. 1985.

Demonstra que são muito intensas as discussões quanto às relações educação e trabalho, educação e produção, educação pelo trabalho e profissionalização no processo de trabalho, procurando-se portanto idéias básicas que fundamentam a superação dessas ambigüidades.

MFN : 00177

GARCIA, Maria Apparecida de Mattos. Experiência de treinamento de professores no Senac/MG. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 109-137, jan./abr. 1978.

Situa o treinamento como um arranjo de condições cujo objetivo é formar ou aperfeiçoar os professores, adequando sua performance as finalidades do processo instrucional. Apresenta o núcleo central em forma de uma relação de temas fundamentais que podem ser destacados ou desdobrados em: objetivos de ensino; técnicas de ensino; material didático; avaliação da aprendizagem; fatores que interferem na aprendizagem; planejamento didático. Com base nos pontos detectados, o próprio diagnóstico já pode incluir algumas linhas orientadoras do programa de treinamento de professores do Dr/MG.

MFN : 00178

GARCIA, Maria Apparecida de Mattos. Taxionomia de objetivos educacionais, descrições ocupacionais e avaliação na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 227-254, set./dez. 1991.

Os profissionais ligados às atividades técnico-supervisoras da formação profissional defrontam-se com certas dificuldades bastante peculiares e específicas. Este artigo procura fazer uma revisão das principais dificuldades, um sumário das formas vigentes de seu equacionamento e a apresentação de uma nova alternativa técnica. Através desta, pretende-se estimular o aprofundamento das reflexões sobre os aspectos pedagógicos da formação profissional.

MFN : 00179

GARCIA, Maria Apparecida de Mattos. Textos instrucionais e formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, p. 3-17, jan./abr. 1987.

Grande parte dos textos instrucionais, produzidos no campo da formação profissional, reflete apenas o conhecimento e a experiência dos autores que, quase sempre, são instrutores. É indispensável que o autor se valha de classificações de ocupações, de análises de trabalho e de outros documentos técnicos disponíveis, é recomendável que o material comunique ao aluno os objetivos em vista e que se prevejam mecanismos para avaliar a consecução destes. Esta é a linha técnica indicada para planejar e produzir materiais instrucionais

MFN : 00180

GIARETTA, Maria José. Recursos humanos em turismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 171-177, set./dez. 1987.

Analisa problemas centrais da formação de recursos humanos para o turismo nos cursos formais e informais. Mostra, por um lado, as incoerências da Política Nacional de Educação e as causas de evasão dos cursos de turismo. Por outro lado, aponta a incoerência do empresariado em não oferecer abertura necessária aos egressos dos cursos de turismo, e a necessidade de inserir esses profissionais especializados no Sistema Nacional de Turismo.

MFN : 00181

GIL, Maria Elena. Papel dos sindicatos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 111-115, jan./abr. 1977.

Mostra a importância do sindicato para as mulheres, que conseguirão o poder de decisão dentro do mesmo, o dia em que contar com o respaldo das companheiras, devendo, também, contar com o apoio do sexo oposto. Conclui que isto só será conseguido através de uma transformação da mentalidade masculina e feminina das mulheres, a qual deverá ser obtida por intermédio da educação, cujo meio será mais eficaz para destruir barreiras psicológicas e interesses pessoais.

MFN : 00182

GOES, Moacyr de. Experiência de implantação do ensino profissionalizante numa escola acadêmica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 5-52, maio/ago. 1975.

Relata a experiência vivida pelo Colégio São Vicente de Paula, ao se defrontar com um processo de mudança, a qual visa introduzir no currículo acadêmico, conteúdos e práticas de formação profissional.

| Topo da Página |

 

MFN : 00183

GOES, Moacyr de. Orientação e formação profissional : OIT e Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 121-128, maio/ago. 1977.

A OIT solicita uma orientação profissional que atinja e se insira no próprio mundo do trabalho: a informação profissional deve alertar para as oportunidades educativas correlatas; a situação e tendências do emprego; as oportunidades da promoção; a segurança e a higiene do trabalho; os aspectos gerais dos contratos coletivos de trabalho e a legislação vigente. Enquanto no Senac, a orientação educacional e profissional dá ênfase especial à informação profissional, permeando todas as etapas do processo.

MFN : 00184

GOES, Moacyr de. Por que (necessariamente) educação popular versus escola pública? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 5-16, jan./abr. 1984.

Trata da questão polêmica, educação popular versus educação pública, que permeou as discussões sobre a educação brasileira nos anos 70 e ainda persiste nos anos 80. Busca resgatar uma experiência concreta de educação popular, executada em Natal-Rio Grande do Norte, pela Secretaria Municipal de Educação. A campanha "de pé no chão também se aprende a ler", evoluiu de uma simples proposta de alfabetização e de escola para todos para uma complexa política de educação e cultura popular. Propõe uma saída para a educação através de um projeto educacional.

MFN : 00185

GOES, Moacyr de. SENAC : uma escola no mundo do trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 257-268, set./dez. 1978. Por.

Objetiva trazer da empresa e do mundo do trabalho subsídios as programações do Senac e levar, aos patrões e empregados, as propostas e serviços de formação profissional oferecidos. Apresenta um documento elaborado pelos Drs e Delegacia de Brasília, com a finalidade de estabelecer normas e alternativas para a execução do Programa Articulação Senac-Empresa. Estas normas estão sendo propostas para que se inicie e/ou se implemente a Articulação Senac-Empresa. A proposição de alternativas, que o documento apresenta, leva em conta as condições de viabilidade e concretização de cada regional.

MFN : 00186

GOIFMAN, Théa. Articulação Senac-empresa. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 269-276, set./dez. 1978.

Visa a criação de uma política de integração das atividades do Senac na estrutura empresarial. A importância desse intercâmbio entre o Senac e a empresa levou a formas de atuação junto às empresas e empresários, de maneira que as informações não ficassem perdidas pela informalidade de sua obtenção. Na medida em que a atuação do Senac se desenvolve em função das empresas, existe a interligação entre o Programa de Articulação Senac-Empresa e os demais programas do Plano Nacional de Ação do Senac. Enumera algumas dessas áreas de interesse e atuação comum em todos os programas.

MFN : 00187

GOMES, Candido Alberto da Costa. Ingresso da população na força de trabalho : uma perspectiva internacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n .3, p. 221-229, set./dez. 1984.

A primeira ocupação desempenha importante papel nos processos de mobilidade na carreira e mobilidade social. Além dos níveis de saída da escola, a força de trabalho possui diferentes portas através das quais as pessoas ingressam em diversos níveis da estrutura ocupacional. Tendo em vista a relevância do tema para a formulação e avaliação de políticas publicas, o trabalho resenha a literatura especializada no que se refere ao papel e fatores determinantes da primeira ocupação. Compara a experiência de países selecionados, a partir do que são discutidas algumas questões de política social.

MFN : 00188

GOMES, Cândido Alberto da Costa. Ingresso da população na força de trabalho do Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 149-165, set./dez. 1983.

Afirma que o conhecimento sobre o ingresso da população na força de trabalho (FT) brasileira não é dos mais completos. O estudo analisa, em caráter exploratório, parte dos dados publicados na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD), realizada em 1977. Focaliza, dentro destas limitações, estatísticas sobre trabalho, rendimento e educação de três grupos etários: de 10 a 14, de 15 a 17 e de 18 a 19 anos. Tais dados se referem ao Estado de São Paulo e a Região Nordeste.

MFN : 00189

GOMES, Luís Carlos Tabet. Reflexão sobre o setor terciário e o turismo no Brasil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 135-150, set./dez. 1987.

Analisa a função social e econômica do setor terciário e critica a doutrina da sociedade industrial avançada. Denuncia a visão industrial do turismo e os conceitos falaciosos decorrentes, tais como os de indústria turística e pólo turístico. A partir das noções de terciário econômico e terciário social, propõe novo modelo para análise da função do turismo. Destaca nesse contexto reflexivo, a questão da formação de mão-de-obra, particularmente no Brasil.

MFN : 00190

GOMES, Luiz Vidal. Como entender o termo criatividade nos cursos de desenho de produto. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 37-42, maio/ago. 1994.

Registra de forma geral alguns conceitos e teorias sobre a criatividade que, ao longo destes últimos cinco anos, vem nos ajudando a entender, a desbloquear e a desenvolver esta habilidade aos estudantes de cursos de Desenho de Produto e aos professores. Dividido em três partes: este ensaio observa, na primeira parte, as principais funções da mente onde se baseiam os processos intelectuais; na segunda, uma série de conceitos e teorias sobre a criatividade; e na terceira, como se desenvolve a criatividade em cursos de Desenho de Produto.

MFN : 00191

GOMEZ LOPEZ, Raul Ernesto. Projeto para a criação de um centro de recursos instrucionais para o Senac, região sul. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 111-128, jan./.abr. 1981.

Apresenta projeto alternativo para a criação de um centro de recursos instrucionais, dentro do Senac. Demonstra que o desenvolvimento de um sistema que possibilite o uso correto, a produção ou a informação adequada a respeito dos recursos instrucionais terá fundamentalmente importância para melhorar a qualidade dos cursos do Senac. Aborda os seguintes tópicos: considerações gerais sobre o projeto; objetivos da criação do centro de recursos instrucionais; estrutura funcional do centro; e pré-direcionamento.

MFN : 00192

GONCALVES, David. Fenômeno situacional da aprendizagem. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 209-217, maio/ago. 1979.

O fenômeno situacional no Senac está nitidamente delineado do Programa Capacitação na Empresa, onde cada situação é estudada conforme as necessidades levantadas por cuidadoso diagnóstico. Encontra-se, também, nas empresas particulares de treinamento, com fins lucrativos. E, por fim, nas próprias empresas, com centros de treinamento preparados para oferecer mão-de-obra ao sistema produtivo. Tenta mostrar como se realiza o fenômeno situacional da aprendizagem ao mesmo tempo que analisa um caso – modalidade – de ensino aplicado no sócio-coletivo.

MFN : 00193

GONZALEZ, Vânia Regina Coutinho. Gramsci e a organização da escola unitária. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 26-33, jan./abr. 1996. Inclui bibliografia.

Os autores nacionais que discutem as complexas relações entre educação e trabalho se apóiam no pensamento de Karl Marx e Antônio Gramsci. Entretanto, as idéias de ambos têm possibilitado aos estudiosos múltiplas interpretações que nem sempre são consensuadas no meio acadêmico. Tem como objetivo o resgate do pensamento de Gramsci a partir de sua proposta de integração entre educação, trabalho e cultura; polemizar sobre algumas afirmações que são atribuídas ao autor e efetuar comparações acerca da concepção de educação politécnica de Marx e da proposta de escola unitária de Gramsci.

MFN : 00194

GRAELL, Fernando. Elementos de análise para a tecnologia educativa : em busca da função dos meios. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 249-263, jan./dez. 1976.

Procura introduzir a problemática da comunicação dentro de um sistema mais preciso de utilização dos meios de massa com objetivos educativos. Observa durante o contacto com algumas experiências e projetos de planificação que muitos aspectos não estavam sendo levados em consideração na elaboração de uma estratégia para a Tecnologia Educativa. Entre os aspectos, as teorias da comunicação, parecem ser as mais esquecidas, e por esta razão, o autor se detém com maior intensidade, sem esquecer a relação com outros ramos que dão à Tecnologia Educativa, uma concepção global, uma concepção de sistema.

MFN : 00195

GRAELL, Fernando. Experiência rádio no Senac : curso de informações turísticas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 3, p. 351-366, set./dez. 1977.

Relato da experiência que teve como principal objetivo avaliar as possibilidades futuras do rádio no Programa de Teleducação do Senac, motivando e informando os participantes sobre o Turismo interno, suas características e importância. O projeto pretendeu testar os conteúdos da linguagem radiofônica, o material de apoio utilizado e a capacidade operacional da infra-estrutura de controle.

MFN : 00196

GRAELL, Fernando. Tecnologia da educação : administração e controle; um caminho a percorrer. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 85-93, maio/ago. 1982.

Esclarece que para a administração e controle de um sistema educativo é fundamental ter acesso a informações que satisfaçam a critérios de utilidade e orientem o processo de tomada de decisões: de planejamento; de estruturação; de implementação; e de reciclagem. A principal função deste modelo é prover informações que facilitem o controle de qualidade e a melhoria de um sistema. O modelo apresenta como tema unificador, a definição de avaliação como processo de delinear, obter e fornecer informações úteis para o processo decisório, nos quatro níveis apresentados.

MFN : 00197

GROSSMANN, Wilma. Projeto de pesquisa : o sistema de ensino paralelo e suas relações com o mercado de trabalho no Rio de Grande do Norte (1976-1983). Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 231-253, set./dez. 1984.

Propõe verificar as relações entre a política de qualificação profissional da mão-de-obra no sistema de ensino paralelo e as condições do mercado de trabalho no Rio Grande do Norte, entre 1976 e 1983. Analisa o comportamento do chamado ensino paralelo e as respostas que ele produz no mercado de trabalho, em confronto com a expansão capitalista no país, mas sem perder de vista as especificidades locais.

MFN : 00198

GUEDES, Rita de Cássia. Informar sem complicar : objetivos da informação profissional no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p.199-205, maio/ago. 1977.

Demostra que, através da informação profissional, são levados à comunidade os propósitos de trabalho da Entidade, indo outrossim depender da linguagem utilizada para que o indivíduo se interesse por um curso do Senac. A informação profissional deve mobilizar quem a ouve a despertar interesses, havendo correspondência naquilo ouvido e no que está sendo comunicado.

MFN : 00199

GUIMARÃES, Ivan de Paula Pacheco. Problema da análise de custos no planejamento. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 145-155, maio/ago. 1980.

 

Enfoca a implantação da análise de custos no Senac, que constitui tarefa bastante complexa. Porém, sua execução pode ser grandemente facilitada, através do processamento eletrônico de dados. Procura demonstrar que a implantação da Análise de Custos no planejamento é perfeitamente viável e representa um passo adiante em relação aos procedimentos do Senac.

MFN : 00200

GUIMARAES, Mário André Mayerhofer; BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Teorias pedagógicas e suas aplicações ao ensino por computador. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 199-226, set./dez. 1992.

Apresenta as grandes mudanças ocorridas na educação, particularmente nas tecnologias instrucionais, relacionando-as com o aperfeiçoamento dos meios de comunicação e as pesquisas experimentais que contribuíram para o desenvolvimento de novas metodologias de ensino/aprendizagem, da segunda metade do século XIX até a década de 1990. Nessa linha, analisa o trabalho das diferentes correntes pedagógicas - desde as comportamentais até as cognitivistas. Conclui com a descrição das metodologias mais recentes, em especial dos ambientes de ensino apoiados por computador.

MFN : 00201

GUIMARAES, Mário André Mayerhofer; CAVALCANTI, Maurício Roma; BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. ASA : da motivação até a utilização em sala de aula. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 34-40, jan./abr. 1994.

Descreve o software ASA (Ambiente de Animação e Simulação de Algoritmos) que tem como proposta fazer com que o aluno se ambiente rapidamente nos significados e na lógica básica que introduz ao entendimento dos algoritmos. Relata as dificuldades e soluções encontradas para o desenvolvimento do software, a experiência de validação em cursos experimentais e o papel do instrutor na aplicação de um curso apoiado por computador.

MFN : 00202

GUIMARÃES, Mário André Mayerhofer. Introdução ao software educativo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 83-91, jan./abr. 1990.

Sistemas de ICAI revelam-se importantes aplicações da informática na educação. Nesse sentido, a Universidade de Stanford converte um sistema especialista (MYCIN) em um sistema tutorial e implementam-se sistemas ICAI em microcomputadores.

MFN : 00203

GUIMARÃES, Mário André Mayerhofer. Paradigma para o desenvolvimento. de software educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 28-39, maio/ago. 1996. Inclui bibliografia.

Apresenta um modelo de desenvolvimento de software educacional que combina elementos das teorias pedagógicas comportamentalista e construtivista. Originalmente experimentado na construção de um software para ensino de algoritmos no Senac, o modelo tem uma estrutura básica em modelos (Lições-Construtor-Analisador) que pode ser adaptada a qualquer iniciativa de desenvolvimento, independente do tema, natureza e grau de complexidade dos conteúdos da aplicação.

MFN : 00204

GUIMARÃES, Mário André Mayerhofer. Protocolos verbais, processos cognitivos e construção de algoritmos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 107-123, maio/ago. 1991.

Na primeira metade do século, o aprendizado e a instrução foram dominados por conceitos comportamentais de estímulo-resposta (skinnerianos). No final dos anos 50, um novo enfoque de processamento da informação começou a crescer. Este artigo procura descrever os aspectos cognitivos e psicológicos que se passam neste intervalo e que estão envolvidos na estratégia do aluno para solucionar problemas algoritmicos.

MFN : 00205

GURGEL, Cláudio. Emprego e aprendizado para o deficiente. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 125-34, maio/ago. 1986.

Enfoca o problema das minorias no Brasil, para discutir questões ligadas aos deficientes, tais como: barreiras físicas, mercado de trabalho, emprego, igualdade de oportunidades e a preparação para o trabalho, dentro do atual enfoque de integração do deficiente

MFN : 00206

GURGEL, Cláudio. Pessoas e produtos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 207-220, set./dez. 1984.

Discorre sobre o conflito das relações de trabalho nas modernas empresas, que opõem a qualidade do produto ao processo coercitivo de controle de pessoas. Resgata teorias e experiências passadas desde o alvorecer da Revolução Industrial à empresa atual. Afirma que, independente do caráter dos trabalhadores ou das empresas, os controles coercitivos são inibitórios da expressão produtiva. Significa dizer que a cada medida de controle formal, corresponde uma restrição ou empobrecimento da produção.

MFN : 00207

HARGER FILHO, Theodoro. Recrutamento de clientela no Senac/SP. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 137-153, maio/ago. 1977.

Dá ênfase às atividades relacionadas com o recrutamento da clientela escolar, agrupando-as da seguinte forma: caracterização da clientela; divulgação; inscrição de candidatos; controle do rendimento dos meios de divulgação. A sistemática, acima enumerada, foi implantada para atender às necessidades do CFP João Nunes Júnior e está em fase de validação.

MFN : 00208

HAUCK, Carlos Thadeu. Estratégias de marketing. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 81-89, maio/ago. 1987.

Planejar e reduzir a margem da incerteza futura, é criar as condições necessárias para o perfeito domínio das ações do administrador em busca do objetivo–fim. Mostra-se necessário ao administrador realizar planejamento estratégico que, fundamentado em informações precisas, permita encontrar o ponto de equilíbrio da empresa. Neste contexto, o artigo demonstra que os planos de marketing ordenam os mecanismos do mercado, em regime até certo ponto aberto, mas a partir de modelo genérico e abrangente.

MFN : 00209

IGNARRA, Luiz Renato. Evolução econômica da hotelaria brasileira; 1978-87. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 53-68, jan./abr.1989.

O setor hoteleiro nacional carece de sistema de informações conjunturais que dimensione seu desempenho. O artigo mostra que se pode contornar essa carência através da análise dos balanços das empresas hoteleiras. Com base nessa metodologia, é mostrado que, apesar de todas as crises, o setor apresenta crescimento contínuo, gerando volume crescente de empregos. O artigo sugere, ainda, a necessidade de instituir-se sistema de informações que contribua para o conhecimento estrutural e conjuntural desse segmento econômico.

MFN : 00210

ISAAC, Hilda; GRAELL, Fernando. Teleducação no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 101-128, maio/ago. 1980.

Demonstra que a tecnologia educacional é encarada no Senac como um modo sistemático de planejar, implementar e controlar a formação profissional, utilizando-se, ou não, dos meios de comunicação de massa. Descreve a forma pela qual se encara o ensino por correspondência no Programa de Teleducação Senac, dando ênfase ao enfoque sistêmico mediante a utilização do modelo CEPP. Neste modelo as relações de componentes são consideradas reciprocamente interligadas, permitindo uma prática racionalizadora do planejamento, da implementação e do controle do processo de formação profissional.

MFN : 00211

JESUS, Sérgio de. Capacitação de instrutores no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 223-272, set./dez. 1981.

Apresenta uma visão global do trabalho de treinamento de instrutores desde 1976, especificando a filosofia e estratégia de ação para tanto adotadas. Descreve o desenvolvimento do trabalho sob a forma de projetos e atividades, classificando-os em cinco categorias: ambientação e integração ao Sistema de Formação Profissional Senac; formação de instrutores; aperfeiçoamento em conteúdos específicos da profissão; aperfeiçoamento em conteúdos didático-pedagógicos; formação de multiplicadores. Relata as experiências vivenciadas por alguns Departamentos Regionais.

MFN : 00212

JESUS, Sérgio de. Desescolarização de Ivan Illich. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 73-80, maio/ago. 1975.

Faz uma abordagem da linha de pensamento de Ivan Illich sobre a desescolarização, a qual obedece a cinco pontos fundamentais: eliminação da escola por ser uma estrutura sistematicamente alienante: analisa suas distorções, erros, expectativas irrealizáveis geradas por sua ação, frustrações, paradoxos, enfim, seus males; conteúdo escolar: professores, alunos e currículos; escola e sociedade: ritos e sociedade de consumo; novas soluções: processos e recursos; e reflexão filosófica do problema.

MFN : 00213

KNABBEN, Maria Terezinha. Auto-instrução : alternativa para o treinamento e desenvolvimento de recursos humanos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 47-62, jan./abr. 1988.

Identifica as situações da auto-instrução como alternativa viável para o treinamento e desenvolvimento de recursos humanos. Faz uma breve abordagem teórica do assunto, com a finalidade de situar a auto-instrução no sistema geral de educação. Apresenta as várias possibilidades de aplicação de programas auto-instrucionais. Aborda vários pontos fundamentais que devem ser analisados na ocasião de seu planejamento: elaboração de material didático, seleção de especialistas em conteúdo e professores, etc.

MFN : 00214

KUENZER, Acácia Zeneida. Educação profissional : categorias para uma nova pedagogia do trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 19-29, maio/ago. 1999.

Os novos projetos pedagógicos não nascem das idéias dos intelectuais, ao contrário, eles são determinados pelas mudanças ocorridas no mundo do trabalho, que apresentam diferentes demandas a cada etapa de desenvolvimento das forcas produtivas, em função das características que assume a divisão social e técnica do trabalho. Apresenta uma síntese da nova realidade do mundo do trabalho, que será tomada como ponto de partida para uma rápida análise das novas políticas, pano de fundo para a reflexão sobre as categorias que vem construindo a nova proposta de educação profissional.

MFN : 00215

KURILOF, Peter. Aconselhador (orientador) como psicoecologista; tradução, resumo e apreciação de Fany Winicki. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 23-30, maio/ago.1974.

Procura demonstrar a necessidade de uma abordagem "ecológica" no aconselhamento, ou seja, não considerar o cliente uma personalidade "anormal" que deve ser ajustada a uma meio "normal", mas sim, enfocar a "anormalidade" como produto desse meio, o qual pode ser modificado pelo indivíduo, através de seu próprio crescimento. Discute, inicialmente, a aplicabilidade dos modelos psicoterápicos ao aconselhamento em educação, ou seja, ao campo da orientação educacional, dadas as diferenças de contexto e a necessidade de "adaptar ao meio", perguntado-se, até, se seria conveniente adaptar os alunos ao meio escolar. Afirma que "novos modelos" de aconselhamento, incluindo objetivos que visem ajudar as pessoas a lutar, operar efetivamente e dirigir o ambiente em que vivem devem ser adotados e acrescenta que esta é a função da escola - ou deveria ser.

MFN : 00216

LEME, Jair de Abreu. Treinamento : despesa ou investimento? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 53-62, maio/ago. 1974.

Considera os recursos aplicados em desenvolvimento de pessoal - em termos de treinamento e aperfeiçoamento - não um simples gasto, mas um verdadeiro investimento sobre o "capital" mais importante da empresa e que reverterá em resultados a curto, médio e longo prazos. Demonstra que atitudes e comportamentos não se desenvolvem espontaneamente dentro da empresa. E necessário uma ação metódica e permanente no sentido de uma educação ocupacional. Cabe ao setor de treinamento de pessoal estabelecer, manter e desenvolver esses objetivos de capacitação e aperfeiçoamento empresarial.

MFN : 00217

LEME, Neli Menezes Paes. Construção de tesauro na área de formação profissional : revisão da literatura. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 163-177, maio/ago. 1986.

A necessidade de assegurar o controle da linguagem utilizada na indexação de documentos técnicos levou o Senac/Dn a planejar a construção de um tesauro para a área de formação profissional do setor terciário. O tesauro é empregado para representação dos assuntos de um documento e demonstra-se instrumento indispensável aos pesquisadores na recuperação da informação. O artigo analisa a literatura sobre o assunto; histórico; definição; regras; aspectos práticos; compilação e registro dos termos; manutenção; automação; e arranjo do tesauro.

MFN : 00218

LEVANTAMENTO bibliográfico dos trabalhos publicados por Maria Violeta Coutinho Villas Boas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 101-102, maio/ago. 1983.

Relação de todos os trabalhos publicados pela professora Maria Violeta Coutinho Villas Boas, no decorrer de sua vida profissional.

MFN : 00219

LIMA FILHO, Domingos Leite. Formação de tecnólogos : lições de experiência, tendências atuais e perspectivas (estudo de caso do Cefet-PR). Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3, set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

Estuda a formação dos tecnológos, em particular no Cefet/PR, onde não apenas traça um perfil histórico dos cursos destinados à qualificação desses profissionais, mas também examina, por meio das modificações que se implantam nas Escolas Técnicas e nos Cefets, os caminhos que as atuais propostas de educação profissional traçam para a formação do nível técnico e tecnológico, repondo a histórica dualidade estrutural da educação brasileira. Enfatiza, assim, que as Escolas Técnicas Federais, com um ensino médio de qualidade, foram rompendo com a tradição do ensino para os desvalidos.

MFN : 00220

LOCATELLI, Iza. Escola e a formação do homem; o papel do educador. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 25-31, jan./abr. 1982.

Demonstra que nosso sistema de ensino, embora nem se possa classificá-lo como tal, posto que baseado em teorias, métodos e técnicas distanciadas de nossa realidade, improvisado e adaptado precariamente, enfatiza cada vez mais a educação como investimento econômico. Conclui que nosso sistema educacional conservou-se alheio à evolução e ao progresso do homem, mantendo-se estático, sem forças para acompanhar as transformações profundas que as relações humanas vem sofrendo. Os educadores sentem-se confusos e marginalizados do processo educacional pela falta de uma filosofia clara que os oriente.

MFN : 00221

LOMBARDI, Maria Rosa. Avaliação no ensino profissional na indústria : para além dos portões da escola. Boletim Técnico do Senac, Rio de janeiro, v. 18, n. 1, p. 63-72, jan./abr. 1992. Inclui bibliografia.

As avaliações do ensino que têm como foco de análise o produto, ou os ex-alunos, são bastantes raras, até porque nem sempre trazem resultados confortáveis. Ao buscar fora dos muros escolares parâmetros que permitam refletir sobre a adequação das suas programações às necessidades da sociedade inclusiva, a pesquisa avaliativa proporciona informações de retroalimentação que acabam por mostrar acertos e desacertos, colocando em cheque intenções, objetivos. O Senai/SP implantou, em 1985, um sistema nesses moldes, o Sapes (Sistema de Acompanhamento Permanente dos Egressos do Senai/SP).

MFN : 00222

LUESCH-REIS, Antônio Marcos. Comunicação didática e design. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 85-106, maio/ago. 1991.

O autor apresenta certos pressupostos básicos de comunicação didática e design com vista a um processo integrado no âmbito da informática educacional. Os axiomas filosóficos de cada uma das áreas são examinados e definidas suas competências, possibilitando designar pontos comuns e uniformizados de uma ação conjunta da comunicação didática e do design.

MFN : 00223

MAGALHAES, Maria Alice E. de. Comércio varejista de alimentos na cidade do Rio de Janeiro : o processo de surgimento e estruturação das empresas de supermercados. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 101-117, maio/ago. 1992.

A criação, no Estado do Rio de Janeiro, de redes de comercialização em massa no mercado do varejo de alimentos ocorre sob condições econômicas e sociais historicamente definidas. A percepção do desenvolvimento destas condições permite compreender melhor o processo de surgimento e consolidação das empresas de supermercados e o seu significado nessa atividade comercial. Por outro lado, contribui para explicar porque determinadas estratégias de concorrência e expansão adotadas pelas empresas mostraram-se eficientes em certos momentos e limitadoras em outros.

MFN : 00224

MAGALHAES, Maria Alice E. de. Desemprego no Rio de Janeiro : uma análise estatística. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 20-44, set./dez. 1993.

Interpreta a questão do desemprego no contexto de crise econômica e social; paralelamente compara os indicadores de desemprego do Estado do Rio com os de São Paulo, de forma a determinar as características específicas do fenômeno no Rio de Janeiro, como o maior índice de desemprego feminino.

MFN : 00225

MAGALHÃES, Maria Alice E. de. Organização do trabalho e progresso técnico: o caso do comércio varejista de alimentos. Boletim Técnico do Senac, Rio de janeiro, v. 18, n. 1, p. 31-48, jan./abr. 1992. Inclui bibliografia.

Aborda as relações entre progresso técnico e organização do trabalho no comércio varejista de alimentos, tendo como objeto a sua moderna expressão que são os supermercados. Sua preocupação central consiste em identificar as condições que propiciam a implantação de inovações técnicas no processo de venda e analisar as transformações que ocorrem a partir de então na organização do trabalho, enfatizando os aspectos do conteúdo e requisitos técnicos necessários para o exercício do trabalho.

MFN : 00226

MAGALHAES, Priscila Melillo de. Análise institucional : novas perspectivas para a intervenção nas organizações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 97-109, maio/ago. 1985.

Comenta que a análise institucional ou sócio-análise tem despertado grande interesse e receptividade entre os profissionais mais progressistas das organizações cujas finalidades podem ser definidas como educativas.

MFN : 00227

MAHER, James Patrick; SILVA, Ezequiel Teodoro da. Treinamento : chute no escuro ou decisão planejada? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 219-245, maio/ago. 1979.

Pretende elucidar alguns aspectos relacionados com o fenômeno do treinamento em empresas. A experiência maior é que os responsáveis pelo setor de treinamento (ou mesmo os proprietários de empresas especializadas em treinamento) adquiram uma versão mais profunda sobre os passos fundamentais para a estruturação de programas significativos ao contexto onde se propõem a trabalhar. Objetiva: elucidar algumas pressuposições básicas sobre as atividades da área de recursos humanos das empresas brasileiras; oferecer um modelo geral para o planejamento e execução de sistemas de treinamento.

MFN : 00228

MAIA, Eny Marisa; FERRETTI, Celso João. Orientação profissional e educacional no Senac e suas relações com a filosofia da educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 13-23, jan./abr. 1982.

Afirma que a orientação profissional e educacional no Senac, assim como as instituições de ensino regular vem promovendo significativas alterações em suas propostas pedagógicas, uma vez que as críticas às propostas do serviço se voltam ao interior do processo, procurando evidenciar entre outros problemas os da inadequação teórica ou da flutuação pedagógica. Busca compreender como surgiram e como poderiam ser superados, considerando-se as relações sócio-histórico-educacionais mais amplas. Relaciona em três momentos, a orientação educacional no Senac e a filosofia da educação.

MFN : 00229

MAIA, Nelly Aleotti. Desafios tecnológicos para o ensino moderno : projetos TBD e modularização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 111-118, maio/ago. 1985.

Mostra que a preparação de professores vem sofrendo sensíveis mudanças ultimamente e enfatiza que, dentre os projetos inovadores no que diz respeito à formação de professores, destaca-se o de Treinamento Baseado no Desempenho.

MFN : 00230

MALLET, Primavera Cozubek. Pesquisa de demanda na formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 193-207, maio/ago. 1979.

Estudo que visa agrupar varias profissões de acordo com sua essência comum, sem perder de vista os aspectos particulares que as caracterizam. Esta classificação possibilitará a elaboração de programas de formação profissional, que além de prepararem o homem para uma profissão determinada, permitam sua atuação num grupo maior de atividades correlatas. Isto abrirá para cada indivíduo um leque de opções de trabalho, que a nível social se traduzirá num melhor ajustamento entre a oferta e a demanda de mão-de-obra.

MFN : 00231

MANO, John F. Treinamento dos recursos humanos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 147-153, set./dez. 1974.

Afirma que os instrumentos e recursos aplicados para fins de treinamento e desenvolvimento são operações que trazem altos dividendos e fortalecem a própria empresa. Conclui que a realização dos objetivos da empresa - qualquer que seja o seu porte ou ramo de atividades, está intimamente relacionada ao grau de formação, aproveitamento e desenvolvimento daqueles que a compõem.

MFN : 00232

MARÃO, Elias Romano. Unidades móveis como modalidade operativa : a experiência do departamento regional de São Paulo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 165-174, set./dez. 1975.

Relata a experiência do Departamento Regional de São Paulo, através de uma das unidades operativas, a Unidade Móvel de Formação e Treinamento - UNIFORT, a qual tem realizado, desde a sua implantação em 1973, uma ampla e diversificada programação, abrangendo todo o Estado de São Paulo na integra. A UNIFORT utiliza a metodologia de Ação Comunitária, como instrumento no processo de envolvimento das comunidades e no levantamento das necessidades e encaminhamento de soluções dos problemas de formação profissional.

MFN : 00233

MARINHO, Victor Noel Saldanha. Espaço arquitetônico na formação profissional do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 2, p. 103-110, maio/ago. 1987.

Desde sua criação em 1946, o Senac busca soluções arquitetônicas próprias, criativas e adequadas à realização de cursos profissionalizantes. A evolução dos planos arquitetônicos adotados expressa o próprio desenvolvimento da filosofia, metas e metodologias institucionais. O emprego do vídeo e o do computador, por exemplo, contribuíram notavelmente para implantação recente das salas reversíveis, o que redundou em menor taxa de ocupação do terreno e permitiu recuperar os espaços de lazer e do verde no Centro de Formação Profissional do Senac.

MFN : 00234

MARKERT, Werner. Novas tecnologias como desafio do currículo do futuro. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 61-71, jan./abr. 1991.

O autor relata as experiências desenvolvidas na República Federal da Alémanha com vista a uma formação profissional mais abrangente frente às novas tecnologias. Isto representará para o currículo do futuro uma crescente redução do contraste entre educação geral e formação profissional.

MFN : 00235

MARTINS, Lilia Pinto. Capacitação profissional da pessoa com deficiência física. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 95-106, maio/ago. 1988.

A sociedade não promove a remoção de barreiras físicas e humanas que podem favorecer a integração social do deficiente físico. Este não se qualifica para o exercício de uma função social e não se habilita efetivamente para o trabalho. Para tanto, afirma a autora, é necessária a participação ativa das pessoas portadoras de deficiência física, de suas associações e da comunidade.

MFN : 00236

MARTINS, Maria José R. Gandara. Acompanhamento de egressos estagiários dos cursos ECTS : experiência do Departamento Regional no Paraná. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 331-375, set./dez. 1978.

Apresenta o resultado da pesquisa de Acompanhamento no Estágio dos alunos do Curso de Auxiliar de Escritório e Loja - ECTS, em empresas de Curitiba. Enumera as sugestões dos supervisores e estagiários que dizem respeito não apenas aos aspectos metodológicos, mas também à dinâmica do funcionamento do estágio, trazendo, assim, novas contribuições na orientação das técnicas de ensino utilizadas no curso.

MFN : 00237

MASCARENHAS, Havilson P. Vírus em microcomputador : o que são e como evitá-los. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 223-231, set./dez. 1989.

Mostra os vírus de computador que tem como característica principal o poder de infiltração, sem o conhecimento prévio do usuário em outros programas. A falta de divulgação contribui para a desinformação vigente, além da necessidade do conhecimento prévio do vírus, traz medidas preventivas de segurança que devem ser adotadas para evitá-los.

MFN : 00238

MASSON, Máximo Augusto C. Educação, formação profissional e transformações no processo de produção capitalista. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 3, p. 38-45, set./dez. 1994.

Trata das relações entre a organização capitalista do trabalho e os sistemas educacionais, acentuando as transformações que possam vir a se processar em decorrência das modificações dos paradigmas organizacionais do trabalho. Analisa as perspectivas pedagógicas presentes no modelo taylor-fordista, e seus vínculos com a tecnologia dominante nas grandes empresas capitalistas. Atenta ainda para as possibilidades que se abrem ao trabalho escolar no sentido de superar a rigidez dos modelos de qualificação profissional.

MFN : 00239

MASTRANGELO, José. Síntese da política setorial da educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 17-26, jan./abr. 1983.

Analisa a política setorial da educação em sua concepção fundamental. Discute as seguintes linhas prioritárias de ação: educação no meio rural; educação nas periferias urbanas; desenvolvimento cultural; modernização técnico-administrativa, e sistema de captação de alocação de recursos. Descreve a ação integrada em educação, cultura e desportos, destacando: a educação pré-escolar; e ensino de 1o grau; o ensino de 2o grau; o ensino superior; o ensino supletivo; a educação especial; a esfera da cultura e do desporto de modo geral.

MFN : 00240

MATOS, Francisco Gomes de; FROES, Jorge R. M. Configuração do poder em um novo modelo : o organograma em cascata. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 40-45, jan./abr. 1998. Inclui bibliografia.

Os organogramas tradicionais não atendem mais as exigências da organização, num mundo que se transforma veloz e radicalmente. Sob o impacto da explosão informacional, entramos na Era do Conhecimento e da Aprendizagem, com mudanças de valores e atitudes. Novo estilo de gestão exige nova estrutura. Nesse sentido, o Organograma em Cascata procura responder, com flexibilidade, aos desafios da representação de poder nas organizações.

MFN : 00241

MATOS, Francisco Gomes de. Gestor da oportunidade e do risco : perfil do empresário. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 125-31, maio/ago. 1989.

Apresenta questões centrais sobre o comportamento do empresário brasileiro em situações de crise. Observa que o empresário é um administrador em crise e que, de resto, gerenciar crises é atitude normal do ser humano. Define três linhas básicas de ação empresarial que se traduzem no combate à desagregação. Analisa, ainda, a situação da pequena e da média empresa no Brasil.

MFN : 00242

MATOS, Francisco Gomes de. Metodologia participativa : desenvolvimento gerencial permanente a distância: gerência permanente. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 51-57, jan./abr. 1983.

Apresenta considerações sobre o Programa de Educação e Desenvolvimento de Executivos, apoiado no Ensino a Distância, através de metodologia participativa. Isto quer dizer: definidas as necessidades de conhecimento do gerente, a administração fornece a informação especifica, numa linguagem acessível e estimulante; a informação é tecnicamente elaborada, de modo a provocar respostas que assegurem sua perfeita apreensão e consultas que motivem o enriquecimento do processo.

MFN : 00243

MATTOS, Ruy de A. Ação humana nas organizações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 151-182, maio/ago. 1990.

A evolução das organizações está intrinsecamente ligada ao papel do homem como ser trabalhador e produtivo. Segundo o autor, a ação humana expressa-se por três variáveis: produção, politização e saúde. Essas variáveis revelam a dimensão do indivíduo e o tratamento a ele dispensado dentro das organizações.

MFN : 00244

MEHEDFF, Nassim Gabriel. Estará correto o enfoque dado à programação e avaliação em formação profissional? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 225-234, maio/ago. 1978.

Toma como ponto inicial uma definição de objetivos, para "educação não formal" em geral; a partir daí, aprofunda a discussão em termos de trabalho do Senac. Questiona se a programação e avaliação da formação profissional utilizada pelo Senac são apropriadas. Esclarece que o planejamento integrado, implantado na instituição, está ingressando na fase de busca de processo de avaliação. O tema aberto a discussão pretende suscitar as bases teóricas necessárias para paulatinamente, ser delineado o modelo de avaliação almejado.

MFN : 00245

MEHEDFF, Nassim Gabriel. Reflexões sobre educação e emprego baseadas em alguns estudos para Brasil, Peru e México. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 261-275, set./dez. 1980.

Procura demonstrar que a escolaridade, aparentemente, desempenha um papel importante como determinante de salários individuais na América Latina, mas, por outro lado, a distribuição da escolaridade na força de trabalho não é muito importante como determinante de distribuição de salários. Acredita que políticas educacionais (ou de treinamento) somente poderão contribuir para a igualdade da distribuição de salários quando postos em prática conjuntamente com políticas de distribuição de salários que sejam dirigidas a igualar salários de trabalhadores com baixo nível de escolaridade.

MFN : 00246

MEHEDFF, Nassim Gabriel. Trinta e cinco anos de esforço planejado de formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 7-46, jan./abr. 1981.

Procura demonstrar como o Senac vem abordando os problemas de formação profissional para a comércio e serviços, fazendo uma análise das condições em que tem operado durante os 35 anos de existência, em particular a história e estrutura do comércio brasileiro e o contexto educacional do País.

MFN : 00247

MENDES, Maria Emília Xavier; MACHADO, Antônio Luiz M. Hipper : um hipertexto para o Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 3, p. 179-197, set./dez. 1992.

Apresenta o Hipper 1 - Hipertexto Aplicado ao Processo de Ensino/Aprendizagem (versão 1)- hipertexto desenvolvido no Centro Experimental de Difusão da Informática/CEDI, do Departamento Nacional do Senac, tendo em vista dotar o Sistema de ferramenta própria para a construção de materiais educativos eletrônicos (hiperdocumentos) voltados para a formação profissional. Descreve as características principais do hipertexto e as motivações que levaram ao seu desenvolvimento.

MFN : 00248

MENDES, Maria Emília Xavier. Sistemas gerenciadores de bases de dados. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 34-45, maio/ago. 1993.

Apresenta os conceitos básicos sobre banco de dados e discorre sobre suas vantagens, utilizações no setor terciário e aplicações em instituições de formação profissional. Propõe alguns cenários de uso de bancos de dados no Sistema-Senac, que não se restringem, apenas, à formação profissional. Inclui, também, algumas observações sobre as tendências do mercado, na área de bancos de dados.

MFN : 00249

MENDES, Sônia Regina. Mudança tecnológica, formação para o mundo do trabalho e o planejamento da educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 27-35, maio/ago. 1995.

Comenta que, no Brasil, a necessidade de integração nos mercados internacionais sob novos padrões de organização, tem colocado a educação como um dos aspectos essenciais nesse processo. Nos discursos do governo e do empresariado, estaríamos diante de uma revificação da Teoria do Capital Humano. Não considera o impacto do avanço científico e tecnológico na força de trabalho, que traz também a exclusão de uma grande parte de trabalhadores. Analisa as concepções de políticas educacionais que aproximam os interesses do capital com os da classe trabalhadora.

MFN : 00250

MENEZES NETO, Antônio Júlio de. Educação, sindicalismo e novas tecnologias nos processos sociais agrários. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 34-43, set./dez. 1997. Inclui bibliografia.

Analisa e contextualiza o processo de modernização da produção agrícola no Brasil, levando em conta o atual momento em que novas tecnologias são incorporadas ao processo produtivo e faz uma análise, baseada nos congressos da CONTAG, da relação MSTR, com a educação e a formação profissional neste momento em que o conhecimento adquire importância decisiva.

MFN : 00251

MIRANDA, Rogério Garibalde. Sistema de automação escolar : SAE. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 169-80, set./dez. 1988.

Descreve o sistema de Automação Escolar - SAE, desenvolvido pelos Dr/RN e Dr/DF, juntamente com Senac/Dn. O Sistema permite um controle sistemático da produção escolar, com rapidez e segurança, sendo projetado de forma bastante flexível, simplificada e aberta, permitindo que cada departamento regional do Senac possa adaptá-lo à sua realidade.

MFN : 00252

MOACYR, Gustavo Bueno. Shopping Centers : atualidade brasileira da tecnologia mundial. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 43-49, maio/ago. 1997. Il.

Procura mostrar a evolução dos Shopping Centers no Brasil tanto em termos quantitativos quanto qualitativos. Destaca os aspectos considerados relevantes para a localização e implantação de um Shopping, a sua organização interna e as modalidades de negócios que gera, assim como os vários tipos existentes. Tece considerações sobre o emprego, as ocupações e o perfil do empregado. Quantitativamente apresenta valores de locação, de faturamento e de vendas, e também, a distribuição geográfica, o número de lojas e outros dados estatísticos.

MFN : 00253

MOACYR, Gustavo Bueno. Sistema de informações Senac : SIS. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 133-152, maio/ago. 1981.

Em 1975, o Senac passou a adotar, como procedimento de trabalho, o planejamento das suas atividades através do estabelecimento de metas, do controle e da avaliação dos resultados. A criação de um sistema de informações que servisse de suporte ao processo, em seus diversos níveis, surgiu, então, como decorrência natural. À Divisão de Estatística do Departamento Nacional coube a responsabilidade de coordenar e elaborar o desenvolvimento de um sistema de informações.

MFN : 00254

MORAES, A. de; SANTOS, V. C.; SOUZA, R. M. Ergonomia : fatores humanos na informática. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 225-42, set./dez. 1986.

A adaptação do trabalho ao homem é o objetivo geral da ergonomia. Deste prisma, pesquisas e estudos ergonômicos, desenvolvidos a partir dos anos 80 e centrados nas condições do usuário, buscam definir recomendações básicas para o projeto de telas, teclados, periféricos, mobiliários e condições ambientais adequados aos novos postos de trabalho gerados pelo desenvolvimento da informática. Discute a concepção de estações de trabalho da informática e indica soluções ergonômicas que, além de evitar danos e prejuízos para operadores de terminais de vídeo, promovem o incremento da produtividade.

MFN : 00255

MULTI-emprego Senac : uma experiência de orientação e colocação profissional, Dr/SP. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 303-371, set./dez. 1980.

A Unidade Especializada em Orientação e Colocação Profissional gerou a criação da Multi-Emprego Senac. O artigo revela em linhas gerais a ação da Unidade, que é: reforçar na prática todo o processo de Orientação para o Trabalho, Colocação e Valorização Sócio-Profissional; dar prioridade, dentro do programa de Orientação para o Trabalho, aos candidatos que vão ingressar de imediato no mercado de trabalho; ampliar o acervo de material do Centro de Informações sobre o Trabalho, principalmente no que se refere aos depoimentos de informações sobre o trabalho; e etc.

MFN : 00256

NOGUEIRA, Mirian G. Experiência de trabalho em uma equipe interdisciplinar no Senac no Rio de Janeiro. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 173-197, maio/ago. 1977.

Mostra as possibilidades de aplicação do desenvolvimento organizacional na escola, abrindo uma perspectiva para uma solução mais ampla e abrangente aos problemas escolares, partindo dos três principais fatores componentes do desenvolvimento organizacional quais sejam: pessoal, grupal e institucional.

MFN : 00257

NOGUEIRA, Rosa Maria Estêves. Liberdade sindical : a CLT e a convenção n. 87 da OIT. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 207-222, set./dez. 1989.

A CLT rege as relações profissionais no país há quase meio século, e a vigência da nova Constituição a torna inadequada à realidade social brasileira contemporânea. Procura demonstrar que a nossa plena democracia sindical está ainda por ser construída, propondo como primeiro passo que o Brasil ratifique, ainda que tardiamente, aquela convenção.

MFN : 00258

NOGUEIRA, Rosa Maria Estêves. Sistema integrado de planejamento : uma proposta de modelo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3, p. 153-67, set./dez. 1988.

Reflete sobre a participação no processo de planejamento das organizações. Relaciona as principais características, premissas, finalidades e requisitos de um sistema integrado de planejamento,

MFN : 00259

NOGUEIRA, Rosa Maria Esteves. Teoria das restrições : um novo paradigma para gerenciamento da empresa. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 139-153, maio/ago. 1992.

A busca do aumento da vantagem competitiva das empresas tem levado à formulação e aplicação de filosofias, métodos e técnicas de gerenciamento empresarial, entre os quais o "Gerenciamento da Qualidade Total" (Total Quality Management-TQM)e o "Just-in-Time". Mais recentemente foi formulada nova abordagem, a "Teoria das Restrições" (Theory of Constraints-TOC), que se diferencia das filosofias anteriores, notadamente no que diz respeito à sua abrangência. A aplicação da TOC não se restringe apenas à área de produção, abrange toda a organização, podendo ser aplicada a qualquer um de seus tipos.

MFN : 00260

NOVAES, Paulo. Economia e os recursos humanos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 175-182, set./dez. 1975.

Acredita que o maior problema na área do trabalho é a qualidade das ocupações, demonstra que a existência de boas ocupações está ligada à natureza das instituições, as quais definem a estrutura social. Verifica que a correção dos erros ou defeitos devem atingir a estrutura e procura dar um exemplo de como as instituições definem a qualidade do trabalho. Faz uma distinção entre trabalho livre e servil. Afirma ser necessário a existência de um cenário, no qual predomine a autonomia local, podendo servir de base a uma teoria econômica capaz de tratar adequadamente os problemas de recursos humanos.

MFN : 00261

OLIVEIRA, José Feliciano C. de. Processamento de imagens em escritórios. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 39-45, maio/ago. 1995.

Desde o surgimento dos computadores, o volume de papel gerado diariamente tem aumentado, ao contrario das previsões do "escritório sem papel". A tecnologia de Processamento de Imagens em Escritórios começou a se tornar viável somente em meados da década de 80, devido ao surgimento das tecnologias óticas de armazenamento. Hoje já se pode numerar uma série de benefícios concretos, apesar de existirem ainda alguns problemas. Como toda nova tecnologia, é necessário que sejam conhecidos quais os requisitos básicos para sua implementação.

MFN : 00262

OLIVEIRA, Maria Celina Bacelar de. Histórico da Delegacia Executiva do Senac no Amapá. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, p. 63-72, jan./abr. 1985.

Apresenta os trabalhos realizados na primeira década de existência do Dr/AP. Traz os dados das atividades, das diretrizes e metas traçadas ao longo da existência do regional.

MFN : 00263

OLIVEIRA, Tito Carvalho Dias de. Fóruns de debates Dn/Ddrr : uma nova forma de atuação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 3, p. 277-285, set./dez. 1978.

Foi constatado que apenas alguns Departamentos Regionais executavam, efetivamente, atividades inerentes ao Programa Articulação Senac Empresa. A partir daí a equipe coordenadora do Programa concluiu que deveria desenvolver, de imediato, um trabalho de sensibilização das Direções Regionais, conscientizando-as sobre a importância das relações com a comunidade empresarial. Para agilização desse trabalho, optou-se pela realização de Fóruns de Debates, visando reunir empresários e técnicos encarregados da direção do Programa nos diversos Departamentos Regionais do Senac.

MFN : 00264

OLIVEIRA, Tito Carvalho Dias de. Projeto Tiradentes : um modelo alternativo para formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n .3, p. 289-302, set./dez. 1980.

Objetiva estudar as possibilidades que os países latino-americanos possuem em reordenar e vitalizar os centros urbanos de pequeno tamanho no sentido de dotá-los de um leque de serviços a oportunidades de trabalho e emprego capazes de reter suas populações, evitando-se assim fluxos migratórios em direção aos grandes centros urbanos em busca de trabalho. Aborda as atividades desenvolvidas pelo Projeto.

MFN : 00265

OMENA, Tânia Guimarães. Espaço pedagógico e o ensino do turismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 151-160, set./dez. 1987.

O sistema educacional estabelecido – escolar e formal – não satisfaz mais às necessidades da sociedade moderna. Tal questão torna-se particularmente notável no setor de turismo. Analisa e discute o problema da formação de recursos humanos para o turismo em nível da instituição formadora, da empresa, do governo, do indivíduo e do próprio fenômeno turístico.

MFN : 00266

OMENA, Tânia Guimarães. Procura do equilíbrio do mercado turístico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 29-39, jan./abr. 1989.

Aborda questões relacionadas à correta instauração do turismo nos vários espaços geográficos. Mostra as diferentes relações entre oferta e demanda e a limitação do conceito de turismo como fenômeno. Descreve as relações entre seus componentes, analisa aspectos da planificação no turismo e discorre sobre a necessidade de integração dos diversos participantes da atividade turística.

MFN : 00267

PAINEL do Senac : 1946-1980. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 273-403, set./dez. 1981.

Documento que reúne informações básicas e comuns a todos os Departamentos e Delegacias do Senac, desde a sua fundação, em 1946, até o ano de 1980, data em que a Entidade comemorou o 35o aniversário. Apresenta um painel retrospectivo da ação do Senac, com informações úteis e necessárias àqueles que se interessam pelo tema Educação/Formação Profissional no Brasil.

MFN : 00268

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de. CIPRO : atuação articulada com os instrutores das unidades móveis. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 143-147, set./dez. 1975.

Considerando que o instrutor responsável pelas Unidades Móveis não só ministra, mas também administra os programas, torna-se necessário um cuidado todo especial no seu treinamento. Sua atuação diz respeito muito de perto às atividades específicas do CIPRO, ou seja, a divulgação e a informação profissional, e exige uma permanente articulação com o mesmo. Ao responsabilizarem-se pelo recrutamento, seleção e acompanhamento da clientela, os instrutores deverão receber treinamento específico.

MFN : 00269

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de. Informação profissional : durante a vigência do 1o PNAS. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 41-55, jan./abr. 1980.

Apresenta os resultados obtidos pelos Departamentos Regionais, no que diz respeito à informação profissional, durante a vigência do I PNAS, chamando atenção especial na atuação do Programa e as atividades realizadas em articulação com a comunidade. Nesse sentido, dois aspectos promovem uma aproximação maior Senac/Comunidade, e o atendimento as solicitações que diariamente chegam aos serviços de informação por parte de colégios, serviços afins, da clientela em potencial, etc. Os dados levantados são insuficientes para mostrar a atuação da informação profissional.

MFN : 00270

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de; MOREIRA, Maria T. Desenvolvimento da orientação para o trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 31-53, jan./abr. 1986.

Caracterizava-se, a princípio, por uma ação centrada no orientador, e mais tarde, no orientando. A Orientação Para o Trabalho tem como enfoque básico de sua atuação a análise e o conhecimento do contexto, dentro desse contexto, o comportamento da relação homem/trabalho.

MFN : 00271

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de. Orientação educacional e profissional no SENAC. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 47-72, jan./abr. 1981.

Faz um retrospecto do desempenho dos Serviços de Orientação Educacional e Profissional em três décadas. Trabalho dividido em três fases: a orientação educacional e profissional (1948 a 1976); a informação profissional (176/1981); e as perspectivas futuras. Essas fases, entretanto, não permanecem estanques, mas interligaram-se por etapas que se caracterizaram por atendimentos específicos, o que permite apreciar a evolução desses serviços e a melhor compreensão e avaliação dos resultados alcançados.

MFN : 00272

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de. Orientação para o trabalho no atendimento aos jovens. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 3, p. 211-224, set./dez. 1986.

Os jovens constituem em todas as sociedades um dos grupos mais expostos aos graves problemas do mundo atual, principalmente em países com economia em desenvolvimento. A situação atual do jovem no Brasil é enfocada do ponto de vista educacional e do relacionamento jovem/trabalho. Dessa análise resultam reflexões acerca da formação profissional e propostas de atendimento ligadas diretamente à orientação para o trabalho.

MFN : 00273

PAIVA MUNIZ, Maria José Tavares de. Participação dos instrutores no processo de informação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 157-167, maio/ago. 1980.

O trabalho de informação caracteriza-se como integrado e interdisciplinar. A partir desse enfoque, a participação do instrutor como agente multiplicador da informação profissional torna-se imprescindível em todas as etapas do processo de formação profissional. Tendo em vista que essa colaboração geral é prestada de forma assistemática, torna-se urgente conscientizar os mesmos sobre a importância do seu papel, criando condições para que possam exercê-lo e normatizando a participação do instrutor na informação profissional.

MFN : 00274

PAIVA, Maria das Graças de M. P. Análise alternativa dos recursos humanos em turismo : o caso nordestino. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 69-79, jan./abr. 1989.

Aborda o real incremento da atividade turística no Nordeste do país, apontando a ausência de modificações no quadro social da região. Defende concepção mais humanizada para o desenvolvimento do turismo para atender às necessidades básicas das populações de baixa renda. Dentre os problemas enfrentados pelo turismo, escolhe para análise a questão do treinamento e desenvolvimento de recursos humanos.

MFN : 00275

PASQUAL, Ademir. Concepção e experiência de planejamento do DR/PR. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 187-197, maio/ago. 1978.

Distingue dois momentos de planejamento: o estratégico, que compreende o estabelecimento de linhas básicas e gerais de ação num prazo relativamente longo, e o tático que é a definição do que se vai realizar, a curto prazo. O planejamento das atividades torna possível o acompanhamento, controle e avaliação permanente dos resultados. Por outro lado, fornece os elementos necessários para realimentação do processo, ajustando o curso da ação aos programas e metas traçadas, reformulando o planejamento inicial, de acordo com as novas realidades.

MFN : 00276

PAULA, Germano Mendes de. Programas de reconversão da mão-de-obra : o caso da siderurgia mundial. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 10-21, set./dez. 1995. Inclui bibliografia.

Apresenta alguns programas de reconversão ocupacional desenvolvidos na indústria siderúrgica mundial e brasileira para tratar do importante problema da redução drástica do volume de emprego. Estes programas geralmente apontam em duas direções: o retreinamento com vistas à recolocação em atividades industriais e o incentivo para criação de pequenos negócios. Enquanto na Europa, a ênfase foi para o retreinamento no Brasil, os programas de demissão incentivada podem ser considerados um estímulo para a criação do próprio negócio.

MFN : 00277

PEREIRA, Arlete Muniz; CORREA, Suzana Barros. Documentação : uma abordagem teórica e sua aplicação no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 3, p. 175-186, set./dez. 1984.

Os principais objetivos de análise desse artigo são a abordagem teórica da documentação enquanto ciência e o estudo de sua práxis. Estudo este elaborado através da descrição detalhada da Seção de Comunicação Técnica - SCT - do Departamento Nacional do Senac, definindo finalidades, atividades, serviços prestados e usuários da referida seção. Logo, esse histórico pretende apenas situar o assunto sob o ponto de vista temporal. Para tanto, são enfocados os dados mais significativos que no decorrer dos tempos contribuíram para o desenvolvimento da documentação.

MFN : 00278

PEREIRA, Arlinda de Araújo. Estudo avaliativo de um programa de desenvolvimento de comunidade : resumo de uma experiência. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 87-108, jan./abr. 1986.

Objetiva avaliar um programa de desenvolvimento de comunidade realizada pela Ação Comunitaria do Brasil-RJ (ACB), na chácara de Del Castilho, município do Rio de Janeiro. Tratando-se de um programa dirigido às camadas populares, buscou-se encontrar o significado da ação educativa numa perspectiva de educação popular que estabelece, como preocupação fundamental, o compromisso que deve haver nesses programas com o atendimento dos interesses das camadas populares.

MFN : 00279

PEREIRA, Delcio Rodrigues. Ensino por correspondência : uma solução para problemas educacionais. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 2, p. 149-163, set./dez. 1975.

Demonstra que um dos primeiros argumentos contrários ao ensino por correspondência é o distanciamento físico professor-aluno. A presença física do professor é considerada, nos moldes tradicionais da educação, como imprescindível. Mas o instrumento é apenas um estimulador da aprendizagem, cujo processo é levado a cabo muito mais pelo próprio estudante; portanto, a distância não é obstáculo a sua concretização. O artigo aborda os fatores de credibilidade muito importantes que são apresentados no ensino por correspondência.

MFN : 00280

PEREIRA, Glaucio Chaves. Articulação Senac-empresa: experiência vivida no departamento regional na Paraíba. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v.4, n.3, p. 323-30, set./dez.1978.

Demonstra a experiência do Senac da Paraíba, no tocante à articulação Senac-Empresa. Apresenta, ainda, o resultado de um projeto onde foram fixadas responsabilidades e divididos encargos, que assim se situaram. A Associação Comercial da Paraíba tomaria a si o encargo de promover a adesão das empresas; A Universidade Federal da Paraíba colocaria à disposição do programa, egressos de cursos de graduação, sob condição de estagiários, com supervisão e alunos dos cursos de pós-graduação; O Senac promoveria seminários, palestras, cursos, conferências e encontros voltados a classe empresarial.

MFN : 00281

PEREIRA, Hilton Gomes; ALMEIDA, Norma Dilma dos Reis. Algumas considerações sobre currículos, escolaridade e profissionalização no Estado de Rondônia. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 29-36, jan./abr. 1984.

Procura demonstrar que o Senac, pela sua experiência em Rondônia, vivencia diariamente a prática da formação profissional com os mais diversos níveis de escolaridade da clientela. Apresenta o documento como reflexão ao grupo de técnicos que se propõe a criar uma proposta curricular básica para Rondônia, além de dar algumas sugestões que poderão servir de luz para educadores que se preocupam com a formação profissional. Propõe maior aprofundamento no estudo da língua portuguesa; maior domínio e fixação em matemática; definição da preparação para o trabalho; e profissionalização do professor.

MFN : 00282

PIAZZI, Pierluigi. Informática, educação e profissionalização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 119-127, maio/ago. 1985.

O advento de uma nova fase no desenvolvimento humano mostra que é chegada a hora de soluções criativas, inteligentes e livres de preconceitos, tanto na informática, quanto na educação e profissionalização.

MFN : 00283

PLANIFICAÇÃO e organização da formação profissional feminina. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 71-96, maio/ago. 1978.

Demonstra a ausência de prioridade, na política institucional, quanto à formação profissional feminina. Evidencia, pelas análises efetuadas, que existe uma relevância da participação feminina nos programas de formação profissional. Examina, assim, outros fatores que incidem negativamente no acesso de mulheres a capacitação.

MFN : 00284

PLANTAMURA, Vitangelo. Questão do trabalho no Senac e a compreensão de mundo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 22-35, jan./abr. 1995.

 

Apresenta uma retrospectiva teórica dos conceitos que embasaram a formação profissional e analisa o processo de construção de uma nova pedagogia do Senac baseada no "aprender a aprender". Postula-se a importância de perseguir uma concepção de trabalho intimamente ligada ao homem e à sociedade. O referencial usado apóia-se na teoria de Gramsci, não só na concepção de trabalho, bem como nas idéias de "senso comum" e "bom senso", entendidas como ponto de partida de um processo educacional que leve à compreensão de mundo.

MFN : 00285

PLANTAMURA, Vitangelo. Relação educação-trabalho e a organização da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 22-33, maio/ago. 1993.

Reproduz um projeto de pesquisa, apresentado em um curso de especialização - o curso de pós-graduação "Latu Sensu" em Educação e Trabalho, realizado pelo Senac/AM em convênio com a Universidade do Amazonas, que aponta a necessidade de reorganizar a formação profissional não só como resposta às necessidades do mercado de trabalho e às tecnologias contemporâneas, mas também em função das necessidades, aspirações e experiências do trabalhador.

MFN : 00286

PORTO, Cláudio. Introdução ao planejamento estratégico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 3-9, maio/ago. 1998. Inclui bibliografia.

Em face à aceleração das mudanças tecnológicas e da globalização, organizações lucrativas e não-lucrativas têm incorporado o planejamento estratégico aos seus processos de gestão. O ponto focal da estratégia – a formulação da missão e da visão – leva as organizações a definirem seus objetivos de longo prazo e a alcançá-los. Trata de algumas questões centrais do conceito de plano estratégico, assim como da complexidade e da incerteza que lhe são inerentes.

MFN : 00287

PRONKO, Marcela Alejandra. Disputa entre capital e trabalho na concepção e na formulação de políticas de formação técnico-profissional no Brasil : uma aproximação histórica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 11, p. 18-25, maio/ago. 1998. Inclui bibliografia.

Tenta historicizar as diferentes concepções valorativas do trabalho no Brasil nos últimos dois séculos, e suas conseqüências na concepção e formulação de políticas de formação técnica e profissional, tanto na ótica do capital, quanto na ótica do trabalho. Destaca o fato de que, apesar das concepções de trabalho e de formação técnica geradas pelo capital terem sido hegemônicas no Brasil, durante esse período, elas não foram monolíticas e absolutas, devendo confrontar-se no campo ideológico com propostas e concepções divergentes vindas de setores minoritários do próprio capital e do trabalho.

MFN : 00288

PRONKO, Marcela Alejandra. Formação profissional : os (des)caminhos da democratização educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3,set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

Desenvolve uma breve reflexão sobre a complexa questão da formação profissional na atualidade. Nossa intenção é, inicialmente, sublinhar a multidimensionalidade que a atravessa, através da consideração de alguns exemplos históricos para, posteriormente, concentrar nossa atenção em algumas considerações gerais, certamente polêmicas, no intuito de contribuir, assim, para o debate mais geral sobre o tema. Referimo-nos à historicamente conflitiva relação entre o ensino profissional e ensino geral, e as conseqüências aparentes e profundas da redefinição dessa relação nos dias de hoje, em face das mudanças tecnológicas e organizacionais introduzidas no processo produtivo.

MFN : 00289

QUEIROZ, Delcele Mascarenhas. Qualificação e educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 26-32, jan./abr. 1994.

A tese da desqualificação do trabalho moderno e da desapropriação do saber do trabalhador pela moderna organização do trabalho, tem sido um elemento chave na teorização de um importante setor entre os estudiosos da relação trabalho e educação. No entanto, é bastante amplo o debate em torno das conseqüências da modernização sobre o trabalho humano. Esse debate tem sido acirrado pela emergência das novas tecnologias de produção, e das novas formas de organização do trabalho, apontando para outros modos de compreender a questão da qualificação.

MFN : 00290

RACHID, Cora Bastos de Freitas. Preparação para o trabalho no ensino de 1o grau. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 47-62, jan./abr. 1984.

Analisa as diferentes variáveis intervenientes no sistema de ensino e no processo ensino-aprendizagem permitindo a configuração de modelos suficientes flexíveis e exeqüíveis em diferentes circunstâncias. Considera que: a preparação para o trabalho é uma das dimensões do objetivo geral do ensino de 1o grau; a Recomendação n. 150 da OIT (1975), estabelece que conjuntamente, a orientação e a formação profissional têm por objetivo descobrir e desenvolver as aptidões individuais; que a terminalidade real, para muitos jovens, ocorrem em série anterior à 8a ; etc.

MFN : 00291

RAMOS, Edla M. Faust; MENDONÇA, Nelcy D. de Araújo. Software geoplano : uma proposta no ensino de matemática. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 263-276, set./dez. 1990.

O ensino da matemática carece de materiais adequados para a construção dos conceitos e idéias relacionados, considerados normalmente complexos. O computador possibilita a construção desses materiais matemáticos, e uma proposta é o software Geoplano. O documento descreve o projeto Geoplano que se destina a subsidiar o processo ensino-aprendizagem no cálculo de áreas e perímetros de figuras planas.

MFN : 00292

RECRUTAMENTO de candidatos às programações do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 251-262, maio/ago. 1977.

Revela os dois aspectos que marcam o recrutamento de clientela na entidade; a divulgação institucional, que atende às atividades promocionais, de divulgação da entidade e das oportunidades de formação profissional existentes e a informação profissional, a qual apresenta os requisitos básicos exigidos dos candidatos, as características da programação e da ocupação correspondente.N : 00293

REFOLIO, Paloma; MAZUELAS, Almudenda. Hacia un sistema multimedia de formación ocupacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 16-27, set./dez. 1998. Inclui bibliografia.

A partir da experiência do INEM em matéria de formação a distância com tecnologias multimídia, propõe uma linha de trabalho que permita aprofundar o desenho de material didático autoinstrucional, oferecendo um modelo de formação aberta baseado na sistemática do desenvolvimento dos conteúdos a partir de um catálogo de estratégias didáticas. Pretende também um plano de trabalho que permita alcançar as metas parciais necessárias para implantar todo o sistema: o modelo de formação, as ferramentas de autor, gestor, professor e aluno e, por último, o funcionamento dinâmico do sistema em si através de uma unidade "webmaster".

MFN : 00294

RÉGNIER NETTO, Roberto Carlos. Novos rumos para a informação e orientação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 319-328, set./dez. 1979.

Considera que a evolução das técnicas de informação profissional vem a ser uma complementação e um aperfeiçoamento da orientação profissional. As diretrizes nacionais de informação e orientação profissional estabelecem que estas devam se apresentar como parte de um todo que é o Sistema Nacional de Formação de Mão-de-obra. Dentro desse contexto, o candidato ao curso de formação profissional terá oportunidade, inicialmente, de saber o que o mercado de trabalho e as escolas profissionalizantes lhes oferecem.

MFN : 00295

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Cadastramento e recrutamento de clientela para os cursos de formação profissional : experiência Senac/Brasília. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 155-160, maio/ago. 1977.

Demonstra como se processa o cadastramento e recrutamento da clientela que procura o Senac/Brasília em busca de uma formação profissional que a habilite a ingressar no mercado de trabalho em igual condição com os que lá já se encontram.

MFN : 00296

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Desafios da educação para o terceiro milênio : breves considerações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 23-43, jan./abr. 1991.

Historicamente, a ênfase do processo educativo e profissionalizante recaiu sempre no simples adestramento intelectual e motor capaz de instrumentalizar o indivíduo para ser útil à sociedade. No entanto, a incapacidade do intelecto bem desenvolvido de resolver os problemas cruciais de nosso tempo, não nos deixa outra saída senão uma reação a essa posição extrema, que se traduz pela busca de uma proposta educativa que valorize, também, o desenvolvimento intuitivo capaz de levar a um novo conhecer.

MFN : 00297

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Educação ambiental : ponte para o amanhã. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 2-7, set./dez. 1996. Inclui bibliografia.

Tece algumas considerações sobre as graves conseqüências, para as gerações futuras, da ação predatória do homem sobre a natureza e o meio ambiente, cuja intensidade se agravou no decorrer do século XX. Evidencia a importância, para o mundo contemporâneo, do Programa de Educação Ambiental, criado pela ONU, como um instrumento de denúncia e conscientização capaz de contribuir para que nossa era possa se redimir do estigma de uma civilização que aprendeu a devorar tudo que constitui fonte de vida e de energia.

MFN : 00298

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Educação/formação profissional : para além dos novos paradigmas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 1, p. 2-13, jan./abr. 1995.

Procura ressaltar o que emerge como imperativo histórico no âmbito dos sistemas educativos e profissionalizantes; e o pensar de um projeto pedagógico que, partindo das conquistas obtidas com base nos novos paradigmas, transcenda os limites da objetividade, da racionalidade e da cumplicidade política ainda fortemente presente, nas modernas concepções de educação/profissionalização.

MFN : 00299

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Formação profissional e a integração do deficiente na sociedade. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 67-71, maio/ago. 1982.

Demonstra que os esforços e providências do Senac no campo da profissionalização da pessoa deficiente, tem sido no sentido de eliminar os aspectos restritivos e segregacionistas. Toda a ação da instituição no campo da profissionalização do deficiente tem se caracterizado pelo atendimento em suas programações normais de formação profissional. Alguns Departamentos Regionais já vem, desde 1978, desenvolvendo varias programações, quase sempre em convênios com outras entidades e/ou instituições especializadas.

MFN : 00300

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Lei 7.044 e a preparação para o trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 75-81, maio/ago. 1983.

Demonstra que a preparação para o trabalho não deve ser vista como um novo programa a ser incluído no currículo do ensino de 1o e 2o graus, mas, sim, como proposta de mudança do enfoque filosófico e sociológico da educação. Conclui que é possível que se incorra na ilusão de que as condições para a efetiva mudança desse quadro estejam sendo dadas pela Lei 7.044 quando, na verdade, podem ainda estar bem distantes. Entretanto, mesmo correndo este risco, convém acreditar que está ao nosso alcance propor medidas que favoreçam as modificações necessárias a implantação de um sistema educativo.

MFN : 00301

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Senac : anos 80; perspectivas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 125-138, set./dez. 1982.

Objetiva levantar questões que favoreçam o aprofundamento das discussões em torno do papel reservado aos organismos de formação profissional do país. Não poderia ser outra a contribuição já que a estrutura político-organizacional de entidades como o Senac, não deverá sofrer mudanças estruturais radicais em que pese sua vinculação ao Sistema Nacional de Formação de Mão-de-obra e o fato de os novos desafios, oriundos das mudanças sociais, políticas e econômicas que o processo de desenvolvimento vem submetendo a Nação, continuarem refletindo necessariamente no campo de atuação do Senac.

MFN : 00302

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Senac e a cooperação técnica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 153-162, maio/ago. 1986.

A partir da década de 70 o Senac passou a ter participação mais efetiva e sistematizada em programas de cooperação técnica, tanto em plano nacional quanto em plano internacional. A cooperação se revela importante instrumento na promoção do desenvolvimento econômico e social dos países em desenvolvimento, na medida em que favorece o intercâmbio de experiências, a difusão de novas tecnologias, e a melhoria do nível de qualificação dos recursos humanos do país. Atualmente, a cooperação técnica, além de sua relevância política, constitui para o Senac importante mecanismo para a abertura de novos caminhos de ação conjunta e para a superação de suas próprias dificuldades econômicas e tecnológicas no campo da formação profissional

MFN : 00303

RÉGNIER, Erna Martha von Dolinger. Trabalho na pedagogia de Freinet. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 5-14, jan./abr. 1986.

Tem como propósito incursionar no pensamento pedagógico de Freinet, expresso em sua obra ‘A educação pelo trabalho", privilegiando o processo através do qual, o autor elaborou seu conceito de trabalho, categoria esta que significa a base de toda sua visão de educação

MFN : 00304

RÉGNIER, Karla von Dolinger. Alguns elementos sobre a racionalidade dos modelos taylorista, fordista e toyotista. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 2, p. 35-41, maio/ago. 1997. Il. Inclui bibliografia.

Discute o desenvolvimento dos modelos produtivos taylorista, fordista e toyotista como formações históricas determinadas, que articulam de diferentes modos os processos produtivos e as relações sociais, definindo padrões de racionalidade específicos. Ressalta as características básicas constitutivas desses modelos, suas semelhanças e suas diferenças.

MFN : 00305

RÉGNIER, Karla von Dolinger. Educação, trabalho e emprego numa perspectiva global. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 2-11, jan./abr. 1997.

Trata das origens dos processos de globalização econômica as suas conseqüências, entre elas o desemprego, passando pela reformulação dos modos de produção, entendendo aí o surgimento de novas formas que assume o trabalho. O artigo procura refletir sobre os desafios que enfrentam a educação e a formação profissional, assim como a cidadania, na construção do mundo que se quer.

MFN : 00306

REIS, Cibele dos Santos. Avaliação na formação profissional : prática autoritária ou função diagnosticadora? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 21-5, jan./abr. 1988.

Apresenta considerações críticas sobre a fundamentação teórica da prática avaliativa do ensino-aprendizagem na formação profissional. Critica elementos que estimulam uma interação indagadora do que ainda é preciso mudar. Sugere um posicionamento dos que práticam a avaliação como orientação para incessante diagnose e ações imediatas.

MFN : 00307

REIS, Vânia Prata Ferreira. Perfil da empregabilidade : o desafio do autodesenvolvimento. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 1, p. 26-33, jan./abr. 1998. Inclui bibliografia.

O cenário de transformações que estão ocorrendo em nosso mundo contemporâneo, em especial no âmbito do emprego e do trabalho, está a exigir posturas pessoais e profissionais diferentes das que temos vivido ate o momento. Qual o perfil profissional necessário e que maneiras temos para atingir esse perfil são as questões discutidas.

MFN : 00308

RIBEIRO, Adelia Maria Miglievich. Anotações acerca da especialização flexível e o caso brasileiro. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 18-25, jan./abr. 1996. Inclui bibliografia.

Com base na bibliografia internacional e nacional contemporânea, o artigo aponta para as principais características do modelo de especialização flexível derivadas da falência do modelo fordista e conseqüente reestruturação produtiva; leia-se, introdução de novas tecnologias, novos padrões organizacionais da empresa, novas competências do trabalhador e uma inédita relação entre as empresas. Aborda-se, também, a ambivalência da especialização flexível em termos de reais benefícios para a classe trabalhadora, com foco especial no contexto brasileiro.

MFN : 00309

RIBEIRO, América Alves; FERRÃO, Maria Elena. Núcleo de valorização humana e orientação para o trabalho. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 167-172, set./dez. 1983.

Relata uma proposta de experiência-piloto elaborada pela Unidade de Programação e Supervisão do DR/Rio Grande do Sul, visando o atendimento a grupos populacionais que atuam no setor informal da economia. Apresenta os objetivos gerais e específicos do projeto; define a área de atuação e caracterização da clientela; descreve as atividades propostas subordinadas em sondagem da comunidade, programações e postos de atendimento de orientação para o trabalho e especifica os recursos humanos necessários.

MFN : 00310

RIBEIRO, América Alves. Formação profissional : qualificação de mão-de-obra ou preparação de recursos humanos? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 55-63, jan./abr. 1986.

Discute a atribuição de significados para as expressões "qualificação de mão-de-obra" e "preparação de recursos humanos". Destaca que as diversas considerações têm a intenção de levar ao centro da questão que se deseja atingir: o problema da formação profissional e seu entendimento. Trata, dentre outros pontos, de: dimensões do trabalho e seu espaço na formação profissional, do homem sujeito do trabalho e da formação profissional e do desenvolvimento da atitude crítica

MFN : 00311

RIBEIRO, América Alves. Orientação para o trabalho na preparação para o trabalho, o espaço definitivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 37-46, jan./abr. 1984.

Apresenta as definições do Programa, em nível nacional, traçada para o Departamento Regional no Rio Grande do Sul, a linha filosófica, as linhas de atuação e os tipos gerais de atividades a serem desenvolvidas em suas programações. Num primeiro momento, ressalta as tonalidades e características Senac neste trabalho. Numa reflexão posterior, entretanto, verifica que, sendo os mesmos princípios e objetivos finais da orientação para o trabalho, basta uma reinterpretação critérios a que promova a adequação as peculiaridades de cada realidade.

MFN : 00312

RIBEIRO, Antonia Maria C.; MACHADO, Elisa Marina do N. Por uma nova proposta de capacitação de professores/instrutores de educação tecnológica, através da teleducação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 18, n. 1, p. 3-17, jan./abr. 1992. Inclui bibliografia.

A teleducação no Brasil vem sendo subutilizada como alternativa educacional capaz de contribuir tanto para uma maior democratização das oportunidades de acesso da população aos serviços de educação geral e de formação profissional, como também para ampliar programas sistemáticos de capacitação de professores/instrutores. Levantam algumas indagações sobre possíveis causas para a subutilização da educação a distância no Brasil e indicam alguns caminhos para potencializar sua adoção, especialmente na área de formação profissional e de capacitação de instrutores desse serviço.

MFN : 00313

RIBEIRO, Victoria M. Brant. Planejamento de ensino numa visão crítica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 255-267, set./dez. 1991.

Recoloca o tradicional esquema de planejamento de ensino numa perspectiva que articula as etapas à realidade para a qual o planejamento está sendo realizado. Situando, portanto, o planejamento numa visão crítica, busca-se a origem da idéia de planejamento na sociedade contemporânea, enquanto forma de organizar e/ou administrar as formações sociais. A partir dessa concepção ampla, aponta como a educação passa a fazer parte desses planos globais, influenciando a maneira de se planejar o ensino.

MFN : 00314

ROBALINHO, Neuza; BRITO, Antônio Olinto Lassance. Laboratório de currículos e metodologias : uma experiência de ensino a distância. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n.1, p. 45-68, jan./abr. 1979.

Na linha da desformalização do ensino e na implementação de alternativas inovadoras, o Senac vem acentuando o ritmo imprimido à teleducação. Na experiência relatada, o curso de Auxiliar de Escritório a Distância, encontrou ponderável receptividade por parte dos usuários interessados na participação em programas não convencionais. Tanto o curso como a metodologia atingiram plenamente seus objetivos. Não só o nível pedagógico como os resultados obtidos pelos alunos nas diversas fases de avaliação e ao final do curso incentivaram o prosseguimento da aplicação desta técnica de ensino.

MFN : 00315

ROBALINHO, Neuza. Da necessidade de desescolarizar a formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 181-188, jan./abr. 1975.

Demonstra a necessidade de "desescolarizar" o sistema de formação profissional, dando-lhe maior proximidade com a realidade do mercado de trabalho, dentro de um dimensionamento bem mais amplo que o vigente no contexto atual. Explica que não é possível fazer funcionar, de imediato, o processo de desescolarização na plenitude de sua forma, desvinculada totalmente do esquema de estruturação das programações ainda em vigência no Sistema de Formação Profissional. Para que essa forma seja atingida é aconselhável, do ponto de vista científico, que não se efetuem as mudanças comportamentais no Sistema.

MFN : 00316

ROBALINHO, Neuza. Ensino baseado em competência : aplicação no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 251-267, set./dez. 1979.

O ensino baseado em competência exige dos alunos e dos professores total modificação de comportamentos em relação aos já instalados e referentes ao ensino convencional. É uma mudança de mentalidade; de ver, de sentir e de agir dentro do processo ensino-aprendizagem. Relata sua implantação no Centro de Auto-Instrução, do CEDEP de Campinas. Envolve a introdução de ensino individualizado em programas de formação profissional, além de representar a solução para o problema da antiga biblioteca, significando uma nova alternativa para a realização de atividades de desenvolvimento profissional.

MFN : 00317

ROBALINHO, Neuza. Notas sobre ensino individualizado. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 3-26, jan./abr. 1978.

Demonstra que a necessidade de instrução individualizada é, no momento, reconhecida em todo o mundo em virtude da sempre crescente demanda da educação e do permanente déficit de professores. Descreve os vários métodos utilizados no ensino individualizado, tais como: módulos instrucionais; estudo dirigido; mapeamento de informações/bloco instrucional; coleção básica Cinterfor; instrução programada; textos encadeados; programa linear modificado; programa linear sublineares; programa linear com "quadros critérios"; programação intrínseca ou ramificada; instrução por correspondência; etc.

MFN : 00318

ROBALINHO, Neuza. Proposta de paradigma de avaliação sistêmica de programações de formação profissional no setor terciário, numa abordagem da análise ocupacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 101-130, maio/ago. 1984.

Propõe um programa de avaliação sistêmica de programações de formação profissional no setor terciário, numa abordagem da análise ocupacional, que possibilite o controle da adequação destas programações à sua capacidade em gerar o produto configurado no homem qualificado para o mercado de trabalho e, em decorrência, integrado socialmente. Demonstra que a formulação do referido paradigma, gerado através da modalidade de pesquisa classificada como descritiva, estabelece uma relação de pertinência com o pressuposto como descritiva.

MFN : 00319

ROBALINHO, Neuza; SALGADO, Edmée Nunes; HADEL, Dinah Fineberg. Sistema modular na formação profissional do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 3, p. 211-222, set./dez. 1981.

Objetiva fornecer subsídios técnicos que permitam ao Senac uma tomada de posição quanto à adoção do Sistema Modular de Formação Profissional; oferecer, para análise de corpo técnico, às diferentes abordagens que envolvem os conceitos de módulo e modulação; encontrar conceitos e definições generalizáveis as diferentes realidades de trabalho dos DDRR; buscar linguagens comuns que facilitem a comunicação técnica e o intercâmbio de experiência da Instituição. Afirma que a implantação do sistema em âmbito nacional, só será viável através do trabalho participativo e integrado DN/DDRR.

MFN : 00320

ROBALINHO, Neuza. Sistema modular na formação profissional : notas para um estudo comparativo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 5-16, jan./abr. 1983.

Objetiva identificar a coerência da linha adotada pelo Senac em face das que norteiam as demais entidades de formação profissional, uma vez que, em 1982, o Senac se lança a implementação do sistema modular. Os dados levantados em torno das variáveis permitem não só um estudo profundo de seus documentos, mas também a montagem de um instrumento – a matriz "Sistema Modular" – que possibilita, além de uma leitura vertical das informações coletadas referentes a uma mesma variável em diferentes instituições de formação profissional, também uma leitura horizontal, em uma dada instituição.

MFN : 00321

ROBALINHO, Neuza. Tecnologia da educação : formas, expressão, tendências atuais. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 15-22, maio/ago. 1974.

Tem por objetivo caracterizar comportamentos didáticos diferentes, os quais identificam-se por aproximações científicas, pretendendo ressaltar diferentes formas de realização da tecnologia da educação, aplicáveis a qualquer tipo de ensino – profissional ou acadêmico – e contribuir a fim de que o contido na sua área mostre-se com clareza.

MFN : 00322

ROBALINHO, Neuza. Unidade na diversidade. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 23-32, jan./abr. 1980.

A autonomia de cada um dos componentes do Sistema Senac – as Administrações Regionais – gerou, com o passar do tempo, a diversificação de currículos em função da diversidade do nível de exigências do mercado de trabalho local, embora as habilidades inerentes ao exercício da ocupação sejam as mesmas enquanto ocupação. Várias têm sido as soluções alternativas aplicadas. O Programa de Laboratório de Currículos e Metodologias do Senac/DN vem perseguindo o objetivo de buscar a Unidade de Ação do Sistema Senac, estudando os meios de interligar os elementos básicos capazes de consolidá-la. A unidade de comportamento institucional, em termos de currículos, poderá ocorrer como resultante de estudos de caráter científico e por meio de outros tipos de medidas e procedimentos que neles se embasem. Entre esses, os catálogos de Cursos do Senac, a Matriz Analítica de Conteúdo e a Modulação Instrucional

MFN : 00323

ROBALINHO, Neuza. Utilização do videocassete instrutivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 85-96, maio/ago. 1985.

Mostra a utilização do videocassete em sala de aula, como uma ferramenta importante e inovadora para o processo de ensino-aprendizagem. Faz um breve resumo da história da gravação em fita magnética e apresenta um quadro comparativo dos subsistemas de planejamento e de produção, elaborado a partir da tese de doutorado "Problemas críticos em sistemas de televisão educativa".

MFN : 00324

ROCHA, Alexandre Sérgio. Sistemas de classificação de dados e sua importância para a análise ocupacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 89-96, jan./abr. 1980.

Focaliza a análise das ocupações no sentido de se valorizar o caráter absolutamente essencial da pesquisa de campo como elemento definidor dos perfis profissionais em uma certa e determinada situação real do mercado de trabalho que é, em principio, uma variável dependente do momento histórico na vida de uma comunidade. Examina o outro aspecto: o das várias formas de teorização do problema da sistematização de informações que interessam à análise de ocupações. Define as ocupações por meio de um perfil de habilidades e competências que as mesmas subentendam.

MFN : 00325

ROCHA, José Manoel Baltar da; ALMEIDA, Júlio Sérgio Gomes de; RIBEIRO, Elivan Rosas. Emprego no setor terciário: comentários a partir de textos selecionados. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 57-71, maio/ago. 1975.

Apresenta um estudo que faz parte de um trabalho mais abrangente sobre o Setor Serviços no Brasil, dizendo respeito a uma breve análise do comportamento do Setor. Faz uma abordagem preliminar que visa sintetizar e comentar alguns dos principiais estudos acerca do Setor Terciário.

MFN : 00326

RODRIGUES, Francisco F. de A. Administração estratégica para a qualidade em serviços. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 40-45, jan./abr. 1996. Inclui bibliografia.

Este ensaio analisa a polêmica questão dos problemas de qualidade em serviços das empresas, posto que estes carecem de mudanças de visão da liderança e do empresariado em geral, exigindo a incorporação de uma forma de pensar mais abrangente nos moldes do tradicional Planejamento Estratégico, cujos autores contemporâneos, a começar por H. Igor Ansoff, vem denominando Administração Estratégica. O autor utiliza bibliografia específica e atualizada e, a partir de sua análise, aponta uma saída que facilite tanto o lado tático da questão, quanto a vertente operacional do problema.

MFN : 00327

RODRIGUES, Francisco F. de A. . A. Aventura da qualidade. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 20, n. 2, p. 12-19, maio/ago. 1994.

Retrospectiva da aventura da própria Administração como ciência, de Taylor a Drucker. Cada escola de administração é vista com o seu paralelo na Qualidade, de forma que o leitor pode associar fatos da evolução da administração com o crescimento da qualidade, que aqui é vista como um fenômeno inerente ao homem. Ao mesmo tempo em que o informe é respeitado, há a leveza de uma reportagem jornalística, em forma de ensaio, conduzindo o leitor numa espécie de viagem, construindo de forma eficaz o único espaço que interessa, o do ser humano.

MFN : 00328

RODRIGUES, Natalia F.; BARATO, Jarbas Novelino; DUARTE, Paulo Tadeu Junqueira. Centros de auto-estudo e informação : uma perspectiva de mudança em educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 73-110, jan./abr. 1981.

Não é objetivo deste artigo fazer levantamentos de trabalhos que o Senac tenha desenvolvido com alto teor de autonomia dos participantes. É preciso, porém, deixar registrado que as preocupações similares as que resultaram num projeto sistemático de auto-instrução existem desde a origem da Entidade. Para uma compreensão do processo atualmente em andamento e que resultou no surgimento dos Centros de Auto-Estudo e Informação, menciona algumas referências aos estudos, discussões e atividades ocorridas em 1977.

MFN : 00329

ROGGERO, Rosemary. Leitura sobre o desenvolvimento do setor terciário no movimento do capital : e suas relações com a qualificação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 3, p. 2-15, set./dez. 1998. Inclui bibliografia.

Diante das constatações que apontam para a expansão do setor terciárioda economia, acompanhada de crescente e complexa diversificação das atividades que o compõem, objetiva caracterizar e destacar aspectos polêmicos do setor, buscando analisar, comparativamente, o estágio em que se encontra nos países de capitalismo avançado e sua dinâmica de expansão, no Brasil, tendo como parâmetros, as questões ligadas as inovações tecnológicas e organizacionais.

MFN : 00330

ROGGIA, Carmen; NOGUEIRA, Maria Eliane C. Animação turística : integração e valorização de roteiros. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 17-27, jan./abr. 1989.

Focaliza a necessidade de se conhecer o verdadeiro alcance e significado da recreação. Define recreação/animação turística não como terapêutica de recuperação de forças do trabalho executado, mas como valor que dimensiona a distância, o relacionamento e a integração dos que fazem turismo.

MFN : 00331

ROSA, Lair Margarida da. Enfoque andragógico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 135-150, maio/ago.1990.

Analisa os processos pedagógico e andragógico na aprendizagem do aluno adulto. A análise evidencia que o processo andragógico ultrapassa a concepção tradicional de educação: baseia-se numa aprendizagem centrada em "vida e trabalho" e considera a capacidade do adulto de orientar sua própria vida.

MFN : 00332

RUSCHMANN, Doris van de M. Marketing turístico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 41-51, jan./abr. 1989.

Mostra as singularidades que distinguem o produto turístico dos demais produtos e serviços, evidenciando uma de suas características mais marcantes, a de produto imaterial, inatingível, cujo resíduo após o consumo, se torna uma experiência vivência. Descreve as diversas etapas do marketing turístico e ressalta que a forma de apresentação do produto é fundamental para a decisão de compra do turista.

MFN : 00333

RUSCHMANN, Doris van de M. Planejamento de carreira do bacharel em turismo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 13, n. 3, p. 179-189, set./dez. 1987.

A partir da constatação da necessidade de formação específica para o profissional de turismo, discute o planejamento de carreira e as características de mercado de trabalho. Destaca, no perfil desse profissional, a importância da criatividade e do zelo pela manutenção e desenvolvimento dos recursos turísticos, a par da capacitação técnica e da competência.

MFN : 00334

RUSCHMANN, Doris van de M. Turismo e meio ambiente natural. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 123-134, maio/ago. 1990.

As belezas naturais constituem a "matéria prima" da atividade turística. A "fuga das cidades" e a "busca do verde" são, atualmente, as motivações predominantes nas viagens de férias e de fins de semana. Modelos de crescimento turístico mostram como desenvolver o turismo preservando o meio ambiente natural.

MFN : 00335

SALGADO, Edmée Nunes. Aspirações sociais de alunos dos cursos profissionais do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v . 5, n. 1, p. 23-44, jan./abr. 1979.

O levantamento, objeto deste artigo, tem a intenção de colher dados que possam revelar em que medidas os alunos dos cursos profissionais do Senac estão visualizando o status que a futura ocupação lhes trará e como se situam em termos de expectação e realização profissionais. Até que ponto o futuro trabalho profissional advirá de uma relação do sujeito com seus ideais e seus desejos e o grau de sucesso que o indivíduo espera obter; a relação dessa escolha com a auto-estima, isto é, a apreciação da pessoa em relação a si própria e com suas aspirações e desejos.

MFN : 00336

SALGADO, Edmée Nunes. Educação e a formação profissional na dialética do desenvolvimento. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 97-106, set./dez. 1974.

Explica que o sistema de educação no Brasil não se fez a partir de uma evolução natural, pois trata-se de um sistema importado na época colonial e que teve de se ajustar a filosofias e princípios sem qualquer vínculo com a terra e com as perspectivas sócio-culturais do país em formação. As Leis Orgânicas, a partir de 1942, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, de 1961, e ainda, a criação de instituições destinadas a formação profissional, são outros indicadores das tentativas de mudanças. Afirma que foi criado no Brasil o meio para se atingir o desenvolvimento pela educação.

MFN : 00337

SALGADO, Edmée Nunes. Educação e o trabalho num tempo de crise. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 131-140, maio/ago. 1984.

Demonstra que as interpretações da relação trabalho, emprego e educação são muitas. Cláudio Salm, estudando o fenômeno, afirma que a raiz do problema da educação está na sua crescente desvinculação do mundo do trabalho. Olhando sob esse prisma da subordinação, realmente cabe questionar até que ponto a educação formal deve ser planejada para responder aos interesses do mundo empresarial. De outro lado, não parece defensável que a educação desconheça e se afaste das relações do trabalho, de sua complexidade, significado e importância.

MFN : 00338

SALGADO, Edmée Nunes. Educação no mundo da formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 67-74, maio/ago. 1983.

Mostra a trajetória profissional da professora Maria Violeta Coutinho Villas Boas e a sua atuação junto ao Senac, fazendo o balanço de sua produção em 27 anos de vida institucional.

MFN : 00339

SALGADO, Edmée Nunes. Função supervisora e o processo educacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 73-84, maio/ago. 1982.

Continua sendo difícil determinar o que se deve fazer no exercício de função supervisora para garantir a eficiência e a eficácia do processo educacional escolar. De um lado, essa função, quando observada na realidade das escolas, sem rígidos critérios avaliativos, parece manipular muito mais os aspectos formais e burocráticos. De outro lado, consolida-se em todos os estudiosos a intenção desse serviço voltando-se para o essencial do processo curricular, visto na sua totalidade, ampliando-se o raio de ação, antes voltado, quase exclusivamente, para a sala de aula.

MFN : 00340

SALGADO, Edmée Nunes. Programa de teleducação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 223-247, jan./dez. 1976.

A opção inicial pela modalidade Ensino por Correspondência, no sistema Senac, fez-se a partir da análise de alternativas que permitisse a instituição a busca de clientela potencial localizada em todo o território brasileiro. Ressalta, por outro lado, que a utilização dos recursos de instrução a distância, na formação profissional, parece defensível na medida em que, através deles, é possível desenvolver cursos e outras programações analisadas, para um maior número de indivíduos, em locais e em situações não compatíveis com o emprego de outros veículos.

MFN : 00341

SALUM, Maria Elizabeth L. Comunicação técnica do Senac/São Paulo 1989/91. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 73-79, jan./abr. 1991.

Neste artigo, relata-se a estruturação dos serviços de comunicação técnica do Senac/SP, proposta e realizada a partir de 1989, com uma breve notícia sobre os seus antecedentes históricos.

MFN : 00342

SANDRONI, Paulo. Distribuição de renda e custos da educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 193-206, maio/ago. 1981.

Busca a resposta sobre quem financia a educação, em algumas considerações sobre o papel dos aparelhos estatais no desenvolvimento da sociedade capitalista. Aponta, por outro lado, ser a educação, considerada do ângulo econômico, uma das atividades que não apresentam "retorno" do capital investido, quando a atividade é desempenhada pelo Estado, e que de acordo com a tendência observada na última década, o Estado deverá intensificar a transferência da responsabilidade de financiamento da educação para a iniciativa privada.

MFN : 00343

SANTA ROSA, Luiz Carlos; BRIGIDO FILHO, Raimundo Vossio. Informática Corporativa no Departamento Nacional do Senac : uma experiência em direção a organização que aprende. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 20-27, set./dez. 1996. Inclui bibliografia.

Analisa as fases em que se estruturou o sistema de informação corporativa no Senac. São enfatizadas três fases: uma em que era dado um tratamento estatístico, sendo sistematizado com a introdução do planejamento integrado. A segunda em que se procurou criar um sistema de autonomia do usuário. A terceira é a da implantação de um sistema de rede interativa que oferece recursos de interligação para microcomputadores e outros equipamentos que transformam completamente a noção de processamento corporativo centralizado e abre perspectiva para a criação de um sistema interativo de apoio ao usuário.

MFN : 00344

SANTANA, Jorge Fernando de. Planos de ação do governo e suas perspectivas para o setor terciário da economia no Nordeste. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 65-85, jan./abr. 1986.

Trata de quatro pontos: primeiro, acerca do quadro socio-econômico atual do Nordeste e das mudanças recentes que se vem operando nele; segundo, a respeito do papel desempenhado pelo Estado, responsável pelas mais significativas transformações da Região; terceiro, sobre a nova política regional, ainda em fase de elaboração; e, por fim, acerca das perspectivas que se abrem para as atividades terciárias e as instituições que por elas respondem.

MFN : 00345

SANTOS, Cleide Rocha; LOBO FILHO, Marilia M.; ROCHA, Leny Alves. Experiências do ensino semi-indireto no Senac de Brasília. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 181-192, maio/ago. 1981.

Enfoca a metodologia do ensino semi-indireto aplicada no Departamento Regional de Brasília, tanto na clientela-alunos, como na preparação de recursos humanos da Entidade. Nos estudos e pesquisas que antecederam as experiências, já se encontravam traçados e definidos os alvos que seriam atingidos ao final do processo, tais como: substituir os treinandos tradicionais; modificar a imagem do professor de "transmissor de conhecimentos", para "orientador de aprendizagem"; desvincular os treinamentos de salas de aulas formais; e considerar as diferentes potencialidades dos treinandos.

MFN : 00346

SANTOS, João Gomes dos. Documentação, informação e formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 165-173, set./dez. 1985.

Diz que ultimamente a área de Documentação passou a merecer uma atenção especial por parte das Instituições de Formação Profissional, da Secretaria de Mão-de-obra – SMO do Ministério do Trabalho – MTb e, inclusive, de órgãos internacionais, como é o caso da Organização Internacional do Trabalho.

MFN : 00347

SARAIVA, Terezinha. Avaliação da educação a distância: sucessos, dificuldades e exemplos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 32-45, set./dez. 1995. Inclui bibliografia.

Na última década, a Educação a Distâcia, no Brasil, firmou-se como alternativa para ampliação das oportunidades educacionais, atualização e aperfeiçoamento de professores. Enfatiza, então, a importância das funções de utilização e avaliação num programa de EAD. Apresenta exemplos de avaliação de quatro grandes projetos: O Saci, cujo experimento desenvolveu-se no Rio Grande do Norte; os sistemas de televisão educativa do Maranhão e Ceará; e o programa "Um Salto para o Futuro", de âmbito nacional.

MFN : 00348

SARAIVA, Terezinha. Desafio de sempre : prioridade para a educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, p. 223-228, set./dez. 1985.

Diz que é preciso definir objetivos e traçar estratégias de ação para a educação, considerando-se as propostas não-formais de profissionalização, citando como exemplo os cursos do Senac e Senai que qualificam para o trabalho a nível de 1o e 2o graus.

MFN : 00349

SCHELLIN, Elgar da Cruz. Metodologia da pesquisa : uma experiência (diferente)de operacionalização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 11, n. 2, p. 129-142, maio/ago. 1985.

Mostra a metodologia de pesquisa utilizada para definir a viabilidade de implantação do Programa Integrado de Desenvolvimento Comercial na cidade de Pelotas.

MFN : 00350

SCHNEIDERMAN, Bernardo Helio. Satélites de comunicação para educação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 117-125, maio/ago. 1988.

Descreve o uso dos satélites de comunicação para a educação em diferentes partes do mundo, oferecendo uma visão concreta para planejadores e elaboradores de políticas educacionais e de treinamento profissional.

MFN : 00351

SENAC. DN. Caracterização psicossocial de alunos de cursos profissionalizantes do Senac : primeiros resultados. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 117-125, set./dez. 1974.

O estudo objetiva conhecer melhor a clientela do Senac, no que se refere às suas características psicossociais, com vistas a melhor adequação das programações e da metodologia da formação profissional; adequar os procedimentos de orientação educacional, inclusive no que se refere à seleção para os cursos, as características da clientela; identificar traços discriminantes dos alunos, à nível de 2o grau. O instrumento utilizado foi um questionário aplicado aos participantes de cursos de profissionalização no nível acima citado.

MFN : 00352

SENAC. DN. Diagnóstico do setor terciário. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 189-233, jan./abr. 1975.

Apresenta uma pesquisa, de âmbito nacional, realizada pelo Senac, na qual é levantada a estrutura e a dinâmica do setor terciário, nos aspectos que interessam para a formulação de política e programa de ação no campo da formação profissional.

MFN : 00353

SENAC. DN. Nova concepção de formação profissional do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 11-25, maio/ago. 1995.

Documento que resulta dos trabalhos realizados por um grupo de estudo criado no Departamento Nacional do Senac, envolvendo consultas sistemáticas às unidades do Sistema e debates em reuniões de âmbito nacional, com a finalidade de formular para a Instituição uma proposta de formação capaz de dar conta das novas competências atualmente exigidas dos profissionais. Aprovado em 1994, essa obra, depois de mostrar o contexto em que se manifesta a necessidade de revisão da formação profissional, apresenta as bases conceituais de nova proposta, diretrizes para a ação institucional.

MFN : 00354

SILVA, Marco. Que é interatividade. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 27-35, maio/ago. 1998. Inclui bibliografia.

Interatividade é, a partir dos anos 80, uma condição revolucionária, inovadora da informática, da televisão, do cinema, do teatro, dos brinquedos eletrônicos, do sistema bancário on-line, da publicidade, etc. Há uma crescente indústria da interatividade, usando o adjetivo interativo para qualificar qualquer coisa cujo funcionamento permite ao seu usuário algum nível de participação ou troca de ações. Este texto procura depurar o conceito de interatividade no sentido de buscar seu significado mais profundo.

MFN : 00355

SILVA, Maria José Lopes da. Aspecto da função ideológica da escola : o currículo oculto. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 40-45, maio/ago. 1996. Inclui bibliografia.

 

Trata da manipulação a que o Currículo Oculto pode levar tanto alunos quanto professores. Este, entendido como o ambiente escolar, a sala de aula e os tipos de relação que se dão nestes espaços, deve ser explorado de modo a evidenciar preconceitos generalizados. Faz considerações a respeito da concepção ideológica que marca a caracterização tanto da escola como da sua clientela e do papel do professor. Destaca, o poder da linguagem, e da escola como veículo formador, construtor de linguagens. Volta-se, finalmente, para a postura do professor e seu compromisso com a transformação social.

MFN : 00356

SILVA, Marileia Maria da. Programa de trainee : uma questão de currículo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 37-45, maio/ago. 1998. Inclui bibliografia.

Discute a utilização dos programas de trainee em algumas empresas como uma estratégia de formação de seus quadros executivos. Tem como meta os jovens de faculdades de primeira linha, devido ao suposto ensino de melhor qualidade, embora distante da realidade do mercado de trabalho. As pesquisas mostram uma valorização da origem socioeconômica dos candidatos por parte das empresas, os quais, uma vez selecionados, são formados numa perspectiva generalista, mais avançada por propiciar uma visão do todo. E uma tentativa de racionalizar o trabalho do que a formação integral do homem, a politécnica.

MFN : 00357

SILVA, Rosa Maria Ribeiro da. Formação profissional da mulher trabalhadora : América Latina ; recomendações do seminário regional do Cinterfor projeto 102. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 33-44, jan./abr. 1977.

Analisa e discute os trabalhos apresentados no Seminário Regional do Cinterfor, realizado em Bogotá em 1976, os quais revelaram não só a necessidade de aprofundar o estudo dos problemas levantados, como também de desenvolver uma série de ações no sentido de: ampliar, a curto prazo, os níveis de participação da mão-de-obra feminina no mercado de trabalho; melhorar as condições de acesso e promoção da mulher em relação ao emprego; fazer com que a qualificação profissional da mulher seja um instrumento eficaz para combater a discriminação por ela sofrida no mercado de trabalho; etc.

MFN : 00358

SILVA, Walzi da. Diagrama de fluxo de decisões. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 5, n. 3, p. 301-318, set./dez. 1979.

Muitos são os instrumentos de que dispõe a teoria da decisão para abordar um problema que envolva a escolha em condições de incerteza. Assim, tabelas, matrizes e graficos são utilizados, exclusiva ou simultaneamente, com o intuito de explicitar as circunstâncias e alternativas a serem consideradas na tomada de decisão. Apresenta a aplicação de um procedimento conhecido como diagrama de fluxo de decisões, ou ainda, árvore de decisão, aplicável a situações que envolvam decisões sob incerteza.

MFN : 00359

SILVA, Walzi da. Idéias para uma fundamentação da análise ocupacional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 63-74, jan./abr. 1984.

Demonstra que a despeito do elevado número de análises ocupacionais efetivamente realizadas, nos ressentimos da completa ausência de uma enunciação explícita de pressupostos teóricos e recursos metodológicos sobre os quais possam elas se basear. O objetivo do artigo consiste em uma primeira formalização, sujeita certamente a inúmeros melhoramentos posteriores, da Análise Ocupacional munida de recursos para o tratamento de processos decisórios.

MFN : 00360

SIMPÓSIO sobre o ensino profissionalizante (6 a 9 de outubro de 1981): relatório final. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 95-120, maio/ago. 1982.

 

Apresenta a programação, conteúdos dos trabalhos e conclusões do Simpósio sobre o Ensino Profissionalizante, instituído pela Lei 5.692, de 11 de agosto de 1971. Inclui o Parecer do Dn/Senac ao Anteprojeto que "Altera dispositivo da Lei 5.692/71", tornando opcional, para o estudante e para a escola, a profissionalização do curso de 2o grau.

MFN : 00361

SOARES, Rosemary Dore; CORTEZ ROMERO, Carlos; CARVALHO, Antônio Machado de et al. Política de formação profissional em Minas Gerais. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 3,set./dez. 1999. Inclui bibliografia.

Apresenta resultados de uma pesquisa sobre a política de formação profissional do Estado de Minas Gerais. Seu objetivo foi o de buscar elementos teóricos e empíricos para esclarecer como as mudanças que vem acontecendo nas esferas econômica, social, política e cultural, em nível mundial, se manifestam no Estado de Minas Gerais e que impactos vêm provocando sobre a formação profissional, considerando-se as escolas técnicas de nível médio das redes pública e privada do sistema regular de ensino. Trata-se de um trabalho de caráter inovador frente a outros realizados sobre a referida temática por investigado, simultaneamente, empresas e escolas; por ter aglutinado pesquisadores voltados para o estudo da formação profissional em Minas Gerais e, finalmente, por ter buscado a opinião de lideres sindicais, além de um segmento da sociedade que tem ficado à margem das pesquisas sobre o assunto: aluno(s) e pais. Como resultado do trabalho delineiam-se alguns subsídios no sentido de contribuir para a formulação de políticas educacionais para a qualificação e requalificação de trabalhadores e professores do ensino médio.

MFN : 00362

SOUSA, Izabel Miranda Garcia de; PAPELBAUM, Daniela. Educação a distância no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 14-19, set./dez. 1996. Inclui bibliografia.

A Educação a Distância no Senac tem história antiga. Sua trajetória comporta conquistas e percalços que este artigo pretende mostrar. Atualmente, a modalidade encontra, mais do que sempre, o respaldo da Instituição, pois ela desempenha no novo Modelo Senac de Formação Profissional papéis definidos e de grande responsabilidade. Aliado a isto, os avanços tecnológicos aplicados a educação imprimem a Educação a Distância uma maior aceitação por parte dos educadores e do público em geral, o que contribui para impulsionar o desenvolvimento dos programas confiados a modalidade pela Instituição.

MFN : 00363

SOUZA, Adão de. Venda adicional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 113-121, maio/ago. 1990.

A venda adicional demonstra-se recurso moderno e eficiente capaz de aumentar a produtividade de qualquer equipe de vendedores. Aponta a diferença entre a venda adicional e a venda complementar e sua aplicação nas vendas internas e externas.

MFN : 00364

SOUZA, Antônio Bonifácio R. de. Televisão no ensino regular como alternativa ao ensino convencional : possibilidades e limitações. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, p. 113-24, maio/ago. 1986.

Define as funções do orientador da aprendizagem, visto como elemento essencial do sistema de TV escolar, e suas competências básicas numa aprendizagem significativa que vise o desenvolvimento integral da pessoa do educando. Aponta, ainda, a necessidade de novos estudos sobre a teleducação, para que a utilização do veículo televisual possa contribuir adequadamente para a desejada democratização.

MFN : 00365

SOUZA, Donaldo Bello de. Globalização : a mão invisível do mercado mundializada nos bolsões da desigualdade social. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 2-12, maio/ago. 1996. Inclui bibliografia.

 

Trata do fenômeno da mundialização econômica, identificando os determinantes políticos de seus mecanismos no âmbito das dimensões técnica e econômica. Discute o processo de internacionalização do Estado-Nação, o ideário neoliberal, a reestruturação produtiva mundial e o aprofundamento das desigualdades sociais. Afirma que o problema do desemprego contemporâneo não deve ser visto como solúvel pela mera atualização de conhecimentos, habilidades e atitudes da força de trabalho, uma vez que as ações de formação e reconversão profissional não são determinantes da geração de postos de trabalho

.

MFN : 00366

SOUZA, Donaldo Bello de. Superação do determinismo econômico nas análises sobre as inovações : possíveis contribuições do aporte Gramasciano. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 12-19, jan./abr. 1997.

Aborda a problemática do determinismo histórico no âmbito do debate sobre as inovações tecnológicas. Destaca alguns aspectos gerais da crítica de Gramsci em relação às interpretações mecanicistas sobre os vínculos entre estrutura e superestrutura para, logo em seguida, tematizar o conceito de bloco histórico. Conclui afirmando que o desenvolvimento dos processos de produção não geram, por si mesmos, descontinuidades no modo de produção e nas relações capitalistas de produção.

MFN : 00367

SOUZA, Fernando Mey de. Cooperação interinstitucional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 151-170, maio/ago. 1984.

Demonstra que o Senac mantém relações institucionais com organizações privadas e públicas, no âmbito municipal, estadual e federal, no país e no exterior. O desenvolvimento destas relações tem produzido acordos de cooperação bilateral e multilateral, contratos de prestação de serviços e convênios. O trabalho procura conhecer, agrupar e detalhar os objetivos dos convênios firmados, pois do seu exame poderão advir contribuições para aperfeiçoar as estratégias e práticas de integração e participação social da Entidade.

MFN : 00368

STAHL, Marimar M. Banco de dados : ferramentas de apoio ao desenvolvimento cognitivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 59-82, jan./abr. 1990.

O mundo está passando da era industrial para a era da informação, enfrentando muitas e rápidas mudanças, transformando a informação em recurso indispensável no campo profissional e na vida diária. A facilidade para armazenar, organizar e recuperar informações torna os bancos de dados poderosas ferramentas de ensino-aprendizagem, podendo apoiar o desenvolvimento de habilidades cognitivas, reflexão crítica e solução de problemas, consideradas habilidades fundamentais para dominar as modernas tecnologias.

MFN : 00369

STALEY, Eugene. Conceito tetra-fásico. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 173-179, jan./abr. 1975.

Simplifica a análise e planejamento da educação e formação profissional, adotando quatro fases ou estágios: educação geral; educação geral mais educação pré-profissional; treinamento no ingresso no trabalho, mais educação complementar; treinamento e retreinamento adicionais ao longo da carreira, com educação complementar. Explica que cada indivíduo deveria ter a oportunidade de passar por essas quatro fases, obedecendo a seqüência indicada, e adquirindo, assim, educação, formação e experiências necessárias à competência profissional, em um ou mais campos condizentes com suas aptidões.

MFN : 00370

SVENNILSON, I.; EDDING, E.; ELVIN, L. Educação e bem-estar social : a estrutura social da política educacional. Trad. Robert N. Dannemann. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 83-91, set./dez. 1974.

A política educacional, no quadro nacional, tem dois objetivos principais: satisfazer às exigências do indivíduo, para o desenvolvimento pessoal, e satisfazer às necessidades da sociedade, para o seu desenvolvimento geral. A primeira vista, pareceria haver um conflito nesse dualismo de objetivos. Entretanto, o conflito entre a escolha do indivíduo e a formulação da política nacional seria mais aparente que real. Partindo daí, traça um paralelo entre educação e bem-estar social. Conclui que são elevados os benefícios do investimento em uma educação prolongada.

MFN : 00371

SVENNILSON, I.; EDDING, E.; ELVIN, L. Problemas na formulação da política educacional. Trad. Robert N. Dannemann. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 93-96, set./dez. 1974.

Demonstra que o risco da qualidade do ensino pode ser sacrificado pela quantidade, quando um sistema educacional se expande rapidamente. Estabelece dois pontos: o possível efeito de uma rápida expansão quantitativa na qualidade educacional deveria ser considerada previamente; e o da oportunidade. Se as sucessivas fases de expansão forem planejadas, os efeitos sobre a qualidade não serão, provavelmente, prejudiciais. Discute a generalização da escola secundaria indo forçosamente, ampliar o currículo, para nele incluir matérias ate então não consideradas escolares.

MFN : 00372

SZYMANSKI, Maria Lídia Sica. Algumas considerações sobre o nível de desenvolvimento mental de alunos adultos do Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 91-100, maio/ago. 1983.

Observa que nem todos os adultos que freqüentam certos cursos profissionalizantes parecem raciocinar a nível formal como seria de se esperar, tendo em vista a idade cronológica que apresentam. Isto levou a autora à pesquisa quanto ao nível operatório desses adultos. Para isso, optou pelos alunos dos cursos de Atendente de Enfermagem, cuja clientela, predominantemente feminina, a nível de 1o grau, apresenta baixo nível socio-econômico, percebendo em média 1,5 salários-mínimos mensais.

MFN : 00373

SZYMANSKI, Maria Lídia Sica. Micro-ensino : relato de uma experiência em treinamento de instrutores. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 183-196, maio/ago. 1980.

Relata a experiência de treinamento em microensino para os instrutores do Centro de Formação Profissional de Cascavel-Paraná, visando: treinar docentes dentro de perspectiva de educação permanente, com intuito de aumentar sua eficácia e eficiência técnico-pedagógica; conscientizar os instrutores do Senac quanto à importância do papel de desempenho na consecução dos objetivos da entidade; dar condições para que os docentes interajam entre si, objetivando formar uma equipe mais integrada. Discorre sobre as duas fases do treinamento.

MFN : 00374

TAVARES, Fernando Maia. Ensino técnico no Brasil : reflexões sobre seu contexto. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 211-224, set./dez. 1990.

O artigo busca selecionar elementos presentes no meio ambiente sócio-cultural e econômico que influem na prática do ensino técnico no Brasil. Procura-se relacionar esses elementos a postura discriminatória com que a sociedade valora o ensino e, mais especificamente, relaciona-o às diferentes camadas sociais. A intenção é a de provocar discussão reflexiva sobre o contexto que envolve o ensino técnico em nosso País.

MFN : 00375

TAVARES, Maria José Fernandes. Informação profissional no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 53-56, maio/ago. 1975.

Revela que a atuação da informação profissional do Senac deve atingir a todas as Unidades Operativas, restringindo, inicialmente, os Centros de Formação Profissional. Apresenta ampla perspectiva de uma atuação junto, entre outras, as Unidades Móveis e a Teleducação. Conclui que levantados os objetivos principais da informação profissional, chega-se, fatalmente, a alguns dos objetivos gerais da Entidade.

MFN : 00376

TAVARES, Maria José Fernandes. Informação profissional no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 129-136, maio/ago. 1977.

Delimita, em poucas palavras, o significado e as perspectivas da informação profissional dentro do Sistema Senac. Oferece uma visão geral de como vem se processando a evolução de tal serviço na Entidade e da sua importância no processo de formação profissional.

MFN : 00377

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Conhecimento, tecnologia e organização : evolução, conflitos e perspectivas. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 24, n. 2, p. 11-17, maio/ago. 1998. Inclui bibliografia.

As mudanças que ocorrem no século XX podem ser observadas na transformação das organizações, no trabalho e na educação. Aborda as principais mudanças e conseqüências no campo da administração. Mais especificamente, são discutidas as novas perspectivas abertas pela Tecnologia da Informação e da Comunicação e seus impactos nas organizações. Dá atenção especial à função do Conhecimento nas empresas como elemento de competitividade e ao papel da Tecnologia da Informação e da Comunicação no suporte à Gestão do Conhecimento.

MFN : 00378

TEIXEIRA FILHO, Jayme. Estratégias para o caos : sobre a transposição de teorias da física e da matemática para a administração. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 1, p. 32-41, jan./abr. 1999. Inclui bibliografia.

Estratégias para o caos seriam formas de abordar o desconhecido, maneiras de confrontar nosso medo de mudança, caminhos para recriar o mundo a partir do caos aparente. As empresas são seduzidas por propostas embaladas por analogias com teorias em outros campos da atividade humana. Muitas vezes, o que os meios de comunicação nos apresentam como idéias "revolucionárias", principalmente em administração, são na verdade antigos conceitos reciclados ou tomados emprestado de áreas correlatas.

MFN : 00379

TOMEI, Patrícia Amélia. Programas de treinamento e desenvolvimento de recursos humanos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 3, p. 183-205, set./dez.1989.

Propõe analisar a questão do TD de Recursos Humanos no Brasil, sua evolução, o estudo de sua natureza, de seu conteúdo, de suas prioridades, de suas formas de implementação e de seus retornos em termos de qualificação de mão-de-obra.

MFN : 00380

TORGO, Ofredy Strenge. Projeto primeiro emprego. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 103-111, maio/ago. 1983.

Apresenta o Projeto Primeiro Emprego que tem como objetivo: oportunizar aos candidatos a primeiro emprego, várias opções de programações simultâneas que melhor os habilitem a concorrer às vagas de trabalho oferecidas; diversificar e ampliar a qualificação profissional dos alunos que necessitam concorrer, urgentemente, ao primeiro emprego, proporcionando condições de ampliação de suas atividades no desempenho do serviço; proporcionar sessões de valorização profissional aos candidatos a primeiro emprego, objetivando que se adaptem mais rapidamente em suas atividades; etc.

MFN : 00381

TOSTES, Ivone Regina Mussi; RODRIGUES, Maria de Nazaré Corrêa. Avaliação : conseqüência ou necessidade? Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 155-167, set./dez. 1982.

Analisa algumas definições de avaliação e constata que uma enfatiza o juízo de valor, outra a dimensão medida e outra, ainda, transpassa as duas dimensões. Tudo isso leva a inferir que o caráter de subjetividade está presente em todo o processo avaliatório, haja visto que o avaliador sempre ou quase sempre seleciona e enfatiza no processo de avaliação, aqueles aspectos que se lhe afiguram como os mais relevantes. Esclarece que a avaliação contribui para a melhoria do ensino-aprendizagem.

MFN : 00382

TRAINOTTI, Teresinha Salete. Desenvolvimento cognitivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, p. 45-60, jan./abr. 1991.

Percebe-se, nestas últimas décadas, que o sistema educacional, vem passando por significativas mudanças, buscando, entre outras, tornar o indivíduo agente do seu próprio desenvolvimento e crescimento. Este artigo destaca a importância de se conhecer com profundidade a natureza do conhecimento, destacando que o estudo do desenvolvimento cognitivo abre perspectivas para isto.

MFN : 00383

TRINDADE, José Tarcísio P.; SEGRE, Lídia M. Inovação tecnológica no setor de serviços : um enfoque no comércio varejista da grande distribuição. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 2-9, set./dez. 1995. Inclui bibliografia.

Procura mostrar, com base num novo modelo teórico de inovação nos serviços e em estudo de caso, como se dá o processo de difusão das novas tecnologias de informação nesse setor, em particular qual o caminho perseguido pelo comércio varejista da grande distribuição para atingir o estágio mais avançado da automação comercial. São apresentadas as várias etapas do processo de adoção das inovações bem como algumas conseqüências em nível de empresa, do trabalho e da clientela.

MFN : 00384

TRINDADE, José Tarcísio P.; SEGRE, Lídia M. Mudanças organizacionais em lojas de departamentos : adoção de tecnologias de informação e terceirização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 22-27, maio/ago. 1996. Inclui bibliografia.

O artigo trata, com base em estudo de caso numa loja de departamento, de como a introdução do auto-serviço no setor do comércio varejista bem como a introdução das novas tecnologias de informação alteraram as estratégias e as técnicas de comercialização e a organização do trabalho, provocando mudanças nas rotinas dos serviços e na logística das empresas. Tal processo de mudanças prossegue, agora, com a terceirização, que busca a racionalidade dos processos e a economia de custos.

MFN : 00385

TRYLINSKI, Maria Helena C. Vianna. Identificação de necessidades de formação profissional : serviços de transporte coletivo. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, p. 113-124, maio/ago. 1989.

Oferece subsídios aos planejamentos da formação profissional no setor de transportes. A análise abrange descrição dos conhecimentos, atitude e aptidões necessários aos profissionais alocados nos diversos cargos abrangidos pela pesquisa.

MFN : 00386

TRYLINSKI, Maria Helena C. Vianna. Inovação tecnológica e formação profissional na indústria de construção civil. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 14, n. 1, p. 27-36, jan./abr. 1988.

Apresenta resultados de pesquisa sobre a repercussão da inovação tecnológica na indústria de construção civil. Adotou-se a abordagem qualitativa, optando-se pela realização de entrevistas pouco estruturadas. Submetidas a análise de conteúdos, as informações nas empresas permitiram constatar que estão em curso mudanças nos processos de trabalho que visam garantir maior valorização do capital investido.

MFN : 00387

VAISTMAN, Jeni. Subjetividade e paradigma do conhecimento. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 3-9, maio/ago. 1995. Inclui bibliografia.

Aborda algumas mudanças que vem ocorrendo no campo do conhecimento. Primeiro, discute como a ciência moderna desenvolveu-se, seguindo um modelo de objetividade que buscava as determinações e leis universais. Em seguida, discute-se como o novo paradigma de conhecimento integra as idéias de ordem e desordem, a indeterminação, a subjetividade, a diferença. Os modelos abrangentes e universais tornaram-se insuficientes para os problemas surgidos. A multiplicidade de modelos ganhou legitimidade política.

MFN : 00388

VALLE, Vera de Almeida. Datilografia : um novo ambiente de aprendizagem. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 2, p. 183-194, maio/ago. 1990.

O ensino de datilografia envolve questões mais profundas do que as de operação de teclado. Enseja, por exemplo, questões de automatismo e de aprendizagem significativa. O software de datilografia constitui resposta a pontos importantes, como o da aprendizagem controlada, a relação estimulo-resposta, os níveis progressivos de dificuldades, etc.

MFN : 00389

VALLE, Vera de Almeida. Ensino para competência e auto-instrução : caracterização das duas metodologias de ensino. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 269-279, set./dez. 1991.

Este documento procura caracterizar as metodologias de ensino conhecidas como ensino para competência e auto-instrução, de largo emprego nos processos educacionais de formação profissional. O estudo integra o projeto de desenvolvimento de um software denominado – Sistema de Capacitação de Docentes e Avaliação de Desempenho, realizado no âmbito do Programa de Informática Educacional do Senac/Departamento Nacional.

MFN : 00390

VALORIZAÇÃO dos recursos humanos : orientação e formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 31-34, maio/ago. 1974.

Propõe que os Estados Membros estendam progressivamente seus sistemas de orientação profissional e de emprego para que adolescentes e adultos possam obter orientação completa quanto ao ensino, a formação profissional, e ao emprego.

MFN : 00391

VICCARI, Rosa Maria; MOUSSALLE, Neila. Tutores inteligentes para o ensino da linguagem Prolog. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 157-171, maio/ago. 1991. Por.

Este artigo apresenta experiências significativas no ensino da Linguagem Prolog para diferentes faixas etárias. Após breve síntese sobre a evolução das investigações relativas ao uso de computadores no ensino, as autoras informam como está acontecendo a passagem da tecnologia adquirida no uso de tutores inteligentes para o ensino da Linguagem Prolog para o aprendizado da Matemática.

MFN : 00392

VIEIRA, Jorge. Conhecimento e crítica. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 16, n. 1, p. 47-57, jan./abr. 1990.

O conhecimento tem sido o principal recurso do homem para subsistir na Terra. A aquisição e transmissão do conhecimento científico ocorre por uma troca intersubjetiva de imagens de mundo, num processo de comunicação em que a crítica deveria estar obrigatoriamente implicada. Questiona então em que medida estamos preparados para o exercício da criticidade e até que ponto estamos aprendendo a aprender.

MFN : 00393

VILLAS BOAS, Maria Violeta Andragogia e formação profissional contínua. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p. 5-12, jan./abr. 1982.

Aborda o papel da educação, não mais atendida como um simples processo de transmissão da cultura, mas como agente promotor de desenvolvimento permanente do homem e antecipador ou estimulador da mudança social. Afirma que nenhuma proposta educacional, de teor genérico ou específico, por melhor que seja planejada em termos da compatibilização entre conteúdos, tratamento metodológico e objetivos a alcançar lograra atingi-los, caso não se ajuste a condicionamento vital. Analisa a questão do programa educacional permanente, e em particular, de formação profissional contínua.

MFN : 00394

VILLAS BOAS, Maria Violeta. Senac do ontem ao hoje. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 211-222, jan./dez. 1976.

 

Traça um perfil da instituição e das mudanças por que passou nos últimos 30 anos, informando como se ajustou as grandes alterações sobrevindas, durante a referida época, no País e de como está consciente da própria função como agente de novas mudanças, por influência direta de atuação no domínio das atividades terciárias, longo alcance e a maior prazo, no sistema sócio-econômico nacional.

MFN : 00395

WAEHNELDT, Anna Beatriz de Almeida. Senac e a educação ambiental. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 3, p. 8-13, set./dez. 1996. Inclui bibliografia.

Relata a inserção da Educação Ambiental no ensino profissionalizante desenvolvido pelo Departamento Nacional do Senac. Partindo da determinação da Constituição Brasileira (1988), que introduziu a temática ambiental em todos os níveis de ensino, e das exigências do atual mercado mundial quanto a necessidade de adaptação das empresas frente a problemática ambiental. Este trabalho aponta como o Senac se posiciona frente a essa nova realidade e descreve as particularidades de seu Programa de Educação Ambiental, assim como seus diferentes projetos.

MFN : 00396

WEINBERG, Pedro Daniel. Construção de uma nova institucionalidade para a formação. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 22, n. 1, p. 2-17, jan./abr. 1996.

Aborda a questão das mudanças no âmbito da formação profissional, à luz das transformações operadas no plano econômico, tecnológico, produtivo, trabalhista e no comércio internacional, assim como as novas formas de organização do trabalho. Destaca a centralidade que no novo cenário adquire a formação e desenvolvimento de recursos humanos, enquanto estes se transformam na força essencial para uma nova realidade. Revê as inovações recentes, que afetam tanto o conceito de formação como as modalidades institucionais, os sujeitos e as formas de ação que, em relação a estes, assumem as instituições.

MFN : 00397

WEINBERG, Pedro Daniel. Formación en America Latina y el Caribe a finales del milenio. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 25, n. 2, p. 3-17, maio/ago. 1999.

A formação profissional na América Latina e no Caribe possui traços característicos e originais, tornando-a diferente das outras partes do mundo. Atualmente, em matéria de formação, há experiências inovadoras em metodologias, arranjos organizacionais, esquemas de financiamento, e alianças estratégicas entre os participantes. Propõe descrever o panorama atual da formação profissional na região a partir da análise de suas três dimensões mais relevantes: a do trabalho, a tecnológica, e a educativa.

MFN : 00398

WINICKI, Fany Aconselhador (orientador) como psicoecologista. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 1, n. 1, p. 23-30, maio/ago. 1974.

Procura demonstrar a necessidade de uma abordagem ecológica no aconselhamento, ou seja, não considerar o cliente uma personalidade anormal que deve ser ajustada a um meio normal, mas sim enfocar a anormalidade como produto desse meio.

MFN : 00399

WINICKI, Fany. Considerações sobre as atividades de colocação e acompanhamento na SOEP. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 67-69, nov. 1976. Número especial.

Tece considerações a respeito do serviço de Orientação Educacional e Profissional do Senac no tocante a colocação e acompanhamento dos alunos. Explica que a colocação não e atribuição direta da SOEP, porém esta tem responsabilidade indireta sobre o ajustamento ao trabalho e, consequentemente, sobre a colocação. Todavia o acompanhamento pós-colocação não e atribuição da SOEP, cabendo ao Centro de Formação Profissional manter equipes especializadas nesse tipo de pesquisas.

MFN : 00400

WINICKI, Fany. Entrosamento do corpo docente com a orientação educativa. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 13-28, nov. 1976. Número especial.

Declara que os problemas de comportamento do aluno em classe são, via de regra, de natureza pedagógica, isto é, ligados a atuação do professor, a sua personalidade, a sua capacidade de liderança aos meios de motivação e métodos didáticos, – condições essas que devem considerar, em primeiro plano, a psicologia do adolescente, a quem a aula é dirigida. Concluindo dessa forma, a ação educativa exercida pela escola identifica-se, plenamente, em finalidade e extensão com Orientação Educativa e, portanto, toda a equipe que entra em contacto direto com o aluno.

MFN : 00401

WINICKI, Fany. Extensão do serviço de psicologia a formação profissional para adultos no setor terciário. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 33-48, nov. 1976. Número especial.

Expõe as funções e objetivos do serviço de psicologia para os cursos de adultos - de formação profissional - no Senac, o qual consiste no atendimento contínuo, de natureza psicopedagógica, prestando aos participantes, aos instrutores, a administração e, de um modo geral, a toda a equipe do Centro (escola)visando um maior rendimento do processo formativo e do exercício profissional, com melhor ajustamento do indivíduo em todos os planos de atuação social.

MFN : 00402

WINICKI, Fany. Fany Winick : dados biográficos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 7-12, nov. 1976. Número especial.

Apresenta os dados referentes as atividades profissionais da psicóloga.

MFN : 00403

WINICKI, Fany. Normas de seleção para os cursos profissionalizantes no Senac. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 61-65, nov. 1976. Número especial.

Apresenta as normas utilizadas pelo Senac referentes à seleção dos candidatos aos seus cursos profissionalizantes. O princípio utilizado foi o de não eliminar candidatos, existindo vagas deverão ser aproveitados os melhores do ponto de vista intelectual e motivacional.

MFN : 00404

WINICKI, Fany. Posição da SOEP no centro de formação profissional. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 85-92, nov. 1976. Número especial.

Revela que a Seção de Orientação Educacional e Profissional no Senac, instalada em cada Centro de Formação Profissional da Entidade, visa o atendimento contínuo e integrado de natureza psicopedagógica, aos participantes dos cursos, aos instrutores, a administração e, de um modo geral a toda a equipe escolar.

MFN : 00405

WINICKI, Fany. Posição do orientador educacional face ao trabalho com grupos. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 51-57, nov. 1976. Número especial.

Considera, de maior relevância no posicionamento do orientador face aos grupos com os quais trabalha, a capacidade de mudar de papel, isto é, de assumir diferentes atitudes de liderança no momento em que se fizer necessário. Ele exercerá funções diferentes, de produção, facilitação ou regulação, conforme a necessidade do grupo, em dado momento. O trabalho será centrado no problema ou no grupo conforme a necessidade deste, enquanto o líder devera ter sensibilidade bastante para perceber a dinâmica do grupo e, então, ser diretivo ou não diretivo para melhor conduzi-lo.

MFN : 00406

WINICKI, Fany. Psicologia e profissionalização. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, p. 73-82, nov. 1976. Número especial.

Procura demonstrar que, o Plano Básico de Orientação Educacional no Senac, preconiza duas linhas de ação demarcadas: uma de ação direta sobre os participantes dos cursos; outra, de ação indireta, ou melhor, integrada com os demais técnicos da equipe escolar (diretores do centro, supervisores de ensino, e instrutores), visando sempre os aspectos psicopedagógicos do processo de formação profissional.

MFN : 00407

ZAJDSZNAJDER, Luciano. Pós-modernidade e tendências da administração contemporânea. Boletim Técnico do Senac, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 10-19, set./dez. 1993.

Analisa a imbricação das questões humanas, tecnológica e organizacional na realidade empresarial pós-moderna. Segundo o autor, a reflexão adequada dessas questões auxilia as organizações a lidar com o mundo contemporâneo, caracterizado pela falta de padrões firmes e estáveis, alta incerteza, mudanças constantes e novas formas de comportamento humano.





powered by FreeFind

DO PAMPA À SERRA


Veja os detalhes da profissão e onde estudar!

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA
© 2001 senac br. Todos os direitos reservados.